O sítio era para Lula | Fábio Campana

O sítio era para Lula

Do Estadão

Claudia Bueri Suassuna, mulher do empresário Jonas Leite Suassuna, sócio dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e um dos donos oficiais do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), afirmou em depoimento à força-tarefa da Operação Lava Jato que sabia que o imóvel seria usado por Lula. Em sete anos, ela afirmou que esteve duas vezes na propriedade em festas juninas realizadas pelo petista.

“Em depoimento prestado ao Ministério Público Federal, Claudia Bueri Suassuna, esposa de Jonas Suassuna, revelou que apesar de o casal residir no Rio de Janeiro e não ter nenhuma pretensão de se radicar em São Paulo, foi realizada a aquisição do Sítio Santa Denise por Jonas Suassuna, já sabendo que sua utilização seria de Lula”, registra a denúncia entregue, nesta segunda-feira, 22, pela força-tarefa da Operação Lava Jato à Justiça Federal, em Curitiba. É a sexta acusação criminal contra o ex-presidente e a terceira em Curitiba – origem da Lava Jato.
“Claudia Suassuna relatou que apesar de Jonas Suassuna ter supostamente manifestado certo interesse em frequentar a propriedade, reconheceu que somente estiveram no local por duas oportunidades, em festas juninas organizadas pela família Lula”, afirma a Lava Jato, na denúncia.
Claudia Suassuna trabalhou na Fundação Roberto Marinho e disse ter sido a “rainha do fitness no Brasil”.
“Anterior à Fundação Roberto Marinho, eu por 15 anos fui dona, fui a rainha do fitness no Brasil porque eu inaugurei uma nova maneira de se fazer exercícios, uma nova maneira de encarar a atividade física fazendo uns complexos esportivos.”
A mulher de Suassuna foi ouvida no dia 15 de março pela força-tarefa da Lava Jato e está arrolada como testemunhas de acusação na denúncia, que será apreciada ainda esta semana pelo juiz federal Sérgio Moro.
“O que eu sei é que o Jaco, em meados de 2010, 2011, eu não me recordo se foi em 2010 ou 2011, estava com um interesse enorme de comprar um sítio, não tinha dinheiro pra esse sítio, convidou o Jonas, eu sempre fui uma incentivadora do Jonas de mobilizar, o Jonas é um cara muito empreendedor”, contou a testemunha.
Jacó citado por ela é Jacó Bittar, em prefeito de Campinas pelo PT e amigo de Lula desde a década de 1970 – e pai de Fernando Bittar, o outro dono do sítio e sócio de Suassuna e dos filhos do ex-presidente.
“E aí eu falei: Jonas, muito interessante, isso aí vai valorizar, até porque, Jaco do lado, isso foi verdade doutor, Jaco do lado, na época o Lula tinha quase noventa por cento de aprovação no país, logicamente que eles são muito grudados, eles são quase parentes.”
Segundo Claudia, a “família Bittar é muito próxima da família Lula”. ” Muito próxima. Aí eu achei vai valorizar muito mais se começar o presidente a frequentar o sítio do seu Bittar, que depois veio saber que era no nome de Fernando, porque pra mim até então era o sítio do seu Bittar.”
“Eu estive nesse sítio umas duas vezes que foram em duas festas juninas e, ao mesmo tempo, a gente tava com muito interesse em construir em Angra, nós dois. E esse sítio acabou ficando pra trás por falta de interesse em construção”, contou a mulher de Suassuna. Ela disse acreditar que as festas foram em 2013 e 2015.
“A testemunha acrescentou, ainda, que “em uma das ocasiões pernoitou em um hotel na cidade de Atibaia”, informa a Procuradoria.
Na denúncia contra Lula por corrupção e lavagem de dinheiro em reformas realizadas no sítio, pelas empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahin, no valor de R$ 1 milhão, há um capítulo sobre quem usava a propriedade, denominado “Uso e gozo do local por LULA: Assídua frequência no Sítio de Atibaia”.
“Primeiramente, é de se ver que o excessivo número de vezes que Lula e sua família compareceram ao sítio indica ser este o proprietário de fato e possuidor do imóvel”, registra a acusação, assinada pelos procuradores da Lava Jato, e encabeçada pelo procurador Regional da República Januário Paludo.
“Os veículos de utilização do ex-Presidente da República por pelo menos 270 vezes, compareceram no Sítio de Atibaia, com a utilização de praça de pedágio que dá acesso à cidade de Atibaia, no intervalo entre 2011 e 2016.”

Aconteceu
O procurador quis saber no depoimento sobre a valorização do sítio “com a visita do ex-presidente”.
“Não conseguiria imaginar que ia acontecer isso tudo que tá acontecendo”, disse ela.
“Como que a senhora sabia que ele (Lula) iria frequentar esse sítio?”, insistiu o procurador.
“Porque eles são muito unidos. Porque eles (Jacó e Lula) são muito unidos. Porque logicamente se ele teria um sítio, o compadre dele ia frequentar. Não tenho a menor dúvida.”
Procurador: “Certo. E o Jonas também já sabia que o ex-presidente iria frequentar o sítio?”.
Claudia: “Claro”.

