PF confirma fim do grupo da Lava Jato no Paraná | Fábio Campana

PF confirma fim do grupo da Lava Jato no Paraná

A Polícia Federal informou que os grupos de trabalho dedicados às operações Lava Jato e Carne Fraca serão dissolvidos e passarão a integrar a Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas. O fim do grupo de trabalho da Lava-Jato em Curitiba foi informado com exclusividade pela revista Época, que lembrou que o desmanche do grupo — reduzido de nove para quatro integrantes — já era esperado dentro da Polícia Federal do Paraná, que há um ano empenhava esforços para manter os trabalhos. As informações são de Cleide Carvalho n’O Globo.

Na nota, a Polícia Federal diz que a medida vai “priorizar ainda mais” as investigações de maior potencial de dano aos cofres públicos, por permite aumento do efetivo especializado em corrupção e lavagem de dinheiro e a troca de informações. A nova delegacia, segundo a nota, contará com o apoio de dois policiais da Superintendência do Espírito Santo. Foi para o Espírito Santo que foi transferido o delegado Márcio Anselmo, um dos pioneiros e principais investigadores da Lava-Jato.

A PF afirmou ainda que o modelo da nova delegacia já é usado com sucesso nas operações realizadas no Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo e que o efetivo do Paraná é adequado à atual necessidade e será reforçado caso necessário. A nota reafirma o compromisso da instituição com o combate à corrupção.

Veja a nota:

Sobre o efetivo da Superintendência Regional no Paraná, a Polícia Federal informa:

1. Os grupos de trabalho dedicados às operações Lava Jato e Carne Fraca passam a integrar a Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas (Delecor);

2. A medida visa priorizar ainda mais as investigações de maior potencial de dano ao erário, uma vez que permite o aumento do efetivo especializado no combate à corrupção e lavagem de dinheiro e facilita o intercâmbio de informações;

3. Também foi firmado o apoio de policiais da Superintendência do Espírito Santo, incluindo dois ex-integrantes da Operação Lava Jato;

4. O modelo é o mesmo adotado nas demais superintendências da PF com resultados altamente satisfatórios, como são exemplos as operações oriundas da Lava Jato deflagradas pelas unidades do Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo, entre outros;

5. O atual efetivo na Superintendência Regional no Paraná está adequado à demanda e será reforçado em caso de necessidade;

6. A Polícia Federal reafirma o compromisso público de combate à corrupção, disponibilizando toda a estrutura e logística possível para o bom desenvolvimento dos trabalhos e esclarecimento dos crimes investigados.


3 comentários

  1. SR. EUDES
    quinta-feira, 6 de julho de 2017 – 18:56 hs

    ISSO QUER DIZER QUE AÉCIO NEVES, NEM FHC, NEM SERRA NÃO MAIS SERÃO “CONVIDADOS” A “VISITAR” CURITIBA, OU ESTOU ERRADO?. UTILIZE, POR FAVOR, O CAMPO RESPOSTA PARA ME AJUDAR A ENTENDER !. AGRADECIDO, Eudes.

  2. Edson Luiz
    quinta-feira, 6 de julho de 2017 – 20:04 hs

    kkkKkk acabaram com o circo depois que os palhaços já pagaram o pato kkkkkkkkkk imagina se iam investigar tucanos, pmdebistas e outros de família, brancos e gente de bem kkkkkkkkk

  3. NA CORDA BAMBA
    sexta-feira, 7 de julho de 2017 – 7:39 hs

    Já era esperado que a operação da Lava Jato fosse definhando
    devido à enorme carga de “desafetos” que existem por aí. Hoje a
    Lava Jato transformou-se em uma operação que se compara a
    um surfista perdido no meio do oceano repleto de tubarões…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*