Exército nas ruas do Rio | Fábio Campana

Exército nas ruas do Rio

O presidente Michel Temer assinou nesta sexta (28) decreto que autoriza o emprego das Forças Armadas para a garantia da lei e da ordem no Rio de Janeiro.

O decreto, que está publicado em edição extra do Diário Oficial da União, autoriza a permanência dos militares no Rio de hoje até o dia 31 de dezembro. A atuação das Forças Armadas no estado será em apoio às ações do Plano Nacional de Segurança Pública.

Atualmente, o uso das Forças Armadas deve ser autorizado por meio de decreto presidencia, para garantia da lei e da ordem. A Constituição Federal permite que as Forças Armadas, por ordem presidencial, atuem em ações de segurança pública em casos de grave perturbação da ordem e quando o uso das forças convencionais de segurança estiver esgotado.

Violência no Rio

As Forças Armadas vão reforçar a segurança no Rio, que vive um aumento dos casos de violência, assustando a população. Nas últimas semanas, por exemplo, a Linha Vermelha, uma das principais vias da cidade, foi alvo de tiroteios entre policiais e criminosos, obrigando os motoristas a deixar os carros na via e agachar do lado de fora para não ser atingidos.

A violência tem afetado a rotina das escolas na capital fluminense. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, somente neste ano, uma em cada quatro escola teve que fechar durante determinados períodos ou foi forçada a interromper as aulas por causa dos tiroteios ou outros tipos de confrontos.


2 comentários

  1. VISIONÁRIO
    sábado, 29 de julho de 2017 – 4:55 hs

    É uma medida correta que chegou tardiamente. Desde as Olim-
    píadas o exercito deveria ter permanecido no Rio. Antes tarde do
    que nunca… Assim deveria ser contra o MST e MTST. Acabaria
    com esta selvageria que está alastrando pelo país.

  2. PIMENTA PURA
    sábado, 29 de julho de 2017 – 8:54 hs

    Este mesmo esquema precisa ser montado contra os invasores
    do MST e MTST. Virar a boca do canhão para quem não quer traba-
    lhar e vive só de mortadelas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*