Filho de desembargadora de MS preso por tráfico sai de cadeia e vai à clínica | Fábio Campana

Filho de desembargadora de MS preso por tráfico sai de cadeia e vai à clínica

Breno Fernando Solon Borges tem 37 anos, é filho da desembargadora Tânia Garcia Freitas presidente do Tribunal Regional Eleitoral em Mato Grosso do Sul.
Borges, a namorada dele, de 18 anos, e um serralheiro foram presos preventivamente no dia 8 de abril, em operação das polícias Federal e Rodoviária Federal, na BR-262, em Água Clara (a 192 km de Campo Grande). Nos dois veículos conduzidos por eles, os policiais encontraram 129,9 quilos de maconha e 270 munições. Eles confessaram que estavam levando o carregamento para Itapira (SP), a um desconhecido.
Foi pedida, com alegação de que ele sofre de transtorno de personalidade Borderline, sendo duvidosa a sua sanidade mental, a revogação de prisão em primeira instância. Negada.
Mas no dia 18 de julho, o desembargador Ruy Celso Florence, colega da mãe do empresário, deferiu habeas corpus, permitindo a transferência de Borges do Presídio de Segurança Média de Três Lagoas (MS) para uma clínica médica do Estado.

Da Folha de São Paulo:
No despacho, o desembargador alegou que o empresário precisava se submeter a um tratamento para amenizar a instabilidade emocional e a impulsividade, reações comuns a quem tem transtorno de Borderline.

Porém, no mesmo dia em que o desembargador Ruy Florence decidiu pela ida de Borges à clínica, um outro mandado de prisão também foi expedido, desta vez, pela Polícia Federal.

Uma investigação da PF, iniciada em março, constatou que Borges teria participado num plano de fuga a um detento do presídio de Três Lagoas (MS). Interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça flagraram Borges no esquema.

A vigência do mandado de prisão, no entanto, não durou mais do que três dias. Na madrugada desta última sexta (21), o filho da desembargadora de Mato Grosso do Sul teve outro habeas corpus deferido pelo desembargador plantonista José Ale Ahmad Neto, que manteve a ida dele para clínica médica.

Nesta segunda-feira (24), na sessão da Câmara Criminal do TJ-MS, os desembargadores votaram o mérito da liminar do primeiro habeas corpus expedido em favor de Borges e mantiveram a decisão pelo tratamento médico.

OUTRO LADO

O advogado Gustavo Gottardi, que representa Breno Solon Borges, disse à Folha que a decisão do TJ-MS não tem nada de extraordinária, sendo coerente, baseada no artigo 319 do Código de Processo Penal, que prevê internação compulsória se perícia concluir pela inimputabilidade ou semi-inimputabilidade. “Não houve privilégio”, afirmou. Segundo Gottardi, Borges já foi levado para uma clínica no Estado.

A reportagem também tentou falar com a desembargadora Tânia Garcia Freitas, mas, segundo a assessoria de imprensa do TJ-MS, ela não está se pronunciando sobre o caso, que corre em segredo de Justiça.


Um comentário

  1. terça-feira, 25 de julho de 2017 – 17:41 hs

    Absurdo e lamentável essa situação,mas país comandado por facções de bandidos e políticos no senado do mesmo naipe, uma desembargadora e sua cria suja não poderia ficar de fora, quem vai bater de frente com a bandidagem ??? se já estão lá dentro.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*