Acordo perdoa 2 mil anos de prisão para delatores da JBS | Fábio Campana

Acordo perdoa 2 mil anos de prisão para delatores da JBS

A delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista lhes valeram o perdão de crimes cujas penas somadas individualmente poderiam alcançar de 400 a até 2 mil anos de prisão. Os relatos dos irmãos e dos diretores do Grupo J&F Investimentos feitos à Procuradoria-Geral da República descrevem 240 condutas criminosas reunidas nos depoimentos dos delatores e em 42 anexos entregues pelo órgão ao Supremo Tribunal Federal (STF). As informações são de Marcelo Godoy no Estadão.

Levantamento feito pelo Estado mostra que foram relacionados oito tipos de crimes, entre eles 124 casos de corrupção e 96 de lavagem praticados por mais de uma organização criminosa. Especialistas em Direito Penal indicam que, em tese, muitas das condutas delatadas, apesar de autônomas, foram praticadas de forma continuada, como se fossem desdobramentos de um mesmo crime.

É o caso da lavagem de partes de uma mesma propina por meio de ações diferentes para dissimular o dinheiro, tais como o uso de notas frias para encenar relações comerciais, o superfaturamento da compra de imóveis ou o uso de contratos fictícios de honorários advocatícios. Assim, as penas pelos delitos poderiam cair para algo em torno de 230 anos no mínimo e 1,3 mil anos no máximo.

A análise desses dados reacende a polêmica em torno das vantagens concedidas aos Batista nos termos do acordo de delação assinado com o Ministério Público Federal (MPF) – eles não poderão ser processados por nenhuma dessas 240 condutas criminosas, recebendo ainda imunidade em outras investigações em andamento e o perdão judicial caso sejam denunciados em outros processos.

Os empresários pagaram ainda multa de R$ 110 milhões, valor considerado insuficiente por juristas diante das condutas praticadas. Por fim, o grupo é suspeito de usar o acordo com o MPF para lucrar com operações de venda de dólares dias antes da divulgação das delações, suspeita que levou a Justiça federal a decretar o bloqueio de R$ 800 milhões do Grupo J&F.

“São (os Batista) criminosos antigos, reiterados e sem nenhum escrúpulo. A delação premiada não pode ser transformada em um instrumento de impunidade”, disse o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira, que defende um dos 1.829 políticos delatados pelos Batista: o presidente Michel Temer.

Além de corrupção e lavagem, os delatores da holding J&F Investimentos relataram financiamentos por meio de caixa 2 de campanhas eleitorais de partidos políticos – o PT e seus integrantes lideram o ranking dos destinatários da propina, concentrando R$ 616 milhões dos cerca de R$ 1,4 bilhão que os Batista confessaram ter pago.

Especialista em combate à lavagem de dinheiro, o promotor de Justiça Arthur Pinto de Lemos Junior, do Grupo de Atuação Especial Contra Delitos Econômicos (Gedec), afirma que tanto a extensão quanto a qualidade da delação fortalecem a decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de conceder os benefícios dados aos Batista. “Os ilícitos revelados são todos inéditos, eram desconhecidos até então, e o Ministério Público Federal não ia descobri-los se não fosse a iniciativa dos colaboradores.”

Defesa. O argumento é semelhante ao usado pela defesa dos Batista para justificar os termos do acordo de delação. O criminalista Pierpaolo Bottini, que defende os irmãos, diz que “parcela grande das penas que pode ser aplicada aos políticos jamais existiria sem os colaboradores”. “Além disso, é necessário verificar a qualidade da prova e a situação processual dos delatores. Ao contrário de muitos outros colaboradores, eles não haviam sido denunciados nem estavam presos quando decidiram colaborar.”

Para Mariz de Oliveira, os números alertam para o desequilíbrio do princípio da igualdade no processo criminal entre as partes – acusação e defesa. De acordo com a desembargadora Ivana David, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), a forma de o magistrado enfrentar o desafio criado pelas delações para garantir a igualdade entre as partes no processos criminais é permitir aos advogados dos demais acusados o acesso pleno a todos os documentos e provas produzidos pelos colaboradores. “A delação é também um instrumento de defesa”, afirmou a magistrada.


6 comentários

  1. Do Interior...
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 8:17 hs

    Essa história dos irmãos Batista está muito estranha mesmo .

    Enquanto os delatores da lava jato demoraram meses até fechar os acordos, os irmãos Batista fecharam um acordo rm poucos dias.

    Segundo a Globo News, só para ouvir os áudios são mais de dez dias.

    Outra coisa estranha é não terem pego cana nenhuma e a multa ser muito baixa.

    Isso coloca o ministro Fachin e o procurador geral em grande suspeita de terem levado vantagem no negócio.

    Além disso, quem conhece os irmãos Batista, sabe que eles são tão inocentes quanto os deputados delatados.

    Se a investigação continuasse, iriam chegar nos irmãos Batista e daí as coisas seriam diferentes. A PGR não pode se igalae a LULLA, que alega que não pode ser preso porque diz que fez um suposto bem maior. Crime é crime.

  2. antonio
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 8:38 hs

    Com tudo isso até fico com pena do Odebrecht. Que diferença de tratamento.
    Este delatou, vai pagar as multas e continua preso. Os outros se deram muito bem.
    Justiça com dois pesos e duas medidas. Estrelismo do MPF de Brasília que queria ter o seu momento de grandeza, derrubando um Presidente em exercício. Reflexo maior do que o da Lavajato. Guerra de vaidades.

  3. Parreiras Rodrigues
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 9:07 hs

    O crime é compensado a partir do seu tamanho. Quanto maior, maior a distância entre a bunda e a seringa.

  4. Azedo
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 9:10 hs

    Imagino o ódio do Marcelo Odebrecht, puxando dez anos de cana…
    Brasil, país das injustiças.

  5. ferreira
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 11:06 hs

    Os manos podem estar livres da justiça do não dá nada brasileira, MAS, estão em território estrangeiro onde também praticaram crimes econômicos e lá há lei e prende-se até o rei.

  6. Helena
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 20:21 hs

    Deveria perdoar 1.970 anos, o restante seria cumprido sem progressão da pena.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*