Dono
Para o MPF, “os variados elementos de prova colhidos durante a investigação, comprovam que Lula é proprietário de fato e possuidor do sítio de Atibaia”.
A denúncia apresentada nesta segunda-feira a Moro, no entanto, não trata da compra e propriedade do sítio, mas sim da corrupção e da lavagem de dinheiro nas reformas executadas na propriedade, à partir de 2011, por três empreiteiras do cartel que atuava na Petrobrás: Odebrecht, OAS e Schahin.
Na denúncia criminal imputa à Lula 10 crimes de corrupção e 44 de lavagem de dinheiro, no esquema de corrupção descoberto na Petrobrás. O petista ainda pode ter que pagar R$ 155 milhões, com os demais acusados, pelos supostos crimes.
Investigadores da força-tarefa, em Curitiba, reuniram elementos que consideram provas de que empreiteiras Schahin, Odebrecht e OAS pagaram R$ 1,02 milhão em reformas do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo.
“A investigação ainda prossegue com relação a possíveis atos de lavagem relacionados a operação de compra e venda dos lotes dos Sítios Santa Denise e Santa Bárbara em favor de Lula”, registra a acusação.


9 comentários

  1. Daniel Fernandes
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 10:22 hs

    Só tem um problema. Não foi só ela quem trabalhou lá. O Jonas e o Bittar também. O Bittar era quem imprimia os livros da Fundação.
    Só acho muito estranha esta ligação.

  2. Daniel Fernandes
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 10:23 hs

    E é claro que o sítio é dele!

  3. Daniel Fernandes
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 10:27 hs

    Amigos, eu perdi as esperanças.
    Daqui de dentro do país a gente não pode mais esperar a solução para nada. Não podemos esperar nada de militares, do executivo, do legislativo e do judiciário.
    Não se iludam!
    Acho que o único jeito é pedir para as Nações Unidas ocuparem o país.
    A gente acha uma ponta solta, puxa, e lá vem uma cambada de ratos junto com o fio…

  4. Medrosinho
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 10:33 hs

    Por que o tal Joesley não deu prova de que Lula ganhou 500 milhões da JBS, no exterior? Se surgisse prova disso, podiam esquecer esse negocinho de sítio e triplex!!!

  5. Marcos Brasil
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 10:46 hs

    está configurado o crime , e perante a justiça , basta esses dados; CADEIA NELES JÁ

  6. BETO
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 11:07 hs

    Tem que enfiar esse porco na CADEIA.
    Este verme quebrou o Brasil.

  7. Hamilton Naves
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 11:34 hs

    Foi a Marisa que teve a idéia de ter o Sítio. Ele ele sabe onde fica Atibaia.

  8. BETO
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 11:53 hs

    E o vagabundo ainda quer negar????

    Caseiro de sítio em Atibaia mandava e-mails sobre a propriedade para conta do Instituto Lula

    Documentos foram anexados na denúncia apresentada pela força-tarefa da Operação Lava Jato na segunda-feira (22).

    Por Adriana Justi e Fernando Castro, G1 PR e RPC, Curitiba

    24/05/2017 11h01 · Atualizado há 6 minutos

    E-mail informa Instituto Lula sobre o dia a dia do sítio em Atibaia (Foto: Reprodução) E-mail informa Instituto Lula sobre o dia a dia do sítio em Atibaia (Foto: Reprodução)

    E-mail informa Instituto Lula sobre o dia a dia do sítio em Atibaia (Foto: Reprodução)

    Documentos anexados na denúncia apresentada pela força-tarefa da Operação Lava Jato que envolve um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, atribuído pelos investigadores ao ex-presidente Lula mostram que o caseiro Elcio Pereira Vieira, conhecido como Maradona, enviava e-mails para uma conta do Instituto Lula sobre o dia a dia da propriedade.

    Em 21 de abril de 2015, Elcio enviou um e-mail com a mensagem “avião aki na chacara hoje pela manhã”. No dia 31 de julho do mesmo ano, o caseiro enviou a mensagem “obras no sítio” com uma lista de materiais. Nessa, colocou a seguinte observação: “como combinado com Dona Marisa a ver depois os materiais pra fazer acabamento”. A mulher de Lula, Marisa Letícia, morreu em 3 de fevereiro deste ano em decorrência de um AVC.

    “Em outubro de 2014, Elcio disse “boa tarde morreu mais um pintinho essa noite e caiu dois gambá nas armadilhas essa noite” com o e-mail intitulado “armadilha”.

    A denúncia que envolve o sítio foi apresentada pelos procuradores que compõem a força-tarefa da Lava Jato, à Justiça Federal, em Curitiba, na segunda-feira (22). Entre os denunciados estão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht.

    Agora, caberá ao juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações penais da Lava Jato, definir se recebe ou não a denúncia do MPF. Se ele aceitar, o ex-presidente passará a ser réu também neste novo processo.

    Além de Lula, outras 12 pessoas são citadas neste processo. Todos são acusados pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva.

    Entenda a denúncia

    A acusação trata do pagamento de propina de pelo menos R$ 128 milhões pela Odebrecht e de outros R$ 27 milhões por parte da OAS. Conforme a denúncia, Lula foi beneficiado com parte desse dinheiro, por meio de obras realizadas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia, cuja escritura está no nome de Fernando Bittar, mas que o MPF defende que pertence, na verdade, ao ex-presidente.

  9. eleitor desmemoriado
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 16:22 hs

    Mais uma mentirosa, caluniando o pobre do 51, ela não mostrou a escritura no nome do cara? Ou mostrou? Enquanto as escrituras em nome do 51 não aparecerem ele é inocente, pobrezinho, um perseguido tanto pela PF, pelo MPF e pelo sádico do juiz Sérgio Moro. Até quando esta perseguição sem quartel ao pobre 51 vai? A mulher dele até já morreu de tanto “desgosto”. Coitada,a a mesma nem mais o tal sítio que nunca foi do maridão e o triplex do Guarujá nem podia usar mais. coisa horrível esta perseguição insidiosa contra o pobre 51.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*