Raquel Dodge terá a difícil missão de tirar a Lava Jato da delinquência | Fábio Campana

Raquel Dodge terá a difícil missão de tirar a Lava Jato da delinquência


Reinaldo Azevedo

Só existe um caminho seguro para que o Brasil passe a ser um país menos corrupto, mais eficiente, respeitador do dinheiro público e voltado à correção de desequilíbrios que conduzem a iniquidades. É o das reformas. Não me refiro apenas a essas que estão no noticiário: da Previdência, trabalhista, política. Trato do reformismo em sentido amplo.

A alternativa é o jacobinismo canhestro que emana de fanáticos que hoje compõem a Lava Jato e que transformaram o necessário combate à corrupção num fim em si mesmo e numa sequência de atos criminosos.

O moralismo tacanho é, para a direita e os conservadores no geral, o que a irresponsabilidade fiscal é para a esquerda: sua atração fatal, seu amor bandido, o seu jeito estúpido de ser. Quando se transforma a caça aos corruptos num ponto de chegada da vida pública, também se escolhem os meios da luta política, que haverão de ser necessariamente policialescos, repressivos, opressivos se preciso.

Ou não vimos Deltan Dallagnol, com suas “faces rosadas e perfil longilíneo” –como destacou um site que vendia suas palestras–, a defender as tais 10 medidas contra a corrupção, quatro das quais eram arreganhadamente fascistoides, sob o silêncio cúmplice da imprensa, o muxoxo assustado das esquerdas e a gritaria espalhafatosa dos que apelidei da “direita xucra”?

Rodrigo Janot deixa a Procuradoria-Geral da República em setembro. Poderia, de fato, estar saindo do cargo como aquele que encetou esforços inéditos no Ministério Público Federal para enfrentar os desmandos, a audácia criminosa dos poderosos, a impunidade arrogante dos donos do poder.

Em vez disso, deixa um rastro de terra arrasada, à feição das expedições vingadoras. “Velhos, mulheres e crianças foram trucidados sem julgamento, vilarejos arderam em chamas e nem mesmo os animais foram poupados.” São palavras do historiador francês Alain Gerard ao se referir a um dos massacres promovidos pela Exército francês em 1794, sob as ordens da República jacobinista do Terror, contra os camponeses de Vendéia. Com cem anos de antecedência, a França teve a sua Guerra de Canudos em escala muito ampliada.

O fanatismo, aqui ou alhures, antes ou agora, não enxerga relevos, nuances, diferenças. Ao contrário! Os entes reais atrapalham a equação daqueles que são movidos por entes de razão, por fantasmagorias que se querem benignas e que só existem em suas mentes perturbadas por ideias de purificação ou “redenção” –para lembrar uma palavra um tanto assustadora quando empregada por um ministro do Supremo, como fez Edson Fachin.

Infelizmente, e as colunas estão em arquivo, as minhas piores expectativas sobre a Lava Jato se cumpriram. Não estou surpreso que o Datafolha ache desnecessário –e é mesmo!–, testar o nome de Aécio Neves (PSDB) para a Presidência, mas que seja Lula, hoje ao menos, o favorito para o pleito de 2018.

É constrangedor flagrar a direita a fazer contas para ver se dá tempo de o petista ser condenado em segunda instância e, assim, não concorrer à eleição. Ou a apelar a Moro, o demiurgo, para que prenda logo o ogro.

Janot é o autor desse desastre. Refiro-me a este senhor que se impôs como desafio depor o presidente Michel Temer. E o faz atropelando a lei e o bom senso, com o incentivo cúmplice de parte do Supremo, raramente tão pusilânime, e de setores da imprensa. A determinação da mediocridade é um inimigo histórico da civilização. Dias difíceis virão. A desordem causada pela Lava Jato, também nos terrenos institucional e legal, é assombrosa.

Há algo de estupidamente errado num processo que, sob o pretexto de combater a corrupção, faz o país mergulhar numa crise política inédita, garantindo, ao fim, na prática, a impunidade aos grandes corruptores.

A tarefa de Raquel Dodge é bem maior do que dar sequência à Lava Jato. Caberá à procuradora-geral da República tirar a operação do caminho da delinquência.


