Cristina Kirchner fala de Macri, Michel Temer e da própria candidatura | Fábio Campana

Cristina Kirchner fala de Macri, Michel Temer e
da própria candidatura

Cristina Kirchner deu entrevista ao canal de televisão C5N, na Argentina. Metralhadora giratória, a ex-presidente criticou o atual, Maurício Macri, disse que Michel Temer é brega e ridículo e anunciou candidatura para as eleições legislativas de outubro.

As informações são de Sylvia Colombo para Folha de S. Paulo

As críticas de Cristina ao atual mandatário começaram tratando de sua participação nas festividades do 25 de Maio, feriado nacional na Argentina, que celebra o início da revolta que daria lugar à Independência, em julho.

“Não há nada que festejar no país hoje”, disse Cristina, apontando principalmente para a alta inflação, de 40%. “Isso está acontecendo porque não há intervenção do Estado. Na nossa gestão, tínhamos os Preços Cuidados”, referindo-se a um programa que fixava preços máximos para vários tipos de alimentos, que Macri vem diminuindo para uma quantidade cada vez menor de produtos.

Apontou, ainda para o aumento da dívida do governo, “que cresceu, em um ano, mais do que o dobro do que durante a ditadura”, afirmou. E criticou, de maneira geral, os cortes nos subsídios e no sistema previdenciário. Com relação a este, disse, inclusive, que “deveria haver uma investigação no Congresso”.

Cristina também criticou o aumento da compra de armas e aparatos para combater o narcotráfico, algo de que Macri faz muita propaganda. “Esse tipo de armamento não é para combater a violência, é para incrementar a repressão”, afirmou.

Também criticou, com sua ironia de costume, as frases repetidas constantemente pelo atual mandatário. “Macri adora dizer a toda hora que a Argentina voltou ao mundo, sim, mas voltou ao pior dos mundos.”

Ao comparar com sua gestão, disse que “durante nosso governo, as pessoas iam vivendo cada vez melhor, e no último um ano e meio, estão vivendo cada vez pior”, chamando a atenção para o aumento dos índices de pobreza, de 28%, ao final de seu mandato, para 32%, em 2017.

“Macri cometeu um embuste eleitoral, suas promessas estão se mostrando mentirosas”, concluiu.

Cristina disse que será candidata ao Senado, para ajudar a agregar votos ao peronismo, que vem fragmentado. “Se é necessário que eu me candidate para dar mais votos a nossa força política, eu sou candidata. É preciso que surja um candidato forte do nosso lado para colocar limite a esse governo. Quero contribuir para isso”, afirmou.

A ex-mandatária ainda não decidiu se será candidata pela província de Santa Cruz ou pela capital, Buenos Aires.

Ao ser perguntada sobre a situação de crise no Brasil, Cristina disse, do presidente Michel Temer, que era um “ridículo” e um “brega” e atacou sua iniciativa de chamar as Forças Armadas para conter os protestos em Brasília.


6 comentários

  1. Marco Nascimento
    sexta-feira, 26 de maio de 2017 – 16:13 hs

    Eu achei que esta Dona estava no Ostracismo

  2. Doutor Prolegômeno
    sexta-feira, 26 de maio de 2017 – 16:59 hs

    Brega? E tem uma definição melhor para La Kirchner senão essa de brega. La cafona y brega….

  3. Roque Alves
    sexta-feira, 26 de maio de 2017 – 18:08 hs

    Perpetuação da Dinastia na América Latina… A América Latina é um Continente alastrado de vícios legispolíticos, a permitir a perpetuação de seus ex-presidentes no jogo do poder… É na Argentina, é no Brasil, é na Venezuela, é no Chile, enfim, todos mantendo regulação eleitoral permissiva aos vícios oligárquicos.

  4. Do Interior...
    sexta-feira, 26 de maio de 2017 – 18:49 hs

    Esta é mais uma que leva qualquer país ao atraso, pobreza, aumento do estado e dos gastos públicos e uso da máquina da corrupção e da mentira para se manter no poder, assim como no Brasil, Venezuela, Cuba, Bolívia e outros países governados por socialistas ditadores.

  5. Do Interior...
    sexta-feira, 26 de maio de 2017 – 18:49 hs

    Esta é mais uma que leva qualquer país ao atraso, pobreza, aumento do estado e dos gastos públicos e uso da máquina da corrupção e da mentira para se manter no poder, assim como no Brasil, Venezuela, Cuba, Bolívia e outros países governados por socialistas ditadores.

  6. AMO
    sábado, 27 de maio de 2017 – 7:04 hs

    Uma Gleisi na vida, sem moral pra nada.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*