O que está tatuado em nossa testa | Fábio Campana

O que está tatuado em nossa testa

Vivemos tempos bárbaros. Ninguém duvida. O cenário político promove uma descrença generalizada. Por motivo que não se explica em poucas linhas, assistimos todos os dias o escorregão da revolta com as instituições públicas para o lado dos amigos e familiares: brigas e mais brigas para defender partidos ou políticos.
Aqui mesmo no blog, cotidianamente, há discussões entre pessoas que não se conhecem, mas que insistem em tomar a frente de bandeiras para agressões. Tenho tentado, na medida do possível, moderar comentários que extrapolem muito o sentido de opinião, crítica e discordância e se concentram em xingamentos gratuitos.
A política vai mal, a sociedade vai mal, saúde, educação e todos os serviços públicos se espatifaram no chão da incompetência.
Segurança, então, nem se fala. Ninguém sente que pode contar com as forças públicas para manter bens e vida de maneira digna. E isso é o que há de mais preocupante. Além do desconforto habitual da insegurança, o quadro gera um outro cenário, bárbaro, apavorante.
Entram em cena os justiceiros.

Na sexta-feira, dois homens flagraram um ladrão na tentativa de roubo de bicicleta. O rapaz é usuário de drogas e já foi internado três vezes pela família em clínicas de reabilitação, mas acabou fugindo. Um problema cíclico na segurança pública.

R.R., de 17 anos, nega o crime. Outras pessoas dizem que o ocorrido teve como testemunhas o tatuador Maicon Carvalho dos Reis e seu vizinho, Ronildo Moreira de Araújo. Os dois apanharam o rapaz e decidiram fazer justiça com as próprias mãos.

A história é sabida no mundo da internet e nos jornais: enquanto Maicon Carvalho dos Reis tatuava em sua testa a frase “sou ladrão e vacilão”, Ronildo Moreira filmava. O vídeo rolou por todos os lugares até chegar à família. Por um momento, pense sobre essa situação: o vídeo chegou ao tio e aos avós antes mesmo da vítima, que segundo eles, tem problemas mentais.

Não demorou muito e a dupla foi presa pela Polícia Civil no centro de São Bernardo do Campo. Indiciados pelo crime de tortura, que pode levar à pena de dois a oito anos de prisão, podendo chegar a dez, se for caracterizada lesão corporal grave, aguardarão julgamento presos. Selvagens!

Os bárbaros estão soltos nas ruas. Dos dois lados. Se odeiam da mesma forma que os militantes de partido A ou B se odeiam; querem fazer justiça social de qualquer forma – roubando ou punindo. Declaram-se donos dos espaços e das vontades, sem imaginar que as leis existem e existem para nos proteger. Ninguém confia no Estado. É o caos, a selvageria, a estupidez.

Maicon Carvalho dos Reis e Ronildo Moreira de Araújo tatuaram em nossas testas o retrato do que temos como sociedade hoje: ódio, descontrole, inversão de valores, humilhação e uma série de coisas que estão em R.R e na dupla de torturadores. Os dois acharam que podiam, com as próprias receitas de tortura, castigar o rapaz, filmar, divulgar e dar uma lição a outros criminosos como eles, os três (se houve mesmo tentativa de furto, ao contrário serão apenas dois criminosos nessa história).

O Brasil está doente.

Mas não está morto. Hoje pela manhã, uma campanha na internet conseguiu chegar à cifra de R$ 17.600,00 para que o rapaz possa remover a tatuagem e ter auxílio no tratamento do vício. A ação partiu de Robin Batista, editor do site do coletivo que fez a coleta, para a arrecadação, publicou na página do Facebook: “Conheço esse garoto desde que ele era pequeno e sua família vive uma situação de pobreza e falta de condições […] é um caso de tortura e humilhação muito grave, que vai causar transtornos sociais a ele por muito tempo”. Foi um suspiro no meio de tanta coisa errada. Mas um suspiro de iniciativa privada.

As instituições públicas têm que voltar a funcionar em todas as instâncias. Não pode a sociedade ficar à mercê de soluções voluntárias, de justiceiros de plantão ou de criminosos de qualquer ordem. É isso ou o caos.


