H. Stern delata mais R$ 4 mi em joias compradas com propina por Cabral | Fábio Campana

H. Stern delata mais R$ 4 mi em joias compradas com propina por Cabral

da Folha de S. Paulo

O Ministério Público Federal prepara uma nova denúncia contra o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo sob acusação de compra de joias com uso de propina obtida por meio de obras do Estado.

A nova acusação terá como base a delação premiada da H. Stern, que listou 41 itens adquiridos pelo casal desde 2009. São 30 peças –ou cerca de R$ 4 milhões– a mais do que era sabido no início das investigações.

As denúncias já apresentadas listam 66 peças que somam R$ 6,9 milhões. A maior parte dessas joias descritas nos processos foram adquiridas na Antônio Bernardo (55), que relatou as compras feitas pelo casal às autoridades no início das investigações.

Contudo, a colaboração premiada da H. Stern ampliou a lista desta joalheria de 11 para 41 peças. Ela descreve a aquisição de três joias com valor superior a R$ 1 milhão.

Uma delas, um par de brincos de ouro branco 18 quilates com brilhante solitário no valor de R$ 1,2 milhão, foi trocada por Ancelmo por outra ainda mais valiosa, de R$ 1,8 milhão. A diferença (R$ 600 mil) foi paga em dinheiro, de acordo com a empresa.

Além de ampliar o valor atribuído ao casal de compras de joias de forma irregular, a nova denúncia tem como objetivo detalhar o mecanismo de ocultação de dinheiro sujo e lavagem por meio do setor joalheiro.

A apuração contra Cabral revelou que duas joalherias com boa reputação no mercado mantinham um controle paralelo de venda de peças, sem a emissão de notas fiscais. Elas também burlaram a regulamentação do setor, que exige comunicação ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) de toda transação acima de R$ 10 mil.

No caso de Cabral e Ancelmo, o relato das joalherias inclui um agravante considerado suspeito. As parcelas eram quitadas com dinheiro vivo na maioria dos casos, segundo as investigações.

“Ele [Cabral] deixava claro que queria que ficasse sem identificação [nota fiscal], que fosse uma coisa mais discreta”, disse Maria Luiza Trotta, diretora comercial da H. Stern.

Joias são usadas para lavagem de dinheiro por ter a capacidade de transformar pilhas de dinheiro num objeto pequeno e valioso, fácil de ser escondido. A Folha revelou no mês passado que as joias mais caras atribuídas ao casal não foram encontradas durante o cumprimento dos dois mandados de busca e apreensão no apartamento deles.

Outras pessoas que integravam o cadastro paralelo da H. Stern estão sob investigação.

OUTRO LADO

Os advogados de Adriana Ancelmo afirmam que ela não adquiriu de forma irregular nenhuma joia.

“Representantes da H. Stern mentem e colocam na conta de Adriana joias jamais adquiridas por ela”, disse o advogado Alexandre Lopes.

Em depoimento à Justiça Federal, a ex-primeira-dama do Rio de Janeiro negou ter comprado joias de valor alto, acima de R$ 1 milhão, como descrito pela joalheria.

Procurada, a defesa de Cabral afirmou que só vai se pronunciar no curso do processo.


5 comentários

  1. Humberto Bridi
    quinta-feira, 8 de junho de 2017 – 15:24 hs

    Comprovado!
    Brasileiro é um dos maiores consumidores do mundo no exterior.
    Compra jóias, eletrônicos, AP em Miami, Paris, Londres….
    TUDO com dinheiro roubado dos seus irmãos brasileiros de baixa renda.

    País rico, para poucos . Mas nem tão poucos assim. 1 ou 2 milhões de beneficiados com a corrupção.

  2. JÁ ERA...
    quinta-feira, 8 de junho de 2017 – 16:45 hs

    Pelo jeito o casal Cabral dormiam em colchão recheados de joias.
    Vá gostar de joias assim no inferno !!!

  3. Daniel Fernandes
    quinta-feira, 8 de junho de 2017 – 17:28 hs

    Meu caro ‘JÀ ERA’, ele não gosta de jóias.
    Li recentemente um livro sobre como os corruptos de todos os tipos lavam e guardam o dinheiro sujo, e jóias são uma grande opção, bem como metais preciosos, como platina e ouro. Ou pedras preciosas, como diamantes. Quer sair do país com uma fortuna sem ninguém ver? Compre diamantes, engula ou introduza nos orifícios do corpo, e pegue seu avião. Simples assim…
    No caso de jóias, você pode fingir que está usando-as como itens de ornamentação, ou pretende usar como enfeite em alguma ocasião, e sai na boa do país sem ninguém te incomodar.
    E isso não acontece só no Brasil. Acontece no mundo todo.
    Em suma:
    Você transforma uma montanha de dinheiro vivo em itens pequenos e de altíssimo valor….fica muito mais fácil de carregar, esconder, etc.

  4. Daniel Fernandes
    quinta-feira, 8 de junho de 2017 – 17:30 hs

    No caso dos metais preciosos, eles podem ser escondidos de forma fácil, e são quase dinheiro vivo, pela facilidade com que você pode vendê-los, ou mesmo usar para pagar as pessoas. Quem não aceitaria ouro ou platina em pagamento, em vez de dinheiro?
    Fico imaginando o tamanho desta ‘economia paralela’…

  5. Daniel Fernandes
    quinta-feira, 8 de junho de 2017 – 18:04 hs

    Só para complementar: organizações terroristas também usam estes meios para financiar operações.
    Por exemplo, sabe-se que a Al Qaeda usou o mercado de diamantes para financiar-se. Sim, os ataques de 11/09/2001. Uma parte do dinheiro para financiar a operação veio de vendas de diamantes ilegais comprados de guerrilhas na África…os famosos ‘diamantes de sangue’.
    Fico aqui pensando como o ser humano é meio nonsense: ouro não serve praticamente para nada (e todas as aplicações dele são em alta tecnologia). Platina ainda serve para alguma coisa, pois é usada em catalisadores (o mesmo vale para o paládio, ródio, ósmio – que são outros metais preciosos do grupo da platina) tanto nos escapes dos automóveis quanto na indústria química. A platina ainda é usada como agente alquilante no tratamento do câncer.
    E pedras preciosas? Que utilidade tem um diamante? Ou outras pedras? Você vai comê-las? Vai conseguir dar qualquer uso, finalidade útil para elas?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*