Gaeco prende auditor que denunciou promotor da Publicano | Fábio Campana

Gaeco prende auditor que denunciou promotor da Operação Publicano

O Gaeco prendeu neste sábado, 8, o auditor fiscal Orlando Coelho Aranda, o mesmo que denunciou a parcialidade Ministério Público e ainda acusou a Operação Publicano de não investigar o contador Paulo Caetano de Souza, sócio de promotor Renato de Lima Castro Castro. Souza foi citado pelo principal delator do esquema – o ex-auditor Luiz Antônio de Souza – como pessoa que intermediaria acordos de corrupção. As informações são de Guilherme Marconi na Folha de Londrina.

De acordo com o delegado Alan Flore, o servidor foi flagrado em frente à sede do MP, tirando fotos de pessoas que entravam e saíam do local. O auditor fiscal é réu em dois processos da Publicano (primeira e quarta fases) acusado de corrupção passiva e integrar a organização criminosa que comandava um esquema de corrupção instalado na Receita Estadual, consistente na exigência de cobrança de propina para deixar de fiscalizar sonegação de ICMS.

O advogado de Aranda, Valter Bittar, disse que vai entrar com pedido de habeas corpus no TJ (Tribunal de Justiça do Paraná). “O mandado de busca não teve êxito, nada foi apreendido”, declarou. O advogado disse que não teve contato com o auditor e alegou que o motivo da prisão seria pelo incômodo que Aranda estaria causando aos promotores. “O réu se tornou alvo do MP porque fez denúncias, ou seja, durante a fase de interrogatório ele narrou a existência de fraude no processo”.


12 comentários

  1. domingo, 9 de julho de 2017 – 13:06 hs

    É proibido tirar foto do prédio do MP? Qual é o artigo do CP em que isso está tipificado?

  2. Celso Guardian
    domingo, 9 de julho de 2017 – 13:27 hs

    em comentario recente Reinaldo Azevedo disse, com razão, que os promotores tomaram o poder de investigação no berro.
    Alem dessa usurpação de função os ilustres parquet estão fazendo mal uso dessa intromissão; e pior malversando a nobre funcão em proveito próprio.

  3. domingo, 9 de julho de 2017 – 14:09 hs

    Se fosse em um País sério, todos já teriam como condenação executados em Praça pública.

  4. RAM
    domingo, 9 de julho de 2017 – 16:16 hs

    aApontem onde esta a ilegalidade de se fotografar o movimento de eentrada e saida de uma reparticao publica. E o fim da picada mesmo! Vamos nos transformar Uniao sovietica, Coreia do Norte, ou qualq

  5. RAM
    domingo, 9 de julho de 2017 – 16:23 hs

    Apontem onde esta a ilegalidade de se fotografar o movimento de entrada e saida de uma reparticao publica. E o fim da picada mesmo! Vamos nos transformar em uma Uniao sovietica, Coreia do Norte, ou qualquer merda semelhante sem observar os direitos dos cidadaos resguardados pela constituicao!!!!!!

  6. Sem medo
    domingo, 9 de julho de 2017 – 16:48 hs

    A corrupção dos agentes públicos é uma podridão, mas o câncer que provoca a podridão se chama JUDICIÁRIO, ENCABEÇADO PELOS PROMOTORES E JUIZEIS.

  7. ANDROID
    domingo, 9 de julho de 2017 – 18:53 hs

    – Estão vitimizando-se, pois sabem das fraudes processuais cometidas. Não se podes esquecer que há procedimentos administrativos instaurados em desfavor de todos, inclusive do Juiz, ou seja, procedimentos instaurados pela Corregedoria da Polícia Civil em desfavor doo Delegado, Escrivã e dois policiais; no Conselho Nacional de Justiça – CNJ e Corregedoria do Tribunal de Justiça em desfavor do Juiz e no Conselho Nacional do Ministério Público – CNMP e Corregedoria do Ministério Público do Estado do Paraná em desfavor dos promotores. Então, é preciso vitimizar-se diante de todos. Trata-se de alternativa utilizada, uma vez que, não se é proibido fotografar prédios públicos e ou pessoas entrando ou saindo destes prédios. Se fosse assim, O VEREADOR BOCA ABERTA ESTARIA PRESO HÁ MUITO TEMPO.

  8. domingo, 9 de julho de 2017 – 19:08 hs

    Estamos podres de norte a Sul, de oeste ao Leste,nada escapa tudo podre.

  9. fernando
    segunda-feira, 10 de julho de 2017 – 7:41 hs

    Promotor arrogante , rapariga e ir o, gosta de ostentar armarmas no meio de civis. Tipo de gente que faz com que desacreditemos na justiça.

  10. Jotinha
    segunda-feira, 10 de julho de 2017 – 10:52 hs

    Pelo que entendi a prisão não é por estar fotografando, sim porque já existem outras coisas em processos em andamento; sendo que o fulando já está sendo processado, e fica horas e horas tirando fotos de pessoas que entram e que saem do prédio público, claro que levantam mais suspeitas, qual é a dele? não tem mais nada a fazer? quer comprar bronca atoa? quer forçar uma barra, até mesmo uma prisão? até parece que agora virou moda, tem gente que acha chique ser preso por operações especiais … êta povinho, hem …

  11. Sergio Castelo Branco
    segunda-feira, 10 de julho de 2017 – 15:38 hs

    Por este fato e outros é que a Lei que trata sobre o abuso de autoridade deveria ser imediatamente aprovada pelo Congresso, para salvaguardar direitos e garantias individuais que diariamente tem sido violados pelos detentores do poder de polícia.

  12. Samuel
    terça-feira, 11 de julho de 2017 – 13:35 hs

    É uma cena antiga e recorrente: – os fariseus e doutores da lei sempre apontando o dedo e querendo prender os publicanos… mas, sabemos em quais corações é que mora o pecado.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*