Itaipu a todo vapor | Fábio Campana

Itaipu a todo vapor

 Foto: Caio Coronel/ Itaipu Binacional

Hoje a usina de Itaipu soltou pelo vertedouro o equivalente ao volume médio de quatro Cataratas do Iguaçu. O reservatório está cheio, a usina não consegue usar toda a água que chega e tem que verter o excedente.
As grandes chuvas não atingem apenas a fronteira entre o Brasil e o Paraguai, mas toda a bacia do Rio Paraná. As providências de Itaipu são para abrandar os riscos de uma cheia provocada pelo volume de água no reservatório.
Além do vertedouro há outros itens de segurança: mais de 2.500 instrumentos para acompanhar o comportamento das estruturas de concreto e da fundação das suas barragens e 5.295 drenos.
Itaipu está a usar toda a água para gerar energia elétrica e o vertedouro para despejar o excedente. Sem a barragem, a água seguiria o curso natural do rio, o que resultaria em enchentes frequentes.


2 comentários

  1. pedro ivo jeczmionski
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 8:15 hs

    Bom dia. será que não teria como aproveitar esta água excedente para gerar mais energia? construindo mais turbinas neste vertedouro?

  2. Rafael de Lala
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 11:34 hs

    Barragens são obras humanas necessárias para adequar os sistemas fluviais, regulando os fluxos para fins úteis à humanidade.
    Por isso defendemos a realização de tais melhoramentos em rios brasileiros, notadamente – no caso – o Ribeira de Iguape, onde uma visão distorcida do ambientalismo tem bloqueado a construção da Represa de Tijuco Alto, entre os estados do Paraná e S. Paulo.
    Reservações de água, inclusive, geram outros benefícios – energia limpa e renovável, abastecimento urbano, irrigação agrícola e mitigação do microclima – cf. o prof. Francisco Carvalho, da UFPR, com base em estudos da Finlandia trazidos ao Paraná.
    Sds, Rafael de Lala, jornalista.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*