Joesley, Janot, Fachin, Temer & Cia. | Fábio Campana

Joesley, Janot, Fachin, Temer & Cia.

Não se justifica o acordo do bamba do abate com o procurador-geral e o ministro do STF

José Nêumanne, Estadão

As lições de educação moral e cívica, que o bamba do abate Joesley Batista e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, têm ministrado em manifestações impressas e pronunciamentos públicos estão a merecer correções para separar nelas o joio do trigo. Da mesma forma, as tentativas que a principal vítima da dupla, o presidente Michel Temer, faz de desviar a atenção da República em pandarecos por causa do encontro secreto dele com o marchante no porão do Jaburu não justificam os desvios éticos que ele próprio cometeu no episódio e que não podem ser aceitos de ninguém, muito menos de alguém no exercício da Presidência da República.

Joesley age como se fosse um herói de capa e espada, alegando que sacrificou rotina, segurança e fortuna pessoal e teve a vida ameaçada para investigar e denunciar um caso escabroso envolvendo a maior autoridade do País. E por isso se trasveste de defensor da lei e da ordem. A coisa não é bem como ele propaga e o buraco fica bem mais embaixo. A delação premiada exime seu autor de parte das penas (no caso dele, todas) de um acusado, mas não torna automaticamente herói nenhum vilão – seja delatado, seja delator.

O Brasil é signatário dos três acordos internacionais de combate mundial aos corruptos e suas organizações criminosas: a convenção da Organização para Cooperação de Desenvolvimento Econômico (OCDE), de 1997 (Lei 13.678, de 2000 – governo Fernando Henrique); o Tratado de Cooperação Interamericana Contra a Corrupção, de 1996 (Decreto 4.410, de 2003 – governo Lula); e a Convenção das Nações Unidas Contra a Corrupção, de 2003 (Decreto 5.687 de 2011 – governo Dilma Roussef).


6 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 25 de julho de 2017 – 11:03 hs

    Essa será uma das páginas mais negras e nefandas da história do direito brasileiro e da república bananeira do Brasil. Depois dela, o país devia mudar seus símbolos nacionais e acrescentar uma bananeira coroada no centro das armas, do brasão e do selo da república. As futuras gerações alguns movidos por desejos ignorados, sob o manto do combate à corrupção, conspurcaram a honra nacional.

  2. Sergio Silvestre
    terça-feira, 25 de julho de 2017 – 12:16 hs

    Problema é o seguinte,Newmane rouba,Joesley rouba,Temer Rouba,São Imbulino rouba e os que não roubam no Brasil é por que não tiveram oportunidade,mas vivem atrás de uma.

  3. Freddy Kruger
    terça-feira, 25 de julho de 2017 – 12:34 hs

    SS finalmente você aceitou que o PT , Lula e toda sua camarilha são ladrões e roubaram muito. Depois desta, é capaz até de chover e cair neve em Brasília ! E você continua atrás de uma oportunidade….

  4. Sergio Silvestre
    terça-feira, 25 de julho de 2017 – 13:30 hs

    Sim Meu caro FREDD,me ensine o caminho das pedras.Será que eu sendo “tucano” TENHO CHANCE,.

  5. eleitor desmemoriado
    terça-feira, 25 de julho de 2017 – 15:56 hs

    Falar destes caras é chover no molhado, estamos sendo governados por pulhas, gente que não merece nem o ar que respira. A coisa certa a fazer é seguir em frente trabalhando e vivendo. sim é bom chorarmos nestes posts mas fiquemos por aqui, Pindorama deixou de ser a terra da paz e do amor.

  6. Freddy Kruger
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 13:40 hs

    SS. Não precisa virar Tucano, aliás nem deve, vai conspurcar o partido. Basta usar um pouco da inteligência e discernimento que Deus certamente lhe concedeu por sua infinita bondade, e usá-la erroneamente para benefício de seu partido, o PT.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*