O feitiço contra o feiticeiro | Fábio Campana

O feitiço contra o feiticeiro

Depois do acordo de delação dos irmãos Batista, a JBS enfrenta o mercado financeiro. A empresa é alvo de várias operações policiais desde o ano passado, perdeu 46% do valor de mercado na Bolsa e vê os planos para esse ano ameaçados.
A empresa também é investigada nos Estados Unidos e investidores americanos iniciaram movimento para processar a JBS na Justiça por perdas sofridas com seus papeis.
A desconfiança dos investidores e a desvalorização das ações fizeram a companhia adiar o plano de lançar ações na Bolsa de Nova York, considerado um passo essencial para que o gigante da carne dê um novo salto em sua expansão internacional.
O ditado é antigo: quem não tem confiança, não faz negócio.


8 comentários

  1. Daniel Fernandes
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 11:35 hs

    Se deu mal, Joesley.
    Você pensou que ia ser perdoado aqui no Brasil para que o DoJ não te incomodasse, e você pudesse fazer o tão almejado IPO na NYSE.
    Infelizmente para você, os EUA não são república das bananas e nem da picanha.
    Cara, você gaba-se de não ter concluído o segundo grau.
    De não ler livros (nenhum, nem mesmo livros idiotas – tipo ‘best-seller do momento’).
    Se tivesse lido algum livro, por exemplo de história, ou mesmo de negócios, saberia que o DoJ não é de brincadeira.
    A gente pasta aqui no Brasil por sua causa.
    Mas você vai pastar (ASSIM ESPERO) aí nos EUA também.
    Como dizem, a burrice a e falta de conhecimento custam caro.

  2. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 12:03 hs

    Eles estão se lixando para os negócios no Brasil. Foi o preço da aposta que fizeram na sacanagem total durante o lulopetismo. Hoje 70% do seus negócios estão nos EUA e crescendo e gerando emprego local. Tem visto de residência permanente e o Brasil não tem tratado de extradição com os EUA, porque os EUA mantém a pena de morte em vigor. Assim, depois pagar os 250 milhões de leniência com a Justiça dos EUA, eles solenemente dando uma banana para o Brasil, que é a saudação mais adequada para essa república bananeira.

  3. quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 12:42 hs

    SE NAO FOR INTERESSANTE PARA ELES CONTINUAREM NO BRASIL;;SIMPLESMENTE ELES ..VÃO EMBORA..NAO PAGAM NINGUEM…E DEIXAM OS PRÉDIOS FANTASMA ..PARA O BRASIL E PRONTO;;;;;;;;;;;;;;QUE SE LIXE OS FUNCIONÁRIOS..O INSS..O IMPOSTO DE RENDA ETC;;;;;;

  4. Juca
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 12:58 hs

    Culpado é o FHC!

  5. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 15:15 hs

    Devagar estão desmontando empresas que geram milhares de empregos.Que tipo de Pais é esse que ainda quer dar certo,prendam os donos mas mantem a empresa,não soltar os donos e quebrar tudo.

  6. eleitor desmemoriado
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 16:17 hs

    Os irmãos Batista vão puxar a cana que imaginavam nunca puxar aqui em Pindorama, os caras se achavam tanto e estavam tão seguros de si mesmos que não sabiam que manipular o mercado é crime. E dá cana. Agora os irmãos Batista podem puxar cana por um crime que jamais imaginaram que um dia podia acontecer com eles. E vão entregar quem agora? Já entregaram todo mundo, ou seja, o MPF não tem mais o que oferecer a estes bandidos. Se não pegarem cana aqui pegam lá na terra do Trump, manipular mercado por lá dá cana muito braba, Al Capone que o diga.

  7. Medrosinho
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 21:36 hs

    Temos que AGRADECER A JOESLEY, JANOT E FACHIN, por terem mostrado ao Brasil os VERDADEIROS CHEFES, ANDRÉIA e AÉCIO NEVES, do mega esquema no BNDES, que nos últimos 15 anos deu um prejuízo estimado em 1,2 TRILHÃO DE REAIS aos cofres públicos, pois sem esses três heróis, jamais saberíamos da VERDADE, e ainda estaríamos culpando Lula e o PT, o que seria uma grande injustiça!!

  8. Daniel Fernandes
    quarta-feira, 24 de maio de 2017 – 21:57 hs

    Vamos agradecer. então:
    Joesley, muito obrigado, seu F-D-P!
    Satisfeito, Medrosinho?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*