Um país doente | Fábio Campana

Um país doente

Reflexão do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero.

“Apenas em um país profundamente doente, um deputado é flagrado recebendo uma mala de dinheiro e permanece solto;
Apenas em um país profundamente doente, um senador da República é flagrado combinando propina e permanece em liberdade;
Apenas em um país profundamente doente, o presidente é flagrado em evidente prevaricação e permanece presidente;
Apenas em um país profundamente doente, existem partidos e políticos que se dispõe a defender o deputado da mala, o senador da propina e o presidente da prevaricação.”


13 comentários

  1. willian
    domingo, 2 de julho de 2017 – 14:08 hs

    Esqueceu dessa: Apenas em um país profundamente doente, um ex-presidente extremamente corrupto, que ficou extremamente rico juntamente com sua familia continua solto!!!!!

  2. Russel
    domingo, 2 de julho de 2017 – 14:59 hs

    Mas este rapaz não assumiu o Ministério da Cultura depois do tal “golpe”que deram na “mulher honesta”? Claro que ele viu a “mala de dinheiro” que o tal deputado teria recebido (e, lembremos, sem qualquer prova material, apenas pela palavra de um beneficiado com liberdade total e bilhões que roubou, o deputado foi preso). Memória ruim, afinal Marcelo Calero, não seria nunca José Guilherme Merquior. Ele vai dizer que nunca ouviu falar em Pedro Barusco (US$ 97 milhões roubados da Petrobras e devolvidos), Renato Duque, seu chefe, que já devolveu US$ 23 milhões. Ambos a serviço de Lula, Dirceu e do PT. Isso é o que se pode chamar de “reflexão seletiva”. Como disse Ortega Y Gasset, ser de esquerda ou de direita equivale a uma hemiplegia moral.

  3. Macambúzio
    domingo, 2 de julho de 2017 – 16:06 hs

    Calero: LARGUE DE SER IDIOTA ÚTIL DO PT!!! Estás é RAIVOSO COM TEMER PORQUE LEVASTE UM CHUTE NO TRASEIRO, mané!!!

  4. clarice franze
    domingo, 2 de julho de 2017 – 16:30 hs

    ESTOU DOENTE DE SABER QUE MEU PAÍS É UM PAÍS
    DOENTE. MAS SE O POVO BRASILEIRO ACORDAR , AINDA TEMOS COMO TIRAR NOSSO PAÍS DA UTI.

    ACORDA BRASIL.

  5. Tostão
    domingo, 2 de julho de 2017 – 18:06 hs

    Só num país profundamente doente um ladrão fala assim do outro ladrão. Aqui não há honra nem entre ladrões.

  6. Parreiras Rodrigues
    domingo, 2 de julho de 2017 – 18:07 hs

    O ex-ministro da Cultura mostra ter corruptos preferidos. Falta um. Justamente O Chefe. O Chefe é título do jornalista Ivo Patarra, feito ainda em 2010 e que mostra toda a culpabilidade de Lula no Mensalão.

  7. Jorge Hardt Filho
    domingo, 2 de julho de 2017 – 21:31 hs

    colocar um cara como Calero como ministro da cultura mostra que o doente país está em estado terminal

  8. sergio
    segunda-feira, 3 de julho de 2017 – 6:42 hs

    Acredito que é o povo que esta doente, pois continua
    a votar nos mesmos. E este provaram que corruptos,
    vendidos, enfim são o lixo da política.

    Chega de sempre as mesmas m….

    O modelo político precisa ser alterado e claro que
    precisamos do famoso RECALL, político não funcionou
    a população deve ser mexer e substitui-lo.

  9. SHOGUN
    segunda-feira, 3 de julho de 2017 – 6:53 hs

    E você Calero, não foi Ministro de um governo corrupto !? Ou só
    agora descobriu que esta quadrilha se formou !? Vá dormir, vaga-
    bundo !!!!!!!!!!!!!!

  10. segunda-feira, 3 de julho de 2017 – 8:28 hs

    “Willian domingo, 2 de julho de 2017 – 14:08 hs
    Esqueceu dessa: Apenas em um país profundamente doente, um ex-presidente extremamente corrupto, que ficou extremamente rico juntamente com sua família continua solto!!!!!

    “Willian… Você foi ‘CIRÚRGICO’. Concordo em gênero, número e grau. Assino embaixo e reconheço firma. Pode me arrolar como testemunha. E tenho dito!

    Esse Senhor é um conhecido petista de carteirinha. Para mim não tem valor algum essa fala dele.

    – Me permito acrescentar apenas que ‘NÃO TENHO CORRUPTO DE ESTIMAÇÃO’. Sempre digo que sou de direita e a ‘ANTÍTESE’ do pensamento de esquerda. Mas que nunca fui. Não sou e jamais serei CEGO – SURDO e MUDO com os erros e crimes da direita. Repetindo: NÃO TENHO CORRUPTO DE ESTIMAÇÃO. Seja de direita ou esquerda. luLADRÃO, a ex-presidANTA ou Fernando Pimentel. FHC o Senil Maconheiro ou Aécio Dois Milhões. Não interessa! Com RARÍSSIMAS EXCEÇÕES são todos iguais. Tudo farinha estragada do mesmo saco. Não seja inocente útil nem massa de manobra. Eu também não sofro de ‘Complexo e Alice nem da Síndrome de Estocolmo’. O País estava nas mãos de uma ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA. Agora está nas mãos de outra ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA. Só mudaram os atores…” – Celso Bonfim

  11. segunda-feira, 3 de julho de 2017 – 9:14 hs

    “#REAGEBRASIL. O Brasil está doente respirando com a ajuda de aparelhos. Precisando de muita oração e intercessão. Mas eu sou brasileiro. E brasileiro não desiste! O País. Sua gente. Seu folclore. Sua fé. Suas tradições. Seus usos e costumes. São maiores que partidos. Governos e Pessoas. Esses vem e vão. Produziram estragos que as futuras gerações pagarão. Demoraremos décadas para nos recuperar. Nossos filhos e netos pagarão pelas decisões erradas e pela corrupção alarmante que tomou conta das instituições em todas as esferas de poder. Isso não é só sobre ‘VOCÊ’. É sobre as futuras gerações. Misericórdia SENHOR…” – Profº Celso BOnfim

  12. JOHAN
    segunda-feira, 3 de julho de 2017 – 10:34 hs

    Caro FÁBIO, os agentes políticos e parlamentares desejam com todo o fervor, emplacar na sociedade, que é esta que está em crise, contudo, todos os exemplos citado e mencionados sempre são parlamentares e políticos subservientes ao sistema. Entendemos que a sociedade deve reprimir e rejeitar qualquer semelhança e comparação com essa parcela danosa, cancerosa da classe política. Esses elementos devem ser extirpados da vida política como órgão acometido de câncer. Não tem acordo. Atenciosamente.

  13. PROFESSOR GIRAFALES
    segunda-feira, 3 de julho de 2017 – 11:12 hs

    Só num país extremamente doente TODOS os políticos estão envolvidos em corrupção e arrotam honestidade…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*