A prova de acusação como prova de defesa | Fábio Campana

A prova de acusação como prova de defesa

Se as denúncias da Procuradoria-Geral da República vingarem contra Temer, ele vai usar a própria gravação de Joesley Batista – que serve de acusação de obstrução de Justiça – para se defender.
É assim que os advogados do presidente estão pensando em montar a defesa.
Quando Temer disse “o Eduardo tentou me fustigar”, a alegação será que isso mostra que o presidente estava indo em oposição ao que Cunha desejava.
Tem mais, Temer disse a Joesley o seguinte, em referência às 21 perguntas indeferidas pro Sergio Moro que o ex-deputado encaminhou ao presidente: “Era pra (inaudível). Eu não fiz nada (inaudível) no Supremo Tribunal Federal”. Os advogados sustentarão que o trecho mostra que Temer não tinha feito nada para obstruir a Justiça.


2 comentários

  1. Sergio Silvestre
    sábado, 24 de junho de 2017 – 9:09 hs

    Em um Pais em que a justiça tem vergonha na cara esse sujeito já apodrecia na cadeia,não é possivel suportar um infeliz desse com 7% de aprovação sendo que algum deles que o aprova são uns birrentos do seu Blog que agora morrem de vergonha mas dão um percentual pro ladrão.

  2. Jotinha
    domingo, 25 de junho de 2017 – 13:31 hs

    Eu não defendo esse cara, como também não defendo nenhum ladrão como Lula, Dilma, Zé Direceu, Alkmin, Serra, ninguem, mas essas provas são armações e não servem como tal, se as usarem é meramente como uso politico; os verdadeiros ladrões do dinheiro público são JBS, Lula e suas turmas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*