A Pátria de tornozeleiras | Fábio Campana

A Pátria de tornozeleiras

O Brasil tem a segunda maior população de usuários de tornozeleiras eletrônicas do mundo. Hoje, pelo menos 28 000 pessoas são monitoradas 24 horas por dia pela Justiça. A adoção do equipamento cresceu exponencialmente nos últimos cinco anos e deve quadruplicar nos próximos anos. Ultimamente, diante do brutal desequilíbrio entre oferta e procura, a busca do equipamento é disputada a tapas. O ex-deputado e assessor do presidente Michel Temer, Rodrigo da Rocha Loures, corre o risco de perder o seu equipamento e, consequentemente, ser obrigado a voltar para a cadeia. O Ministério Público de Goiás entrou com um pedido para que a justiça reconsidere a decisão que negou o recolhimento do equipamento. Para o promotor Fernando Krebs, o aliado de Temer furou a fila para conseguir sair da prisão. Hoje, 25 pessoas estão atrás das grades em Goiás por conta da falta do equipamento. As informações são de Renato Onofre na Veja.

O equipamento que proporciona uma liberdade – ainda que restrita aos usuários – é também alvo de reclamação. A doleira da Lava-jato Nelma Kodama adaptou um assessório usado por jogadores de tennis no pulso – uma munhequeira – na perna para evitar o incômodo de passar o dia com o equipamento preso ao corpo. Já o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró teve que ficar mais de 30 minutos na chuva para que o sinal da tornozeleira fosse captado. Como se vê, é ruim a tornozeleira, bem pior sem ela.


4 comentários

  1. domingo, 23 de julho de 2017 – 19:41 hs

    Parece um ótimo negocio,montar uma industria de tornozeleiiras aqui no Brasil,preciso de sócios.

  2. FUI !!!
    segunda-feira, 24 de julho de 2017 – 6:48 hs

    Na falta da tornozeleira a opção mais economica para o país é
    trocar todas pelas antigas bolas de ferro para aqueles que optarem
    ou reclamarem dos incomodos das tornozeleiras. Fica mais barato
    para o país e precisaremos de menos monitoramento.

  3. alfredo
    segunda-feira, 24 de julho de 2017 – 8:37 hs

    Para ver como o crime compensa por estas bandas.

  4. Azedo
    segunda-feira, 24 de julho de 2017 – 12:04 hs

    Uma bala na testa sairia mais barato. Pra todo mundo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*