6 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 12:01 hs

    Tem toda a razão. Quando as autoridades incumbidas de defender a lei e as instituições começam a agir com os mesmos métodos dos bandidos que deviam perseguir algo está errado. Há algo de podre no grão-ducado do barnabelato de alta nobreza.

  2. sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 13:47 hs

    Já não sei o que dizer. Parece que o pessoal da Folha conseguiu amealhar o articulista. Ele atira de calibre 12 para todo lado.
    Não que não tenha alguma razão. Estamos, hoje na República do Judiciário.

  3. ciro
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 14:43 hs

    EM OUTRAS PALAVRAS, O BRASIL ESTÁ MERGULHADO NA LAMA, NA PODRIDÃO QUE TOMOU CONTA DOS EXECUTIVOS, DOS LEGISLATIVOS E DO JUDICIÁRIO COMO UM TODO. EXECUTIVO E LEGISLATIVO NÃO SERIAM TÃO CORRUPTOS E ATREVIDOS NÃO FOSSE A CORROSÃO DO JUDICIÁRIO QUE SÓ SABE JULGAR SEGUNDO AS CONVENIÊNCIAS E NÃO SEGUNDO A LEI. APESAR DE TUDO QUE OCORREU E VEM OCORRENDO, INCRÍVEL EU QUE SEMPRE FUI DIREITA\CENTRO COMEÇO A PENSAR QUE LULA TALVEZ TENHA REALMENTE SIDO VÍTIMA DAS ELITES PORQUE SE ATREVEU ENTRAR NO SUBMUNDO DO PODER, ROUBANDO TANTO, ELE E OS SEUS, QUANTO OS PASSADOS COMO SARNEI, FHC, ………….EXCETUANDO FIGUEIREDO E ANTERIORES. HOJE SINTO-ME INDECISO ENTRE ADERIR A ESQUERDA QUE SE ATREVEU A BATER DE FRENTE COM A ELITE E TALVEZ UM BOLSONARO QUE POSSA TRAZER AO PAÍS AO MENOS UM POUCO DO REGIME MILITAR PARA UM MÍNIMO DE SERIEDADE, TALVEZ A PALAVRA CERTA FOSSE MEDO DE SER PEGO. COM QUE AUTORIDADE UM JUÍZ PODE CONDENAR AQUELE QUE FURTA UM POTE DE MARGARINA NO MERCADO! É DEPRIMENTE SER BRASILEIRO, FAZER PARTE DE UM POVO FRACO, SEM SANGUE NAS VEIAS, SEM UMA GOTA DE ORGULHO PRÓPRIO. AÉCIO, MENDES, LEVANDOWSKI, ALCKMIN, CABRAL, RENAN, JUCÁ,…………………………………..TODOS NÃO MERECEM ESSAS CRÍTICAS, NESSE MOMENTO TENHO PRESTAR MINHA HOMENAGEM FÚNEBRE, E APENAS ORAR POR ESSAS ALMAS E QUE DEUS TENHA PIEDADE DE NOSSO POVO, DE TODOS NÓS.

  4. Amadeu K.
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 17:20 hs

    Esse aí fala isso só para aparecer. Bem da Lava-Jato todo mundo fala. Então, esse e o Marco Aurélio, estão sempre desafinados. Este último, quero crer, por natureza, aquele, por má-formação.Tipo, o resto do mundo é que está errado.

  5. eleitor desmemoriado
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 19:47 hs

    Não gosto deste cara mas ele disse tudo. Espero que esta senhora só cumpra a lei, só se paute pela lei e não queria estar acima da lei, como o Janot sempre quis estar. Aí o cara ferrou com ele mesmo, sai sem deixar nenhuma saudade.

  6. Ricardo
    sábado, 1 de julho de 2017 – 0:14 hs

    O Reinaldo PSDB Azevedo, com medo de perder as boquinhas e ver os amigos do peito na cadeia detona a unica coisa boa que tem hoje na politica deste pais: A Lava-Jato…Mesmo que hajam excessos, desde qeu a lei seja respeitada na sequencia, nao ha o que falar da Lava Jato. Este cara tem medo de mudança..pra ele ficaria tudo como está…É muito mais cômodo deixar como está….só trocar os donos do poder…ou seja, só mudariam os bandidos…Saem os bandidos “deles” (PT) e entram os bandidos “nossos” (PSDB)…Palhaçada…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*