Protesto na UEL | Fábio Campana

Protesto na UEL

Parece que está virando uma prática professores contarem captarem apoio dos alunos em suas reinvindicações. É um estilo de protesto que chama mais a atenção e faz a tentativa de levar para dentro dos muros o suporte das famílias e comunidade de um modo geral.
O capítulo de hoje se deu em Londrina, na UEL. A manifestação envolveu professores e alunos para protestar contra a adesão ao sistema Meta4, usado pelo governo para processar a folha de pagamento dos funcionários.

Para o professor que puxou o movimento, Kenedy Pial, as medidas acabam com a autonomia da universidade: “A gente acha que é de uma atrocidade e de uma violência contra a universidade, exigir que a gente entre num sistema operacional de folha de pagamento que arrebenta com a universidade no sentido da sua autonomia, porque a essência da universidade é a produção livre do conhecimento, é o conhecimento crítico, é a racionalidade”.

O governo explica que o sistema meta4 faz a gestão da folha de pagamento de todos os servidores estaduais e que os recursos públicos para manter as universidades são os mesmos dos demais órgãos do estado, e não pode haver distinção de informações.


12 comentários

  1. Daniel Fernandes
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 15:33 hs

    Sinto muito, mas não consigo entender como uma mudança no processamento da folha vai levar a universidade a perder a autonomia científica, pedagógica, crítica.
    Tempos atrás, digamos alguns anos atrás, eu teria apoiado este tipo de coisa. Hoje em dia, não.
    Sim, eu já fui burro e admito.

  2. Walderez Pohl da Silva
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 16:27 hs

    Fábio Campana, após que você tentou ser professor universitário e não conseguiu, tamanha e sua ojeriza a classe. Você escreve com total desconhecimento de causa. Informe-se melhor, por gentileza.

  3. Tisa Kastrup
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 16:55 hs

    Nossa, a “produção livre do conhecimento, o conhecimento crítico e a racionalidade” universitária são tão fracas ali na UEL que vão se desintegrar quando a folha de pagamento for “rodada” dentro dos critérios que as leis federais e estaduais mandam?

  4. Do Interior...
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 17:00 hs

    Daniel Fernandes, você tem razão. Não tem nada haver uma coisa com outra.

    Os professores não estão acostumados a obedecer as leis.

  5. Parreiras Rodrigues
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 17:21 hs

    Está nos “autos”, Walderez, está nos “autos”. Professor universitário não quer que a sociedade, aquela que lhe paga os vencimentos, saiba o montante dos mesmos.
    Mania de a falta de argumentos, tentar desqualificar o crítico.

  6. Clara Barant
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 17:21 hs

    Esses professores são numa vergonha, onde já se imaginou essa gentalha contra a transparência….coisa de bandido mesmo… paiseco e proveio de quinta categoria….esse país não vai nunca…

  7. Anônimo
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 18:05 hs

    Se nós funcionários públicos temos que seguir as regras os professores também devem cumprir. Não são melhores do que ninguém.

  8. jaferrer
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 19:35 hs

    O triste é ver tanta falta de informação e tanto desaforo contra uma classe que forma profissionais que qualificam o Estado. Anos atrás, quem queria ter uma qualificação, um mestrado ou doutorado, tinha que se deslocar para Curitiba ou São Paulo. Somente uns poucos tinha condições. Hoje, a qualificação está disseminada pelo interior graças as IES. E, para os que chamam os professores de vagabundos, sugiro observar a importância nacional e internacional que a produção das IES alcança. É notório o avanço na qualidade profissional que, nos últimos 20 anos, alcançou o Estado do Paraná. Estamos na frente de quase todos os Estados do país, mas parece que isso não basta para quem não tem educação nem respeito pelos outros. Para quem não sabe, o salário de todos os funcionários das IES está publicado no portal da transparência. Basta ter vontade e procurar; os salários acompanham os praticados nas instituições federais, não há nada além disso, a não ser a desinformação com intenção de denegrir àqueles que trabalham para o crescimento do Estado, mas que não concordam politicamente com o governo.

  9. Daniel Fernandes
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 19:35 hs

    Obrigado, Do Interior.

  10. rodrigues
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 23:32 hs

    Transparencia pronto, nada de lero lero, tem que abrir a folha e pronto, nos sociedade que pagamos os salários tambem queremos sua abertura.

  11. rodrigues
    sexta-feira, 9 de junho de 2017 – 23:35 hs

    Transparencia pronto, nada de lero lero, tem que abrir a folhao, nós sociedade que pagamos os salários tambem queremos sua abertura.

  12. Luiz Eduardo
    sábado, 10 de junho de 2017 – 5:06 hs

    Se é dinheiro público provém do bolso do povo e tem que ter transparência sim.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*