UEL, UEM e UEPG pagam R$ 1,5 bilhão em salários de professores | Fábio Campana

UEL, UEM e UEPG pagam R$ 1,5 bilhão em salários de professores

Todos os servidores do Estado estão submetidos ao sistema, menos os de cinco universidades UEL (Londrina), UEM (Maringá), UEPG (Ponta Grossa) Unioeste e Unicentro. Essa semana, o Estado bloqueou o dinheiro das universidades de Londrina e de Maringá porque elas não repassaram informações pedidas sobre a folha de pagamento. As universidades estaduais recebem dinheiro do Governo do Estado tanto para o pagamento de funcionários quanto para manutenção.

A universidade de Londrina, uma das maiores do Estado vai receber R$ 790 milhões só para o pagamento de professores e servidores. Só o que a UEL paga em salários, equivale ao orçamento do ano passado inteiro da cidade de Foz do Iguaçu e é maior do que os gastos de cidades como Ponta Grossa, Toledo, Paranaguá, Umuarama e Campo Mourão.

Os gastos com salários nas universidades de Maringá (UEM) e Ponta Grossa (UEPG) também são milionários: R$ 505 milhões na UEM e R$ 240 milhões na UEPG. Juntas, as três universidades gastam só com pagamentos de salários de professores e servidores, mais de R$ 1,5 bilhão por ano.


8 comentários

  1. quarta-feira, 7 de junho de 2017 – 17:50 hs

    “Só aqui nesse País de inversões totais de valores esse tipo de coisa acontece. Que se faça uma AUDITORIA nas contas dessas universidades estaduais e também nas progressões funcionais que esses servidores tiveram. Enquanto a massa, a plebe, a prole, a base da piramide social do funcionalismo ganha pouco. Muito pouco. Vemos um escândalo desse. É roubo tanto quanto esses desvios da lava jato (guardadas as devidas proporções é claro, é lógico, é o obvio ululante). Não deixa de ser também um assalto aos cofres públicos do estado do Paraná. Pobres de nós mortais. Alea jacta est. in claris cessat interpretatio…” – Profº Celso Bonfim

  2. quarta-feira, 7 de junho de 2017 – 18:08 hs

    tudo Petista Safado !

  3. Daniel Fernandes
    quarta-feira, 7 de junho de 2017 – 18:29 hs

    Mais de 1 bi?
    Fala sério!

  4. Do Interior...
    quarta-feira, 7 de junho de 2017 – 19:15 hs

    Isso é o que dá dar autonomia além da conta. Autonomia sim. Sem controle não.

  5. Genildo
    quarta-feira, 7 de junho de 2017 – 19:50 hs

    Se querem autonomia total passem a gerar seus recursos.
    Autonomia com dinheiro público sem prestação de contas a sociedade? Até eu quero……

  6. Carlos Ernandes
    quarta-feira, 7 de junho de 2017 – 20:43 hs

    A esquerda, que tem certeza que o Estado deve ser provedor das suas necessidades, tomou conta disso há muito tempo. Sob o manto da famigerada autonomia universitária – diga-se, um cheque em branco, este povo canalha não aceita em hipótese nenhuma o controle do Estado. Pena que Beto não tomou esta atitude já em 2011. Mas ainda é tempo.

  7. Azedo
    quinta-feira, 8 de junho de 2017 – 10:02 hs

    Taca a LAI – Lei de Acesso à Informação nas canelas desses professores que pensam que são autoridades intocáveis! A lei é para todos.

  8. quinta-feira, 25 de julho de 2019 – 11:47 hs

    GAECO (MINISTÉRIO PÚBLICO) deve aprofundar e investigar gastos de todas Universidades Públicas Paranaenses!…”Vamos passar o Paraná e o Brasil a limpo já em 2019″…”PROJETO BRASIL AVANTE JÁ EM 2019″.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*