'Comparado ao Brasil, o mundo é amador em corrupção' | Fábio Campana

‘Comparado ao Brasil, o mundo é amador em corrupção’

“É difícil explicar tamanhos absurdos. Há uma visão da política no Brasil como atividade que permite o enriquecimento pessoal, da mesma forma que outras atividades. Não há uma visão da política como atividade que deva servir aos interesses gerais. Quando dizem que não há consciência cívica no Brasil, penso que isso não está errado.
A corrupção não é particularidade do Brasil, mas é exagerada no país. Talvez porque o Brasil seja um país grande, rico, com muitos recursos naturais e que por muito tempo foi alvo de exploração fácil. Há comportamentos que se enraizaram na história. Essas pessoas estão comprometendo o crescimento econômico do Brasil e o desenvolvimento futuro. […] Os franceses são amadores se comparados ao que ocorre no Brasil. O mundo inteiro, aliás. Imagine o que teria sido o crescimento econômico do Brasil nos últimos 30 ou 40 anos se não tivesse havido essa pilhagem sistemática de seus recursos e empresas. Isso dá vertigem. É totalmente inacreditável.”

Olivier Dabène, diretor do Observatório Político da América Latina e Caribe da universidade Sciences Po de Paris, em entrevista à BBC.


6 comentários

  1. JOHAN
    sábado, 10 de junho de 2017 – 16:34 hs

    Caro FÁBIO, essa análise desse sr.Olivier Dabène, está correta em todos os sentidos, pois o executivo dilapida o patrimônio municipal estadual com a parceria e conivência dos parlamentares por séculos. Por último a sociedade está descobrindo que as altas cortes do judiciário e a magistratura sempre estiveram humildemente e acadeladamente a postos para atender e servir o executivo pagador. Agora com a descoberta dessa canalhice, a sociedade há de se virar contra a alta magistratura e cobrar-lhe dignidade, retidão e imparcialidade. O executivo e o legislativo estão destruindo a economia e a alta magistratura está destruindo a moral e a dignidade da nação brasileira. Isso tem que parar como disse a Dep. Fed. BENEDITA DA SILVA. Atenciosamente.

  2. Daniel Fernandes
    sábado, 10 de junho de 2017 – 16:55 hs

    É…
    E vem gente falar da reforma trabalhista, dizendo que precarizar ainda mais os empregos, e fazer com que as pessoas tenham de aceitar empregos em termos ridículos, é que vai salvar o Brasil.
    Parar com a roubalheira não vai. Parar com a sonegação não vai.
    Só a reforma trabalhista pode salvar o país.
    Engraçado é que sempre o trabalhador com carteira assinada é que se dá mal.
    Os grandes, os poderosos fazem merda, são desonestes, são amorais, são sociopatas, e é a CLT que é a culpada de tudo.
    Não vamos mais ter proletariado.
    O nome mais adequado a partir de agora será PRECARIADO.

  3. Jorge Armado
    sábado, 10 de junho de 2017 – 18:59 hs

    Este sr. francês não conhece o Paraná. Aqui o nosso governo é imune à corrupção. Nosso judiciário é um dos mais ativos e isentos do mundo. E nossa classe política tem padrões de comportamento escandinavo. E abrigamos a República de Curitiba. Aqui se cumpre a lei.

  4. Luiz Eduardo
    sábado, 10 de junho de 2017 – 21:22 hs

    Jorge Armando, pelo amor aos franceses. Você esta fazendo uma afirmação séria ou está fazendo chacota?

  5. Jonas
    sábado, 10 de junho de 2017 – 22:04 hs

    Disse tudo, Sr. Olivier. Só faltou dizer quem é o grande culpado pela corrupção no Brasil: é o próprio povo brasileiro, que elege sistematicamente os patifes que promovem toda essa roubalheira, alguns dos quais, mesmo quando desmascarados, ainda aparecem em primeiro lugar nas pesquisas de opinião.

  6. VISIONÁRIO
    domingo, 11 de junho de 2017 – 7:17 hs

    Dizem as más línguas que a cúpula (para não dizer cópula) do
    PT e demais “agregados” do PMDB e agora o PSDB estão tentando
    aprovar no MEC a futura faculdade da Sacanagem. Se confirmado,
    as aulas serão ministradas à distancia por atuais presos políticos e
    grandes empresários. Os únicos que darão aula presencial serão o
    Lula, Dilma, Mantega, Gleisi, Joesley e curriola. O curso será gratuito !!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*