Casal autorizado a cultivar maconha em casa | Fábio Campana

Casal autorizado a cultivar maconha em casa

Do Estadão:

A Justiça do Rio de Janeiro confirmou, em decisão emitida no último dia 3, autorização para que um casal morador de Botafogo cultive maconha em casa, para fins medicinais. O casal tem uma filha de 8 anos portadora da Síndrome de Rett, doença rara que causa convulsões frequentes, entre outras consequências.
Em novembro passado a Justiça já havia autorizado o casal a cultivar a maconha, em decisão liminar (provisória). Agora o juiz Paulo Roberto Sampaio Jangutta analisou o mérito e confirmou a decisão, que beneficia a advogada Margarete Santos de Brito e seu marido, Marcos Lins Langenbach.

Eles são pais de Sofia Langenbach, que começou a ter convulsões aos 45 dias de vida. Ela chegou a ser submetida a uma cirurgia para implantação de um aparelho estimulador do nervo vago, mas as convulsões continuaram.

“Em 2013 descobrimos uma menina americana que se tratava com extrato de maconha”, contou Margarete. “Decidimos tentar esse tratamento e, em outubro daquele ano, importamos o produto. Era uma importação ilegal, claro, mas decidimos correr o risco, porque precisávamos testar.”

O produto americano é industrializado, e logo o casal soube de um grupo carioca que usa a substância, extraída artesanalmente da planta. Aliando os produtos importado e artesanal, o tratamento finalmente deu resultados.

“O número de convulsões da Sofia diminuiu 60%, e o estado geral dela também melhorou”, afirma a mãe da criança. A menina recebe dez gotas do extrato, por via oral, a cada oito horas.

Para garantir o direito a cultivar maconha em casa, o casal recorreu à Justiça. O Ministério Público foi favorável à autorização para o plantio.

“Conforme demonstrado nos autos, Sofia Langenbach teve a redução de 60% de suas crises convulsivas após a utilização, sob a supervisão médica de extrato artesanal oriundo da cannabis sativa, cultivado em sua residência por seus genitores”, escreveu o juiz em sua decisão. “A Constituição Federal atribui à família assegurar à criança o direito à vida e à saúde. E, nesse caso, além desses valores, há a incidência do princípio da dignidade da pessoa humana. Todos eles sobrelevam à proibição legal que obstaria a pretensão dos pacientes. Desta forma, os genitores estão cumprindo o dever fundamental de assegurar com absoluta prioridade o direito à vida com melhor qualidade, dentro de suas possibilidades, à sua filha”, continua a decisão.


3 comentários

  1. sexta-feira, 7 de julho de 2017 – 17:24 hs

    É deprimente saber que a justiça no Brasil virou uma lata de lixo.

    Um magistrado em sã consciência, jamais poderia permitir que um cidadão comum, com filho doente ou não, cultivasse entorpecentes em casa.

    Quem tem que fazer isto, são os órgãos de saúde, autorizando a importação do produto e aí sim, caberia ao magistrado de boa índole, corroborar em nome do judiciário brasileiro, a importação do produto ilícito que servia para fins medicinais no Brasil.

    Quanto a tudo o resto, é uma puta vagabundagem ética e moral, para não dizer que sem-vergonhice e mau-caratismo de magistrados vinculados ao crime organizado e ao tráfico de drogas.

    Ora, ora, respeitem os brasileiros decentes, que trabalham e são honestos, que pagam impostos e geram riquezas para o país.

  2. Sergio Silvestre
    sexta-feira, 7 de julho de 2017 – 20:06 hs

    O Gilmar Mendes poderia dar uma liminar para que o Aécio pudesse trazer da Colombia umas toneladas de cocaina para fins medicinais já que ele é dependente disso,no mais nas fazendas dele em Diamantino deve ter muitas pistas de pouso.

  3. Sol
    sexta-feira, 7 de julho de 2017 – 22:45 hs

    Até tudo isso acima mencionado acontecer, como fica a criança do casal? Sofrendo só porque tudo demora a acontecer? É uma planta que possui propriedades terapêuticas assim como tantas outras. Já que é proibida, fizeram correto em recorrer à Justiça. A saúde em primeiro lugar e a vida da criança.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*