Mais R$ 3,2 bilhões para Saúde | Fábio Campana

Mais R$ 3,2 bilhões
para Saúde


O ministro Ricardo Barros apresentou na Marcha dos Prefeitos em Brasília o resultado de um ano à frente do Ministério da Saúde. Com medidas de gestão, que tornaram a administração mais eficiente, foram realocado R$ 3,2 bilhões para o custeio de mais serviços do SUS como a ampliação do atendimento nos hospitais, o acesso a equipamentos, medicamentos, vacinas e a renovação da frota de ambulâncias.

Foram habilitados cerca de 6 mil serviços de saúde em todo o Brasil. São serviços novos ou que já funcionavam, mas que não contavam com a contrapartida do governo federal, como leitos de UTI e Unidades de Pronto Atendimento (UPA). A medida beneficiou 1.122 municípios distribuídos em todos os Estados.

“Segundo a constituição, a administração pública tem que atender os princípios da publicidade e da eficiência. Então, não é porque é público que pode ser ineficiente. Ao contrário, o público tem que ser eficiente. Por isso, todos os prefeitos devem junto com suas equipes e juntos melhorar a saúde sem custar a mais para os cofres públicos”, ressaltou o ministro Ricardo Barros.

A eficiência de R$ 3,2 bilhões obtidas no primeiro no de gestão com a melhoria da administração foi obtida com uma redução média de 20% nos 863 contratos e convênios do Ministério da Saúde.

Entre os acordos renegociados estão 356 contratos de compra de medicamentos, vacinas e outros insumos de saúde, 47 de informática, 111 de e serviços gerais e 349 de prestação de serviços. O valor equivale a uma economia de R$ 8,7 milhões por dia.

Entre as renegociações de maior destaque está à compra do medicamento Sofosbuvir, usado no tratamento de Hepatite C, o Ministério da Saúde conseguiu comprar cada unidade por um valor 31% menor do praticado anteriormente. Isso representa uma economia de R$ 298 milhões.

Agora, com o mesmo valor gasto em 2015 para tratar 24 mil pacientes, será possível atender 35 mil pacientes. Outro bom resultado foi obtido na compra da vacina contra HPV, o preço por unidade ficou 11% menor, gerando economia de R$ 30 milhões. Recurso que viabilizou a vacinação também de meninos de 12 a 13 anos no país.


2 comentários

  1. Do Interior...
    quarta-feira, 17 de maio de 2017 – 15:46 hs

    Só não mande dinheiro para o Rio de Janeiro nem para cidades onde o PT governa que irão desviar tudo para o bolso.

  2. AMO
    quinta-feira, 18 de maio de 2017 – 5:19 hs

    Esse ministro é cobra criada, todo cuidado com ele é pouco, mas o malandro tá mostrando serviço, sinto que vou ter que rever meus conceitos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*