Projeto que libera cerveja em estádios será votado amanhã na ALEP | Fábio Campana

Projeto que libera cerveja em estádios será votado amanhã na ALEP

Os deputados estaduais votam, na sessão de segunda-feira (12), o projeto de lei que autoriza a venda e o consumo de cerveja e chope dentro dos estádios e arenas desportivas do estado. O projeto é de autoria dos deputados Luiz Claudio Romanelli, Alexandre Curi, Stephanes Junior, Ademir Bier, Pedro Lupion , Marcio Pauliki, Tiago Amaral, Fernando Scanavaca, Marcio Nunes, Nelson Justus e Anibeli Neto.

O texto já foi aprovado pelas comissões permanentes da Assembleia Legislativa e tramita em regime de urgência. O projeto será votado na sessão de segunda-feira em primeira discussão.


9 comentários

  1. Daniel Fernandes
    domingo, 11 de junho de 2017 – 11:39 hs

    É bem disso que precisamos.
    Álcool na cabeça dos torcedores.
    Sem álcool já é um inferno, tanto que depois de tantas vezes torcedores comportarem-se como animais, evito sair de casa em dia de jogo.
    Comportam-se como animais por causa de duas empresas que estão em campo…
    E para os torcedores estúpidos que passam em frente à minha casa, fazendo buzinaço antes e depois do jogo, perturbando o meu sossego: vão para o inferno, bando de idiotas!

  2. Daniel Fernandes
    domingo, 11 de junho de 2017 – 12:46 hs

    Onde escrevi ‘depois de tantas vezes torcedores’
    leia-se
    ‘depois de tantas vezes ver torcedores’.
    Acho que escrevo rápido demais.
    Perdão.

  3. Juca
    domingo, 11 de junho de 2017 – 14:35 hs

    Coisa muito importante. Eu mesmo vou começar a ir aos estádios para beber cerveja! Resta saber quantos milhões de reais esses deputados de merda estão ganhando de alguma indústria cervejeira que vai monopolizar a venda.

  4. Daniel Fernandes
    domingo, 11 de junho de 2017 – 22:36 hs

    Só para tecer mais algumas considerações.
    Hoje à tarde levei minha filha para passar um tempo com a mãe dela (minha filha mora comigo, e não com a mãe, por motivos que não vêm ao caso).
    Lugar combinado: Shopping Estação.
    Gostei de uma coisa: estavam permitindo a entrada de menores desacompanhados apenas depois de terem os nomes e RGs anotados pelos seguranças.
    Passei a tarde no Shopping, enquanto minha filha passeava com a mãe dela. Passada bem longa na Livraria Curitiba (dicas: está à venda um livro muito bom sobre a Operação Mãos Limpas, um outro livro bastante interessante sobre a dinastia Romanov, e um pacote dos 4 livros sobre história do Brasil do Eduardo Bueno).
    Na volta para casa, enfrentamos o medo e a apreensão que já são padronizados em dia de jogo.
    Devo dizer que, por vários motivos, eu uso ônibus. Não tenho,e não quero ter carro.Com 43 anos nem mesmo sei dirigir.
    Se preciso usar carro, chamo um táxi.
    E foi o que aconteceu hoje. Até fomos até o tubo pegar o ônibus.
    Em volta do tubo, uma quadrilha de torcedores promovendo arruaças e ameaçando os transeuntes.
    Os ônibus que passaram pelo tubo estavam cheios de ‘torcedores’ fazendo arruaça.
    E olhe que neste momento, a bebida está proibida nos estádios.
    Se sem bebida é assim, imagine com bebida liberada.
    Fiquei espantado com a lista de deputados: Nelson Justus?
    Alexandre Curi?
    Depois de tudo aquilo eles ainda conseguiram eleger-se?
    Eita como tem gente burra neste estado!

  5. segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 10:04 hs

    Visitei recentemente Melbourne na Austrália e lá vi que placas nos postes das ruas constam que é proibido beber nas ruas, não se vende bebida alcoólica em supermercados. Quiça em locais como estádios, ou locais de grandes aglomerações.
    Senhores Deputados, há muito mais coisa desesperadoramente importantes em nosso estado para ser discutido e implantado do que aprovar bebida alcoólica em estádios.
    Sabem a diferença entre nosso Brasil e Austrália? Educação, é muito simples.
    Vocês não prestam, bando de irresponsáveis, inconsequentes, aculturados.

  6. Juca
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 10:34 hs

    Daniel, não é gente burra que está propondo isso. É gente esperta que está ganhando uma fortuna da indústria cervejeira!

  7. Daniel Fernandes
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 10:47 hs

    Juca,não falei que os deputados são burros.
    Tentei dizer que pessoas que elegeram o Nelson Justus e o Alexandre Curi, depois daquela avalanche de lama na Assembléia, é que são burras.

  8. Daniel Fernandes
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 10:47 hs

    Eu sei que eles são espertos, Juca.
    No pior sentido da palavra.

  9. Lorival da Cunha Sobrinho
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 12:23 hs

    “Trinta Anos”
    Foi esse o período que trabalhei na área de “segurança pública” no Estado do Paraná, em especial na capital paranaense.
    Por óbvio, inúmeras foram as oportunidades (não saberia precisar quantas) que trabalhei em estádios de eventos esportivos (e outros). Posso mencionar que, ao longo dessas jornadas de trabalhos, diante de torcedores de equipes futebolísticas, milhares de oportunidades precisei lançar mão de conhecimentos técnicos com o fito a combater atitudes “desviadas” (até mesmo criminosas) adotadas por torcedores (organizados/caracterizados ou não) presentes em estádios de futebol. Atitudes que, tenho certeza, não seriam colocadas em prática não fosse a ação das substâncias alcoólicas causadas naqueles torcedores.
    Após muitos anos de labuta nesses recintos (quase no final da minha carreira) tive a felicidade de acompanhar a proibição, pelo que se prova temporária, da venda e consumo de bebidas alcoólicas no interior dessas praças desportivas. Uma evolução alcançada após décadas de enfrentamento a inúmeros problemas (diretos e indiretos) causados pelo consumo dessas substâncias naquelas praças e arredores.
    Fico profundamente consternado ao observar que, através de um projeto de Lei, a “pequena evolução” alcançada em décadas está prestes a ser desconsiderada, fazendo com que inúmeros dos problemas enfrentados pelos órgãos de segurança, em praças desportivas e proximidades, estão prestes a ressurgir.
    Espero que as autoridades responsáveis por este “possível retrocesso” tomem a atitude correta em não aprovar tal legislação. Considerando o fato de que, após muitos anos, conseguimos estabelecer, junto aos torcedores e amantes do futebol, uma CULTURA necessária e costumeira, adotada pela maioria esmagadora dos frequentadores dos nossos estádios.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*