13 comentários

  1. Sergio Silvestre
    domingo, 11 de junho de 2017 – 18:11 hs

    Pois é,eu as vezes sou acompanhado por piolhos do BLOG,que já falaram até da minha mãe,sou patrulhado no meu face por que tenho uma opinião peculiar que na~alinha com o pensamento dos seus “comentaristas”.
    Não é o Brasil que está doente,é o povo,essa anomalia é a volta as cavernas com toda tecnologia nas mãos,e um entardecer trista dos humanos que comeram a terra em apenas pouco mais de meio seculo.
    Não sei como era o mundo antes de mim,até por que não acredito muito na história,já que vencedores fazem a história a seu bel prazer,eu não acredito mais no homem que se desaponta quando um carro acidentado,ou uma briga qualquer não teve vitimas.
    Pelo pouco que acredito,acho que ainda existem homens santos,existe os solidários,mas a grande maioria é composto de seres que não servem para praticamente nada.
    Minha opinião é essa,nós sempre vamos matar nossos salvadores,basta que alguém suba no monte e brada muitas vezes que ele é um marginal ou herege.
    Então Campana,vamos nos recolher,tomar um vinho e começar pensar a que viemos e o que somos já que o sol está se pondo mais uma vez,mas até quando.

  2. Parreiras Rodrigues
    domingo, 11 de junho de 2017 – 20:20 hs

    Sérgio Silvestre se portando como vítima, tal qual o seu ídolo. Releia os seus comentários, SS, e sinta neles, a instilação do ódio, aliás, como manda o seu ídolo.

  3. Jotinha
    domingo, 11 de junho de 2017 – 21:18 hs

    É verdade Fábio, defender politicos e politica, tá por fora, essa politica aí? e estamos aínda meio que capengando, digamos assim em questões sociais; claro, é complicado defender privatização neste momento da nossa história nacional (principalmente) dos meios e serviços; mas dá a impressão de que tudo que é público fica a mercê da desqualificação, sei que não é assim mas dá uma sensação e tanto; quando ficamos dependentes de seguros previdenciários, de saúde, de edcuação, de segurança tudo público gera muitas complicações; não sei se já não é hora de começar a discutir a privatização desses meios para melhorar a qualidade através de novos e diversificados pontos de vista e maneiras de pensamento, a heterogenia “também” na produção e na prestação de serviços; em muitas sociedades já mais avançadas (no sentido humano) não existem mais saúde pública, educação pública, sim saúde, educação por exemplo. O dia em que a população se tornar autenticamente autônoma, agentes politicos se tornarão descartáveis, como necessariamente o são e devem ser, a ponto de servirem a tal papel naquele momento, após cumprir funções que sejam liberados para suas vidas comuns; vai haver reconhecimentos pelos bons serviços prestados, claro que sim, mas que outros venham contribuir com seus deveres também.

  4. Observador
    domingo, 11 de junho de 2017 – 21:19 hs

    Você Sergio Silvestre, que instilou o ódio contra todos os que não concordavam com seus comentários em defesa de um ex-presidente que manchava a política brasileira, atacando inclusive até a moral do Juiz Sergio Moro,deve estar tendo momentos de delírio ao fazer um comentário deste tipo. Ou você bebeu e caiu na realidade, ou está em fase terminal e sua consciência o está acusando. Sou cristão e credito que nunca é tarde para arrependimentos. Perante Deus você e sua caterva petista estão perdoados, mas perante a Justiça não. Terão que sentir na própria carne o mal que causaram aos brasileiros. Você ainda terá tempo, com certeza, de levar cigarros para seu líder em Piraquara.Cuide de sua saúde e não faça a bobagem de se suicidar…..quero ver sua foto publicada nos jornais com uma roupa cor abobora, vai cair bem em você.

  5. Daniel Fernandes
    domingo, 11 de junho de 2017 – 21:49 hs

    Absurdo. Essas são as ‘pessoas de bem’ que vociferam contra os criminosos.
    E nisso são instiladas por programas ‘policiais’ e apresentadores de ‘programas policiais’.
    Jotinha, você escreveu:
    ‘O dia em que a população se tornar autenticamente autônoma,’
    Exatamente. É aí que está o nó da questão. Acertou na mosca.
    Eu venho batendo nesta tecla o tempo todo aqui, especialmente nas minhas críticas à mídia, que virou um instrumento de fabricação de imbecis incapazes de pensar com suas próprias cabeças.
    É a tal da ‘liberdade que está aí para ser conquistada’, de que falei tempos atrás. Mas as pessoas nem sequer têm consciência de que existe uma liberdade a ser conquistada.
    Pois não aparece isso na televisão.
    Não se propaga a ideia de que sim, todos são capazes de pensar de forma autônoma.
    Propaga-se um tipo de coisa que mantém a maioria em um cabresto mental, o cérebro em uma gaiola.
    As pessoas entram aqui para atacar X ou Y. Mas só para atacar. Caso X ou Y façam alguma coisa boa, isto é ignorado. Eu tento manter um equilíbrio. Mesmo que a pessoa sendo atacada seja alguém por quem não tenho simpatia, mas se vejo se o ataque é despropositado, excessivo e/ou injusto, eu sou um dos que defendem a pessoa (procurem o post sobre a foto que a Marcia Fruet enviou para o Greca).
    Não sei o que vocês acham das minhas participações.
    Mas gostaria de saber.
    E sejam sinceros. Obrigado.
    Mesmo que venham críticas, não xingarei, ofenderei a mãe ou usarei argumentos ‘ad hominem’.

