A não-quarentena de Marcelo Miller | Fábio Campana

A não-quarentena de Marcelo Miller

A Emenda Constitucional Nº 45, de 2004, diz que membros do Ministério Público são proibidos ao exercício da “advocacia no juízo ou tribunal do qual se afastou, antes de decorridos três anos do afastamento do cargo por aposentadoria ou exoneração”.
Acontece que Marcelo Miller saiu diretamente do Ministério Público Federal para o escritório que iniciou a negociação do acordo de leniência de Joesley Batista e o grupo J&F.
Apesar do escancaramento do que aconteceu, ele ainda está sendo investigado na Procuradoria-Geral da República e pelo Tribunal de Ética e Disciplina da OAB.


2 comentários

  1. TucaninhoFanfarrão
    terça-feira, 4 de julho de 2017 – 18:15 hs

    Então a Delação do Joesley é nula! Podem anular, já que o safadão não apresentou prova alguma contra o sócio dele, Lula da Silva!!

  2. Carlos Saturno
    terça-feira, 4 de julho de 2017 – 20:36 hs

    O excesso de poderes concedido ao ministerio publico pode sepultar uma instituição importante no processo democrático. A criação de um Órgão externo de controle ao MP é questão de urgência.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*