Temer diz que reação a aumento de impostos é 'incompreensão natural' | Fábio Campana

Temer diz que reação a aumento de impostos é ‘incompreensão natural’

O Globo

Após encerrar a cúpula de chefes de Estado do Mercosul, o presidente Michel Temer assegurou que a reação da Fiesp em relação ao aumento das alíquotas do PIS/Cofins para gasolina, etanol e diesel é “uma incompreensão natural” e mostrou-se confiante em que dialogando e conversando “aos poucos todos compreenderão (a importância da medida), inclusive a Fiesp”.

— Essas relativas incompreensões são naturais. A Fiesp sempre fez uma campanha muito adequada contra o tributo, vocês se recordam que quando eu cheguei ao governo todos achavam que nós iríamos restabelecer a CPMF. Não o fizemos durante mais de 14 ou 15 meses. Agora, para manter o crescimento, incentivar o crescimento, manter a meta fiscal, foi indispensável que fizéssemos, como a área econômica fez, um aumento, mas apenas sobre combustíveis. Não é um aumento geral — assegurou Temer.

Ele afirmou compreender “a reação da Fiesp, é mais do que razoável. Vamos dialogando, vamos conversando, e aos poucos todos compreenderão, a Fiesp inclusive”. O presidente descartou uma reação política adversa à medida:

— Nenhuma, nenhuma. É uma reação econômica natural, ninguém quer tributo. Mas quando todos compreenderem que é fundamental para incentivar o crescimento, manter a meta fiscal e dar estabilidade ao país e para não enganar, esta matéria logo será superada.

Embora na noite da última quinta-feira o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tenha descartado novos tributos, nesta sexta Temer foi um pouco mais cauteloso.

_ Não há previsão, por enquanto estamos atentos para esse aumento. Não sei se haverá necessidade de mais (tributos) ou não, haverá naturalmente diálogo e observações sobre isso, mas agora não _ declarou o chefe de Estado.

Perguntado sobre uma eventual compensação aos sindicatos pela eliminação da contribuição sindical obrigatória, Temer assegurou que não haverá “nada impositivo” sobre o assunto.

_ A tese central da reforma trabalhista é a da voluntariedade, as pessoas fazem um acordado sobre o legislado. Pode haver contribuição (sindical) voluntária… mas nada impositivo sobre a contribuição sindical _ explicou o presidente.

Para ele, é necessário “muito diálogo, especialmente sobre qualquer modificação”.

_ As lideranças do Senado haverão de trabalhar com as lideranças da Câmara para que não haja divergência _ frisou.


3 comentários

  1. CARRASCO
    sábado, 22 de julho de 2017 – 5:23 hs

    O governo Temer chegou finalmente onde jamais poderia ter chega-
    do. Barganhas políticas na cara do povo, reunião secreta em sua re-
    sidencia com um empresário corrupto e agora com o aumento abu-
    sivo dos combustíveis acabou de dar o tiro de misericórdia na sua
    própria cabeça. Como o cara mantem uma corja de políticos mais
    corruptos do que ele no Congresso e Senado, a sacanagem continua
    solto. Temos como obrigação moral tirar este canalha do comando
    urgentemente !!!!

  2. FUI !!!
    sábado, 22 de julho de 2017 – 5:25 hs

    Um governante corrupto como o Temer que joga a conta para pa-
    gar no colo dos brasileiros e não faz o dever de casa cortando os
    gastos aberrantes do próprio governo deve ser colocado para fora
    imediatamente.

  3. Rogerio
    sábado, 22 de julho de 2017 – 10:14 hs

    É mais fácil aumentar impostos, do que cortar cargos comissionados de apadrinhados políticos, 100 mil cargos em comissão. TEM QUE MANTER ISSO VIU. Vai catar coquinho pra não te mandar pra aquele lugar.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*