CNBB critica 'barganha sem escrúpulos' na política nacional | Fábio Campana

CNBB critica ‘barganha sem escrúpulos’ na política nacional


Contra “agentes públicos e privados que ignoram a ética e abram mão dos princípios morais”, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) divulgou nesta quinta-feira (4) “O Grave Momento Nacional”. Trata-se de um texto em que a principal entidade católica do país ataca “a relação promíscua entre interesses públicos e privados, razão primeira dos escândalos de corrupção”.

“É preciso construir uma democracia verdadeiramente participativa. Dessa forma se poderá superar o fisiologismo político que leva a barganhas sem escrúpulos.” O documento foi lido por dom Leonardo Steiner, secretário-geral da CNBB, no último dos dez dias da 55ª Assembleia-geral da entidade.

Nele não há citações à Operação Lava Jato, mas críticas ao quadro político nacional encharcam o conteúdo.

Em nota anterior, os bispos já haviam alvejado a reforma previdenciária proposta por Michel Temer. “Os direitos sociais do Brasil foram conquistados com intensa participação democrática; qualquer ameaça a eles merece imediato repúdio”, dizia o texto.

A nova nota oficial pede uma “profunda reforma do sistema político” e pede cautela com “salvadores da pátria”.

“Com o exercício desfigurado e desacreditado da política, vem a tentação de ignorar os políticos e os governantes, permitindo-lhes decidir os destinos do Brasil a seu bel prazer. Desconsiderar os partidos e desinteressar-se da política favorece a ascensão de salvadores da pátria.”

A “economia globalizada” é descrita como “um verdadeiro suplício para a maioria da população brasileira”, por dar “primazia ao mercado em detrimento da pessoa humana e ao capital em detrimento ao trabalho, quanto deveria ser o contrário”.

O Estado, segundo o texto, não deve se submeter ao mercado.


4 comentários

  1. Carlos Pereira
    quinta-feira, 4 de maio de 2017 – 18:24 hs

    Onde estava a CNBB nos últimos 13 anos? Dormindo? Além de não ver nada, deu sustentação à desbragada pilhagem. Também não está vendo nada de anormal na programação da Rede Globo (e outras também, em menor escala), altamente destruidora dos valores morais e institucionais do nosso país. Foi-se. A palavra da CNBB, hoje, não tem a menor credibilidade.

  2. Nietzsche
    sexta-feira, 5 de maio de 2017 – 9:27 hs

    A CNBB é pai e mãe do populismo desgraçado que assolou o Brasil e outros países do subcontinente. Foi Lula e Raul Castro quem conduziram Nicolas Maduro para substituir o Coronel Chavez, mas é da Igreja Católica seja na Argentina, no Brasil, e principalmente na própria Venezuela o papel de garantidor deste ditador de quinta. Por traz de tudo o Papa Francisco, que chegou a acusar a oposição pela tragédia que vive hoje a gente daquele país. Enquanto enviava um interlocutor para abrir um diálogo do governo com a oposição , Francisco recebia em audiência privada – por duas vezes Nicolau Maduro. Vale lembrar que os corruptos menores, a turma do Mensalão tem origem nas chamadas comunidades eclesiais de base.

  3. Moisés Fróes
    sexta-feira, 5 de maio de 2017 – 11:37 hs

    CNBB fajuta, corrupta como o Lula/drão e o PT- senhores Bispos, tenham a coragem de falar mal do PT como falam do Temer, você são uns capachos do Lula/drão e dos corruptos do PT.

  4. Zé Ninguém
    sexta-feira, 5 de maio de 2017 – 11:57 hs

    E sou católico , e minha religião por batismo e por convicção de conduta , mas por experiencia pessoal , acho que quem sobe ao altar para propagar a palavra divina , não deve subir em palanques eleitorais como fez a muito tempo em especial com as esquerdas e principalmente com o PT , pois quem profere as imaculadas escrituras não devem contaminar com dizeres políticos . Não concordo com esse tipo de posicionamento da CNBB . simples assim , até podem ter razão no que esta dizendo , mas não tem autoridade para faze-lo .

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*