Presidente da Eletrobras chama funcionários de 'vagabundos' | Fábio Campana

Presidente da Eletrobras chama funcionários de ‘vagabundos’

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“São 40% da Eletrobrás. 40% de cara que é inútil, não serve para nada, ganhando uma gratificação, um telefone, uma vaga de garagem, uma secretária. Vocês me perdoem. A sociedade não pode pagar por vagabundo, em particular, no serviço público”. / “Temos um monte de safado, lamentavelmente, que ganha lá 30, 40 paus (mil reais). Tá lá em cima, sentadinho.”

A divulgação de uma conversa do presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, com sindicalistas gerou mal-estar na empresa. Para tentar amenizar, ele gravou uma fala na televisão interna pedindo desculpa pela “veemência” com que se referiu ao que considera “privilégios” na estatal. Por conta dos adjetivos “vagabundos” e “safados” usados pelo presidente para tratar de chefias da Eletrobrás, os sindicatos promoveram ontem uma greve de 24 horas.
A Eletrobrás passa por um momento em que tem que reduzir o quadro de empregados de cerca de 23 mil para 12 mil. Além disso, desde o ano passado, foi extinto um nível hierárquico e reduzido em mais da metade o número de cargos comissionados, como gerentes, assistentes e assessores.


6 comentários

  1. sexta-feira, 23 de junho de 2017 – 8:55 hs

    Isso já não é de hoje que funciona como cabide de vagabundagem do governo, para tirar mais dinheiro do povo, nas esferas federais,estaduais e municipais é tudo deste mesmo jeito uma maioria concursada que trabalha para uma bando de chupa sangues inúteis e com altos salários.

  2. sexta-feira, 23 de junho de 2017 – 9:51 hs

    a palavra dita , não volta a traz !

  3. antonio
    sexta-feira, 23 de junho de 2017 – 10:27 hs

    É preciso ter coragem prá falar certas verdades. Como se formou um monstro publico desses, que pode reduzir o seu quadro funcional de 24 para 12 mil empregados? Se fosse uma empresa privada teria um quarto desse quadro. Falou e disse. Precisa ser apoiado pois certamente vai pagar um preço alto pela sua sinceridade.

  4. QUESTIONADOR
    sexta-feira, 23 de junho de 2017 – 11:19 hs

    -As empresas públicas BRÁS deveriam ser extintas. Não há como serem eficientes misturando incompetência com apadrinhamento político.
    -Agigantaram-se muito para realizar a mesma atividade ou até menos. Incharam-nas com empreguismo através de cargos comissionados e indicações políticas. Os sindicatos como sempre, buscam apenas defender seus interesses e o interesse dele é contra as privatizações, permanecendo estas BRÁS ineficazes e claro fortalecendo os sindicatos.
    -Adotaram estratégias erradas em nome do clientelismo político e indicação simples e pura, nem sempre embasadas com critérios técnicos.
    -Este é o tamanho do “atraso” que pagamos com nossos impostos!!!

  5. Sergio Silvestre
    sexta-feira, 23 de junho de 2017 – 11:51 hs

    Pois é ,eles são os trabalhadores,governo aq ue veio né.

  6. Marta Sales de Miranda Matos
    sexta-feira, 23 de junho de 2017 – 14:28 hs

    Lamentável o próprio presidente falar assim de seus subordinados.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*