Presunção de inocência? | Fábio Campana

Presunção de inocência?

Nós nunca tivemos essa gritaria toda contra meios de produção de prova e medidas cautelares quando só as pessoas humildes eram processadas no Brasil. Quando as investigações mudaram de andar, as pessoas começaram a brigar por direitos e garantias individuais que nunca os incomodaram antes. Isso era uma coisa que não os interessava. Mas agora passaram a se interessar: nunca se falou tanto de presunção de inocência como agora. Nós sempre tivemos no Brasil, para o andar de cima, não a presunção de inocência, mas uma presunção de importância, de influência“.

Antonio Figueiredo Basto, advogado criminalista, responsável por intermediar diversas delações premiadas


Um comentário

  1. sexta-feira, 21 de julho de 2017 – 13:23 hs

    Quando o poder prostituto perde espaço , é só choradeira tchê!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*