  6. Daniel Fernandes
    domingo, 11 de junho de 2017 – 21:50 hs

    Então, pessoal. Estou esperando as críticas.
    Eu quero melhorar. Agradeço muito.
    Abraços a todos.

  7. Daniel Fernandes
    domingo, 11 de junho de 2017 – 21:57 hs

    E você também, Fabio.
    Se eu merecer um puxão de orelha de você. estou aqui.

  8. OTIMISTA
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 4:25 hs

    Se alguns acham que este tipo de ato é justiça estão ficando loucos.
    Mesmo em um Brasil virado do avesso ainda existem uma parcela
    de brasileiros que lutam com todos os meios honestos para corrigir
    o rumo do país. Se nós tatuarmos o Gilmar Mendes, Lula e toda a
    curriola como ocorreu com este rapaz estaremos simplesmente des-
    cendo ao degrau da ignorancia. Temos que continuar combatendo
    tudo de forma civilizada e dentro da lei. O resto Deus decidirá…

  9. Daniel Fernandes
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 10:49 hs

    OTIMISTA, é isso aí.

  10. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 10:53 hs

    -Também abomino o que fizeram os dois em tatuarem o “menor”.
    -Mas chegamos no final do poço!!!
    -Se acontece algum crime, um roubo, uma invasão, chamamos a polícia e quando ela vem(normalmente não vem, pois não há efetivo o suficiente, viaturas estragadas e outros fatores), pouco resolvem…quando conseguem prender o suspeito, a (in)justiça, os soltam(por crimes com menos potencial) e assim o Estado cria condições de insatisfação da população, que sem mais paciência(porque pagamos um monte de impostos que não são revertidos em nada) e leis tolerantes demais que acentuam a sensação de impunidade….é este o panorama de quem vive na pele a aventura de morar neste País….

  11. Daniel Fernandes
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 11:24 hs

    E lembrem que muitos destes apresentadores de programas policiais que pregam a barbárie, muitas vezes ganham dinheiro fazendo na ar propagandas de produtos no mínimo duvidosos, quando não fraudulentos.
    Por exemplo, eles adoram fazer propaganda de coisas tais como travesseiros magnéticos, colchões magnéticos, produtos milagrosos para a saúde, etc.
    Para tornar ainda mais grave a fraude, às vezes levam o telespectador a comprar dizendo coisas tais como ‘radiações infravermelhas”. Nesse caso, só vou dizer que tudo emite radiações infravermelhas. É calor. Qualquer coisa que não esteja a uma temperatura de zero absoluto emite radiações infravermelhas.
    Então, seguindo a lógica deles, tudo à nossa volta é terapêutico, pois tudo emite radiações infravermelhas!
    Nem vou explicar o porquê dessas declarações serem falsas.
    Mas um bandido que comete crimes portando uma arma é diferente de um bandido que aparece na televisão bem vestido, dizendo ‘Bandido bom é bandido morto!’, regozijando-se com algum episódio selvagem (como dizem nos EUA: ‘If it bleeds, it leads’), e vendendo produtos com base em mentiras?
    Estes mesmo apresentadores deveriam mostrar suas emissoras como bandidas também, pois duas delas apresentam logo depois dos programas destes idiotas, programas de jogos televisivos fraudulentos. Aqueles jogos em que você tem de ligar para dizer qual imagem está errada.

  12. Lorival da Cunha Sobrinho
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 11:35 hs

    A “república tupiniquim” carece mais do que urgentemente de atos e fatos resultantes que giram em torno de uma só palavra:
    EDUCAÇÃO.

  13. Sou sem noção
    segunda-feira, 12 de junho de 2017 – 13:05 hs

    todos ja colocaram seu cachecol
    então ja pra caminha

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*