Taxista acorrentado em protesto contra Uber | Fábio Campana

Taxista acorrentado em protesto contra Uber

Nereu da Silva é taxista há 19 anos e ficou revoltado com o decreto que regulamentou o aplicativo Uber. Para protestar ele pendurou uma faixa e se acorrentou à Ponte Estaiada, que fica sobre a Av. das Torres, no bairro Uberaba, em Curitiba.

A Banda B foi até lá e Nereu explicou à equipe de reportagem que pretende ficar por, pelo menos, umas seis horas para chamar atenção para a questão. “Nós levamos 30 anos para licitação de novos carros e agora são oito mil carros particulares funcionando em Curitiba, em um decreto feito de forma tão rápida. Nós, taxistas, somos profissionais, não temos um bico. Os motoristas do aplicativo tem um emprego fixo e esse bico com aplicativos, esse é um grande problema”.

(Foto de Djalma Malaquias)


8 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 9:58 hs

    O Brasil precisa se desacorrentar dos grilhões do cartorialismo burocrático que cá existe, desde as capitanias hereditárias. E, nem se diga que é herança ibérica, porque tanto Portugal como em Espanha fizeram reformas profundas e reduziram seu sistema burocrático e estatal. Só Portugal reduziu em um terço os funcionários públicos, inclusive os intocáveis magistrados e outros burocratas. Aqui no Brasil, ao contrário de nossos descobridores, evoluímos pouco desde a colônia e mantemos um Estado anacrônico e paquidérmico. Todos estão viciados em cartórios de todo gênero e o sonho da classe média é ocupar um cargo no alto barnabelato, com vitaliciedade, inamovibilidade e toda a generosidade estatal.

  2. LENZA TOLEDO
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 10:28 hs

    Penso que o taxista poderia muito bem aprender alguma coisa com o UBER, como, por exemplo, cobrar menos e ainda ser elegante com seus passageiros.

  3. Curitibano
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 10:40 hs

    O taxista não contou a verdade. Taxistas sempre foram contra a liberação de mais táxis. A solução: os táxistas devem fazer um pedido ao prefeito para luberar 8 mil novos táxis. E melhorar muito o serviço!!! Por exemplo, aceitar e agradecer por corridas de até R$ 8,00.

  4. Aguirre
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 11:25 hs

    E quando as datilógrafas vão iniciar seus protestos?

  5. ´Zé Ninguém
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 11:46 hs

    Os motoristas de carro de praça também bronquearam há tempos atras quando da regulamentação para taxistas , agora tem de se adaptar a volta dos motoristas uber´s , o mercado deve ser balizado assim mesmo , livre concorrência e que vença o que melhor se adaptar , oferecendo qualidade de serviço a preço condizentes com o mercado .
    O que e melhor para a população , menor preço e melhor qualidade de serviço , e isso que ira definir a permanência de um sistema .
    Então sugiro ao taxista com síndrome dos grilhões , que se liberte e se adapte aos novos tempos !

  6. Marco Rodrigues
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 13:08 hs

    Kkkkkk não quer trabalhar e só quer se aparecer então vire Vereador ou Deputado. Kkkkkk vai trabalhar Taxista deixe de ser vagabundo.

  7. Marco
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 13:19 hs

    As locadoras de DVD se acorrentar tbm nas pontes por causa do Netflix, coitado de quem inventou máquina de dadilografia venho o computador, dono orkut depois venho o Facebook , orelhão depois venho o celular. E várias outras coisas. Tecnologia está aí e não adianta esses esses idiotas dos taxistas queretem brigar com ela. Se adaptar e mais fácil

  8. Anônimo
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 18:19 hs

    Poderiam deixá-los acorrentados pelo resto da vida!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*