A ousadia do MST | Fábio Campana

A ousadia do MST

“Exército de Stédile”, o MST continua a atuar livremente, embora infrinja a lei dia e noite

Editorial, Estadão

Já foi o tempo em que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) invadia “latifúndios improdutivos”, nome que o bando usa para qualificar qualquer fazenda que ocupa e depreda em nome do que chama de “reforma agrária”. Antenado com as novas tendências e ciente de que a luta contra a corrupção está na crista da onda, o MST deflagrou sua mais recente “jornada nacional de luta pela reforma agrária” sob o slogan “Corruptos, devolvam nossas terras!”.

É claro que se trata de rematada impostura, mas não se pode esperar nada diferente de um movimento cuja origem – é o que eles dizem em seu site – remonta aos “primeiros indígenas” que “se levantaram contra a mercantilização e apropriação pelos invasores portugueses do que era comum e coletivo: a terra, bem da natureza”. É em nome dessa alegada injustiça histórica que o MST há mais de três décadas usa a causa dos pequenos agricultores como pretexto para seus propósitos delinquentes e liberticidas.

Um desses propósitos atualmente é defender o ex-presidente Lula da Silva e o PT, partido do qual o MST é braço. Não faz muito tempo, em fevereiro de 2015, Lula invocou o “exército de Stédile”, em referência ao líder do MST, João Pedro Stédile, quando precisou amedrontar os brasileiros no momento em que estes exigiam, em grandes manifestações, a destituição da então presidente Dilma Rousseff.

Assim, a alardeada indignação do MST com a corrupção, que motivou as mais recentes invasões, nada tem a ver com Lula, já condenado em primeira instância por corrupção e lavagem de dinheiro. Tampouco tem a ver com os outros petistas encarcerados ou processados em casos semelhantes ao do chefão do partido. Essa corrupção não interessa ao MST, é claro.

O “exército de Stédile” preferiu concentrar-se em terras de “latifundiários” que “são acusados, no cumprimento de função pública, de atos de corrupção”. Sob esse excêntrico argumento, que nada tem a ver com reforma agrária, invadiu a fazenda de um amigo do presidente Michel Temer, além de terras do ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Ricardo Teixeira, da família do senador Ciro Nogueira (PP-PI) e da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, entre outras propriedades.

O MST reivindica a fazenda de Ricardo Teixeira dizendo que o ex-cartola “não só desencadeou todo um sistema de estelionato sobre o futebol e lavagem de dinheiro no Brasil”, como “sua expertise em corrupção no futebol é pauta do FBI e da polícia espanhola”. Segundo o grupo, Ricardo Teixeira lavou dinheiro da corrupção por meio da aquisição “de grandes extensões de terra”.

Já para justificar a invasão da fazenda pertencente a uma empresa de João Batista Lima Filho, o MST informou que aquelas terras devem ser destinadas à reforma agrária porque Lima Filho é “parceiro de longa data do presidente golpista” e, “de acordo com diversas denúncias”, ajudou Temer “a construir sua carreira política e seu vultoso aumento de patrimônio, com base em propinas e extorsões”. Para completar o engodo, Mercedes Zuliane, dirigente nacional do MST, informou que os invasores estavam ali para fazer justiça histórica: “Somos herdeiros de uma história da oligarquia corrupta que adquiriu terras assassinando indígenas, escravizando e cometendo atrocidades no processo de formação da sociedade brasileira. Estamos aqui para cobrar o que é nosso por direito. Todas as terras de corruptos devem ser devolvidas ao povo”.

Tudo isso seria apenas anedótico não fosse a constatação de que o MST continua a atuar livremente, embora infrinja a lei dia e noite. Mais do que isso: confiante na impunidade, sente-se estimulado a cometer seus crimes em nome de uma agenda política deletéria, que inclui não apenas “derrotar o projeto da burguesia”, mas também promover a defesa intransigente de ditaduras latino-americanas, como a da Venezuela, com a qual, aliás, o MST mantém estreita colaboração. O Estado não pode continuar inerte diante de quem desafia a ordem de modo tão insolente.


16 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 15:07 hs

    A ousadia dos bandidos em geral é diretamente proporcional à tibieza e à omissão das autoridades. O resto é balela e papo furado.

  2. Olavo Rohde
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 15:14 hs

    Que terra para devolver ? Os Sem terra, querem continuar sem porque não gostam e não querem trabalhar e produzir algo de útil.
    Infelizmente estão sendo “usados e manipulados” por alguns bandidos como Stédile & Cia.

  3. CAÇADOR DE VERMES PETISTAS
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 15:22 hs

    A “quadrilha” de Stedile.

    É isso mesmo que o PT do LULA, Gleisi e Dilma, esta programando para o Brasil. Bem a estilo Venezuela.

    É ridículo e vergonhosa esta imagem. Nesta hora o Exército usando de seu poder a fim de garantir a manutenção da ordem pública, deveria meter chumbo e não deixar um verme so em pé.

  4. PAULO
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 15:38 hs

    É isso que o Sergio Silvestre defende.

  5. LENZA TOLEDO
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 15:43 hs

    e os integrantes do MST têm como provar que essas terras pertenciam a eles?

  6. Parreiras Rodrigues
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 16:19 hs

    Nunca viram uma cerca de arame farpado e acreditam que a vaca injeta o leite diretamente na caixinha.
    Não conhecem pinguela e confundem pé de mamona com moita de carrapicho.
    Os “aristas” ai da foto estão mais prá funqueiros que prá roceiros.

  7. Parreiras Rodrigues
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 16:19 hs

    “artistas”, leia-se.

  8. Tarzan
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 16:54 hs

    Bandidos, gafanhotos famintos, invadam o sítio do chefe de vocês, o lula!

  9. Do Interior...
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 19:49 hs

    O MST -movimento de safados e tranqueiras, não sabem difereciar um pé de alface de um pé de laranja. Isso é como o diabo: só sabem odiar, matar e destruir.

  10. dez reais
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 20:30 hs

    O Exército brasileiro não vai interferir sonhadores! Já está escaldado de defender o indefensável. A oligarquia é mimada e negadora de verdades.

  11. Jorge Hardt Filho
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 20:32 hs

    Viva são Lula!

  12. Rr
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 20:45 hs

    Tem que exterminar esses terroristas.

  13. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 26 de julho de 2017 – 21:40 hs

    Os unicos brasileiros que lutam contra o sistema carcomido,ontem os procuradores foram aumentados em 16% numa infleção de 3 e com o Pais naufragando,ai te pergunto,eles estão nem ai,eles se preocupam com o contra-cheque.
    Nós deveriamos invadir tudo e sentar o cacete em desembargador,juiz,procurador e o raio que o parta,cambada de abutre.

  14. JÁ ERA...
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 6:51 hs

    Nestas horas a vontade é de ter uma ditadura que varresse estes
    vagabundos da superfície da terra…

  15. Juca
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 7:00 hs

    SS Calça Frouxa, gostei do aumento dado aos procuradores. Pena que foi pequeno. Devia ser de pelo menos 50% só pelo bem que estão fazendo à nação enrabando principalmente os petistas!

  16. CAÇADOR DE VERMES PETISTAS.
    quinta-feira, 27 de julho de 2017 – 13:41 hs

    Juca

    Apoio também

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*