Nervos expostos | Fábio Campana

Nervos expostos

Painel, Folha de S. Paulo

A decisão de aliados de Michel Temer de protocolar na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara um pedido de explicações do ministro Edson Fachin sobre sua relação com Ricardo Saud, lobista e delator da JBS, foi recebida no Supremo como sinal de guerra aberta. Integrantes da corte veem a iniciativa como uma tentativa de intimidação. Há quem aconselhe o STF a sinalizar que a ofensiva dos deputados da base do presidente pode ser vista como “coação” — um crime, portanto.

Fachin não tem, porém, a solidariedade de todo o colegiado. Há uma ala do STF que acusa o ministro de excesso de individualismo e inexperiência. Esse grupo lembra que Teori Zavascki, que foi relator da Lava Jato, comunicava o plenário a respeito de decisões polêmicas.

Fachin reclama de isolamento e dos reparos que sofre dentro e fora do Supremo. Queixa-se dos ataques e, especialmente, da falta de defesa. O clima na corte anda pesado, com ministros trocando farpas nos bastidores.


3 comentários

  1. Paulo Tadeu Macedo Neves
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 8:31 hs

    Dois pesos e duas medidas.
    Para os membros do ministério público federal e do supremo, deputados NÃO PODEM TER AMIZADES com empresários pois isso caracteriza crime de influência.
    Agora, TODOS os membros do supremo e do ministério público podem ter as suas amizades coloridas.

  2. segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 9:20 hs

    “Em todas as esferas de poder. Federal. Estadual e Municipal. Dos três poderes da República. Executivo. Legislativo e Judiciário. Tem os bons e o os maus. Os fisiologistas. Aqueles que praticam trafico de influência. Ou algum anjinho aqui acha que no judiciário são todos éticos e probos? Existem numerosos e recheados casos de corrupção envolvendo gabinetes de juízes. Desembargadores. Basta entrar no site do CNJ e ver quantos magistrados estão respondendo inquéritos. Ou alguém acha que a corrupção permeia apenas no EXECUTIVO e no LEGISLATIVO? Seria ingenuidade, para não usar outro termo, achar isso. Com RARÍSSIMAS EXCEÇÕES ainda existe o sal da terra. Aqueles que não se prostituíram com o exercício do poder. Dentre esse RAROS casos destaco o pessoal da LAVA JATO. O juiz Sergio Moro. Deltan Dallagnol & Cia…” – Profº Celso Bonfim

  3. segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 9:38 hs

    “Eleições diretas para o Supremo e qualquer outro tribunal de instância superior. Federal ou Estadual. E com mandato especifico. Nunca. Jamais AD AETERNUM. Isso não é bom para a democracia. Quebra o princípio da IGUALDADE…” – Profº Celso Bonfim

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*