Muito prazer, Frigoboy | Fábio Campana

Muito prazer, Frigoboy

Neste final de noite fria e gelada um recente conhecido da nação chega para se apresentar. Reconhece?
“E por fim, quando eu soube que o negócio ia ficar público, comprei uns dólar, vendi umas ação, arrumei as mala e se mandei pros Estados Unidos. Tem gente que diz que eu sou um caipira em Nova Iorque, mas eu não ligo.”

Leia mais


6 comentários

  1. Daniel Fernandes
    sábado, 10 de junho de 2017 – 9:02 hs

    E não é só o Joesley.
    Tem muito mais gente que vem a público falar de moralidade, e são mais sujos que pau de galinheiro.
    Chego a aventar uma hipótese: Nós temos uma superstição aqui no Brasil.
    A superstição do sucesso. Nossos novos-ricos aparecem em publicações de negócios, etc., como gênios, como ‘exemplo de como a educação pode abrir portas’. Os meios de comunicação adoram propalar esta idiotice.
    Mentira.
    Sucesso só depende de sorte e de quem você conhece. Não precisa ser gênio, ter educação, ter cultura. Aliás, essas coisas muitas vezes são impedimentos para o ‘sucesso’.
    Então, quando vocês virem a mídia exaltando o próximo bilionário, pensem nisso.
    Obrigado.

  2. Priscilla
    sábado, 10 de junho de 2017 – 9:03 hs

    Kkkkkkkk
    Dei muita risada com isso, apesar de ser um episódio muito triste para o país. É a história do seria cômico se não fosse trágico.
    Mas achei legal e criativo.

  3. Priscilla
    sábado, 10 de junho de 2017 – 9:10 hs

    Isso é verdade, Daniel. Meu avô sempre dizia que grandes fortunas sempre são feitas com sangue alheio.
    No caso dos Odebrecht, dos Batista, os irmãos e o Eike, isso significa o povo, os recursos de impostos, ou seja, o que não era para ser deles, sangue alheio.
    É bom ficar de olho mesmo no próximo bilionário bem sucedido que aparecer em capa de revista.

  4. Daniel Fernandes
    sábado, 10 de junho de 2017 – 9:16 hs

    Ah, outro fator que ajuda bastante os nossos ‘bilionários de estimação’ é falta de escrúpulos.
    Temos este caso do Joesley. Antes, tivemos outro.
    Outro bilionário bajulado pela mídia de negócios, que foi capa de revista, entrevistado em programas de televisão, etc.
    Estava na penitenciária até pouco tempo atrás.
    Não vi a mesma mídia de negócios e televisiva emitir um ‘Erramos’, quando veio à tona como ele conseguiu ficar bilionário.

  5. Daniel Fernandes
    sábado, 10 de junho de 2017 – 16:44 hs

    Meu avô falava a mesma coisa, Priscilla.
    Mas ele falava de forma um pouco diferente: “Por trás de toda grande fortuna tem um crime”.

  6. Juca
    sábado, 10 de junho de 2017 – 18:21 hs

    Ora se não é a foto do maridão da amante!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*