Ibope: Temer no fundo do poço | Fábio Campana

Ibope: Temer no fundo do poço

Lauro Jardim, O Globo

Logo mais, a CNI divulga a pesquisa encomendada ao Ibope sobre a popularidade de Michel Temer e o nível de aprovação do seu governo.

Sua taxa de aprovação é a pior da série histórica das pesquisas CNI/Ibope.

Em março, quando o último levantamento foi divulgado, apenas 10% dos entrevistados avaliavam o seu governo como “ótimo” ou “bom” (55% o achava “péssimo”). Àquela altura, é bom enfatizar, não havia ainda a delação da JBS nos calcanhares do presidente.

A pesquisa foi feita com 2000 pessoas de 126 municípios entre os dias 14 e 17 de julho — portanto, antes do aumento do PIS/Cofins, que resultou no reajuste dos combustíveis.


5 comentários

  1. Fátima Souza
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 8:48 hs

    Não sei como bandidos podem fazer emendas, medidas e Leis.

    Esse cara tem de sair o quanto antes, nenhum desses políticos tem aceitação e credibilidade.

    Sempre prejudicando a população, eles só pensam neles e na sua corja. Só interesse próprio.

  2. COMANDO
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 9:15 hs

    O pior presidente da história do Brasil…

  3. CAÇADOR DE VERMES PETISTAS
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 9:57 hs

    Resquícios, herança maldita da aliança com o PT.

  4. Viezzer
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 12:05 hs

    A meta é 0. Está em quase lá. Vai Temer!

  5. Rafael de Lala
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 15:34 hs

    Maquiavel, o pai da Ciência Política, ensinava que é árdua a missão dos reformadores.
    Com suas medidas eles desagradam aqueles que serão por elas prejudicados e obtêm apenas uma branda consideração de todos os que serão beneficiados.
    As reformas que o presidente Temer está implementando são de igual natureza: só renderão frutos adiante; embora necessárias e oportunas.
    Por isso a funda incompreensão que o cerca, aliada a fatos anteriores que – a rigor – não vêm ao caso, porém influenciam sua baixa aceitação por largos setores da opinião pública.
    Rafael de Lala, jornalista.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*