Apoio de Gleisi a Maduro expõe cisão no PT sobre presidente da Venezuela | Fábio Campana

Apoio de Gleisi a Maduro expõe cisão no PT sobre presidente da Venezuela

A convocação de uma assembleia para reescrever a Constituição da Venezuela expôs uma fissura interna no PT, partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Enquanto a presidente da sigla, senadora Gleisi Hoffmann (PR), manifesta apoio incondicional à Constituinte, uma ala petista —com assento no Instituto Lula— defende cautela no endosso às decisões do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. As informações são de Catia Seabra na Folha de S. Paulo.

Segundo a Folha apurou, Lula está preocupado com a administração Maduro e teria recomendado, mais de uma vez, moderação ao presidente da Venezuela. Nas conversas com colaboradores, Lula defende a neutralidade do governo brasileiro em busca de uma solução pacífica para a Venezuela.

O ex-presidente seria também contrário à realização da Constituinte, cuja eleição está programada para este domingo (30), em um momento tão delicado para o país. Uma onda de protestos nos últimos quatro meses já deixou mais de cem mortos.

Gleisi, porém, faz defesa irrestrita da Assembleia. Ao abrir o 23º encontro do Foro de São Paulo, dia 16 na Nicarágua, a presidente do PT manifestou, em nome do partido, “apoio e solidariedade ao governo do PSUV [Partido Socialista Unido da Venezuela], seus aliados e ao presidente Maduro frente à violenta ofensiva da direita”.

“Condenamos o recente ataque terrorista contra a Corte Suprema”, discursou ela, aludindo a um helicóptero que sobrevoou o prédio do Supremo em 27 de junho de forma suspeita. “Temos expectativa de que a Assembleia Constituinte possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da Revolução Bolivariana e que as divergências políticas se resolvam de forma pacífica.”

Nesta terça (25), Gleisi reafirmou o aval do partido à convocação da assembleia. A presidente do PT compara a atuação da oposição venezuelana à brasileira, que levou ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

“A oposição a Maduro quer chegar ao poder como [o presidente Michel] Temer. Parece que as coisas lá [na Venezuela] são diferentes.”

Gleisi apoia mesmo o critério estabelecido para a eleição da Assembleia Constituinte, em que um terço dos integrantes serão escolhidos segundo cotas setoriais. “É preciso voto, por setor ou não”, afirma Gleisi.

Para a senadora, não há contradição no fato de o PT reivindicar eleições diretas no Brasil e endossar a Assembleia Constituinte na Venezuela. “Gostando-se ou não de Maduro, ele tem legitimidade, foi eleito em urna, o que não é o caso de quem hoje governa o Brasil”, disse.

“Lá [na Venezuela] quem não quer se submeter ao voto popular é quem fala em defender a democracia. Isso é contraditório”, afirma.

Ela lembra ainda que seu partido aprovou a proposta de realização de uma Constituinte para a implementação de reformas no Brasil. “Constituinte também defendemos aqui. Foi deliberação do 6º Congresso do PT [em junho].”


8 comentários

  1. quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 20:26 hs

    Convivi com ela por 5 anos na FDC e sei isso é só para aparecer! É BURRA! Só isso!

  2. jaferrer
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 21:40 hs

    Quem defende ditador merece acabar como acabam todos os ditadores.

  3. BinLaden
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 22:10 hs

    MENTECAPTA, APARVALHADA, Moro bota essa PTralha no xilindró, acabe com essa empáfia

  4. Russel
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 23:57 hs

    É só desespero por saber que será presa bem antes das convenções partidárias. Ao ver Gleisi se estrebuchando, histérica, não dá para evitar a lembrança das dezenas de meninas pobres estupradas por Eduardo Gaievski, já condenações superiores a 100 anos, mas vivendo numa espécie de spa em Barracão. E nunca se ouviu de sua voz qualquer solidariedade àquelas meninas, que se entregavam ao então prefeito de Realeza por cesta básica ou promessa de emprego para parentes. No Planalto, Gleisi o fez coordenador de todos os programas de infância e adolescência. Teria sido o vice de Gleisi se eleita fosse, mas com segurança seria ministro de Dilma não fosse o Gaeco do Paraná enjaular o pedófilo da Casa Civil.

  5. FUI !!!
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 5:55 hs

    Alguem que de sã consciencia defende o governo Maduro precisa
    ser eliminada da política brasileira. Um dia o PT pareceu defender
    o trabalhador e o país, porem hoje nas mãos destes políticos ladrões
    e imbecis estamos certos de que o PT acabou mesmo.

  6. CAÇADOR DE VERMES PETISTAS
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 8:18 hs

    Todos sabem das intenções do PT.
    Todos sabem ra relação do PT de Lula, Dilma, Gleisi,DIRCEU, PT e MST com o DITADOR MADURO.

    Vomos ver agora se ao menos os Paranaenses que conhecem esta velha maluca, não deposita seu voto nas próximas eleições e esta botoqueira que tanto envergonha o povo do Paraná e mais ninguém do PT

  7. ieto
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 9:39 hs

    Deixai as vacas mugir para que dêem leite!

  8. BETO
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 14:02 hs

    GLEISI:

    Cara de fascista;
    Postura de fascista;
    Jeito de fascista;
    Gestos de fascista;

    Velha calhorda, filhote do fascista Lula da Silva que ficou no poder por 13 anos. Tempo suficiente pra afundar o brasil na maior crise da história.
    Responsável pelo maior assalto aos cofres públicos do planeta.

    PT = CÂNCER DO BRASIL

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*