Câmara vai intermediar diálogo entre servidores e Prefeitura | Fábio Campana

Câmara vai intermediar diálogo entre servidores e Prefeitura

da Câmara Municipal de Curitiba

Após seis horas e muitas rodadas de negociação, vereadores e sindicatos entraram em um acordo sobre os projetos do chamado Plano de Recuperação que estão na pauta da Comissão de Legislação, Justiça e Redação. O presidente da Câmara, Serginho do Posto (PSDB), comprometeu-se a conversar amanhã com o prefeito Rafael Greca para firmar uma agenda com os sindicatos. Outro acordo feito entre vereadores e servidores é de não analisar no colegiado dois dos projetos que integram o ajuste fiscal – o que propõe alterações na aposentadoria dos servidores e o que autoriza o leilão das dívidas do município.

A comissão não chegou a votar nenhum dos sete projetos do Plano de Recuperação que estavam na pauta de hoje. O debate foi suspenso logo após o pronunciamento da presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sismuc), Irene Rodrigues, por volta das 15h10, que pediu o arquivamento das matérias.

Na sequência, falaria o diretor-presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Município (IPMC), José Luiz Costa Taborda Rauen, mas devido ao barulho e ao tumulto do lado de fora da sala, a reunião não pôde prosseguir. Em dado momento, ele tentou sair, mas foi impedido pelos manifestantes. O líder do governo, Pier Petruzziello (PTB), tentou entrar, mas também foi contido e hostilizado.

Do lado de fora, servidores usaram buzinas e soltaram rojões ao lado das janelas da sala onde ocorria a reunião. Dois vidros foram quebrados pelos manifestantes. “Por orientação da segurança da casa, porque os sindicatos arrebentaram as catracas e estão tentando invadir essa sala, para garantir a segurança dos vereadores e demais funcionários da Câmara resolvemos cancelar a reunião e vamos remarcar. É lastimável a falta de urbanidade, de bom senso e seriedade dos sindicatos”, disse o presidente da comissão, Dr. Wolmir Aguiar (PSC).

Os vereadores e o presidente do IPMC ficaram presos na sala das Comissões, localizada no subsolo do Palácio Rio Branco, até às 22 horas, quando alguns manifestantes deixaram a única porta que dá acesso ao local. Antes disso, por volta das 16 horas, o presidente da Câmara, Serginho do Posto (PSDB), entrou para abrir negociação. Ele propôs a retomada da votação dos projetos naquele momento, o que acabou não ocorrendo. “A gente tem que chegar a um entendimento. Queremos ouvir vocês, queremos saber se vocês vão propor emendas. Os vereadores estão dispostos a debater, só que nós estamos numa fase que temos que dar continuidade”, disse.

“Queremos que o senhor tente um canal de comunicação com o prefeito, para que ele não converse só com empresários, para que abra um diálogo com o servidor público e em quatro mãos a gente consiga consertar essa porcaria desse pacotaço que veio pra cá. Ajuste sim, maldade não. Se ele conversar com os representantes da classe tenho certeza que vamos conseguir achar uma maneira de Curitiba crescer”, argumentou.


Um comentário

  1. Luiz Eduardo
    segunda-feira, 22 de maio de 2017 – 22:35 hs

    Parabéns servidores, tem que lutar mesmo e se for preciso lutar com unhas, dentes e pauladas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*