Corrupção e política contaminam carne brasileira | Fábio Campana

Corrupção e política contaminam carne brasileira

Já está na hora de o país ter um sistema de inspeção sanitária adequado às rigorosas exigências dos compradores e livres de interferências partidárias

Editorial, O Globo

A decisão dos Estados Unidos de suspenderem temporariamente as importações de carne fresca do Brasil, anunciada no dia 22, é mais um alerta para o governo brasileiro sobre os estragos que um sistema falho de inspeção, aliado à corrupção e ao loteamento político, podem fazer às exportações. Autoridades dos EUA determinaram o embargo alegando “preocupações recorrentes sobre a segurança dos produtos destinados ao mercado americano”. De janeiro a maio, o Brasil exportou US$ 49 milhões em carne bovina fresca para os EUA, um de nossos dez principais compradores.

A notícia por si só é indigesta, mas o que mais preocupa neste momento é o chamado efeito cascata. O próprio ministro da Agricultura, Blairo Maggi, admitiu que a decisão dos EUA pode ser seguida por outros países se o Brasil demorar a reverter o bloqueio. “Os Estados Unidos são guias para muitos países”.

Na verdade, a imagem da carne brasileira já tinha sido abalada pela Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em 17 de março, que detectou um esquema criminoso em que frigoríficos pagavam propinas a fiscais do Ministério da Agricultura para liberar produtos à margem da lei. Com base nas investigações, em fins de abril o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, aceitou denúncia contra 59 pessoas, acusadas pelo MPF por crimes como adulteração de produtos alimentícios e emprego de substâncias não permitidas, corrupção ativa, corrupção passiva, prevaricação e organização criminosa.

Para o mercado externo, a espalhafatosa operação, apresentada como a maior já feita pela PF, caiu como uma bomba. Não demorou para que pelo menos dez países suspendessem as importações. Alarmado com o iminente prejuízo, o governo correu para dizer que o foco não era o Sistema de Inspeção Federal (SIF), mas um esquema de corrupção envolvendo fiscais e frigoríficos. De fato. Mas, quando uma empresa corrompe um funcionário do Ministério da Agricultura para liberar um produto clandestinamente, seja qual for o motivo, é sinal de que a qualidade da carne já foi para o brejo. E os compradores sabem disso.

Mas a corrupção é só um dos ingredientes que contaminam a carne brasileira. Outro é a ingerência política num setor que deveria ser essencialmente técnico. Hoje, cerca de 70 por cento dos superintendentes federais nos estados são escolhidos por indicação política. Numa das delações de Joesley Batista, dono do Grupo JBS, à Operação Lava-Jato, ele relata um encontro com Eduardo Cunha, no Ministério da Agricultura, para conversas nada republicanas, e afirma que o ministério é todo loteado: “Cada postozinho é um deputado, um senador que indicou”.

Já está na hora de o país ter um sistema de inspeção sanitária adequado às rigorosas exigências dos compradores e livre de interferências políticas. O Brasil levou anos para conquistar mercados num setor em que a concorrência é fortíssima. Não pode perdê-los a cada estouro da boiada.


4 comentários

  1. VISIONÁRIO
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 5:15 hs

    Apesar do rigor nas medidas adotadas pelos EUA eles estão cer-
    tos. Com a saúde não se brinca e com tantas denúncias comprova-
    das das carnes brasileiras a redução das importações devem decres-
    cer. Ou arruma a casa ou vai parar…

  2. Azedo
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 8:54 hs

    Já viram aquele vídeo do açougueiro carneando um pedaço do boi com um abcesso de uns 3 kilos CHEIO DE PUS AMARELO? Repulsivamente nojento, inimaginável comer aquela carne! Os americanos estão certíssimos. E depois a culpa é da PF que deflagrou a operação Carne Fraca? Fechem o Brasil!

  3. sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 9:33 hs

    SE ELES NAO QUEREM DEIXA PARA O POVO BRASILEIRO DAI SAI MAIS BARATO E MUITOS MAIS PODERÃO CONSUMIR CARNES OK;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;

  4. sergio
    sexta-feira, 30 de junho de 2017 – 15:54 hs

    A forma de fazer política é na base da corrupção
    e da mentira.
    Temos vários casos tanto na Política Nacional e
    na Estadual, tendo a Maria Louca e seu Staff como
    os maiores mentirosos

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*