Auditor que denunciou Requião ainda não foi intimado | Fábio Campana

Auditor que denunciou Requião
ainda não foi intimado

O advogado Eduardo Duarte Ferreira, que defende o ex-auditor fiscal Luiz Antonio de Souza, delator na Operação Publicano, diz que seu cliente ainda não foi citado pelo Ministério Público para ser ouvido novamente sobre o envolvimento do senador Roberto Requião (PMDB) e do ex-secretário Heron Arzua (Fazenda) em casos de corrupção na Receita Estadual entre 2003 e 2010. A informação é de Cláudio Osti no blog Paçoca com Cebola.

Para lembrar o caso: há um ano, o MP pedira novo depoimento do ex-auditor fiscal para apurar a participação de Requião e Arzua nos esquemas da Receita Estadual. Na época, a Gazeta do Povo noticiava que Souza iria depor à Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público porque considerou insuficiente o conteúdo encaminhado pelo Gaeco. O novo depoimento, passado um ano, ainda não aconteceu.

Por ser senador, Requião tem foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal e o caso precisaria ser encaminhado à Procuradoria Geral da República para seguir adiante.

No depoimento prestado ao Gaeco na ocasião, Souza afirmou que quem “quisesse resolver problema na Receita tinha que falar com o Heron Arzua”, que foi secretário da Fazenda no governo Requião entre 2003 e 2010. “O escritório [de advocacia] dele que resolvia sobre qualquer coisa. Ele tinha um escritório, filho, filha ou parente dele”, declarou o auditor, que, na época, acabara de firmar um acordo de delação premiada para colaborar com as investigações do Gaeco, em troca de benefícios como a redução da pena.

Segundo ele, Arzua e Requião seriam sócios nesse escritório. A suposta solução dos problemas na Receita indicada por Souza aconteceria no Conselho de Contribuintes e Recursos Fiscais e não na fiscalização, conforme teria ocorrido nos últimos anos.

O advogado do delator afirmou que seu cliente não tem nada contra o senador ou qualquer outra pessoa, mas que relatou fatos. “O Luiz Antônio vai ratificar integralmente tudo o que disse (na Promotoria do Patrimônio Público) e deve acrescentar novos fatos. A corrupção na Receita não começou nem terminou no governo Requião e em governo algum”, disse.


5 comentários

  1. TRANSPOSTO
    terça-feira, 11 de julho de 2017 – 16:08 hs

    Estes Agentes Fiscais da Receita…..KKKKKKKKKKKKK

  2. BETO
    terça-feira, 11 de julho de 2017 – 16:31 hs

    Falar o que que dessa raposa velha senão repetir que é um preguiçoso, um vadio que sempre viveu as custas do dinheiro público.

  3. Janaina Fernanda
    terça-feira, 11 de julho de 2017 – 22:39 hs

    E do hauly e do tal erasmo que tem um cargo de 24,000 no 3 andar do Iguaçu e o filho deste deputado corrupto que pegou rios de dinheiro em arapongas nas fábricas de móveis e nos hospitais que repassava verba prinçipalmwnte na santa casa da cidade dele lá em londrina….ele não caiu ainda

  4. quarta-feira, 12 de julho de 2017 – 2:52 hs

    Esse delator falou pelos cotovelos e sem nenhuma prova foi beneficiado. Além de corrupto é corruptor de menores. Foi pego num motel e com a delação ou colaboração foi premiado.
    Esse é problema da tal delação, assim como os Batistas o cara não vai responder pelo crime de exploração sexual.

  5. Ercilio Bentesi
    quarta-feira, 12 de julho de 2017 – 21:45 hs

    Olho vivo no Hauly e Cia. pois foi de Londrina que todo o esquema se operava. MP foca no cara!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*