Renan e Requião não desistem de barrar a Lava-Jato | Fábio Campana

Renan e Requião
não desistem de barrar
a Lava-Jato

Persiste tentativa de barrar a Lava-Jato no Congresso. A explicação para Renan e Requião insistirem com projeto para criminalizar juízes, procuradores e policiais pode ser o desespero

Editorial, O Globo

As memoráveis gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, de conversas com próceres do PMDB sobre formas de conter a Lava-Jato, ilustram bem o que acontece no momento no Senado, com a tramitação do projeto de autoria do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), um dos gravados, para supostamente conter abusos de autoridade, com a relatoria de Roberto Requião (PMDB-PR), da tropa de choque de defesa de Lula e Dilma.

De intenção meritória — autoridades precisam mesmo ser contidas, no uso abusivo do poder —, o projeto, na verdade, é um ataque direto de políticos implicados em escândalos contra agentes públicos dedicados a reprimir a corrupção: juízes, procuradores, policiais e quantos mais forem.

Das conversas gravadas por Machado, também apanhado pela força-tarefa de Curitiba, participam vários das listas de (Rodrigo) Janot e de (Edson) Fachin, procurador-geral e ministro do Supremo responsável pelo inquérito da Lava-Jato. Como o próprio Renan, os peemedebistas Eunício Oliveira (CE) e Romero Jucá (RR). As gravações registraram o tom de conspiração contra a Lava-Jato.

É uma articulação que prossegue. Na quarta, Requião leu na Comissão de Constituição e Justiça do Senado seu relatório substitutivo. Em tese, incluiria algumas sugestões, mas continuou enviesado.

Uma das provas disso é que, ao contrário do que afirmara, não incluiu no texto recomendações do juiz Sérgio Moro, da Lava-Jato, ouvido no Senado sobre o tema, num simulacro de abertura a opiniões divergentes.

Em nota, Moro negou ter concordado com o texto de Requião, e este retirou o nome do juiz do relatório. Em debates no Senado, Moro havia proposto que se incluísse no projeto que juízes não podem ser processados por divergências em relação à interpretação das leis. Tampouco o Ministério Público, ao propor indiciamentos, nem policiais ao cumprirem determinação judicial. Aceitar isso significaria acabar com a independência da Justiça e do MP, um dos requisitos do estado democrático de direito.

A mobilização de políticos contra a Lava-Jato também tem registro em outros projetos de lei. O deputado Wadih Damous (PT-RJ), por exemplo, próximo a Lula, protocolou, dentro do espírito da conversa gravada por Sérgio Machado, projeto para proibir preso assinar acordo de colaboração premiada. Ora, ora.

Outro alvo de todos é revogar o entendimento do Supremo de que pena confirmada em segunda instância pode começar logo a ser cumprida.

Parece no mínimo estranho que Renan, Requião e outros continuem a conspirar contra a Lava-Jato, em meio à reverberação das delações da Odebrecht. A explicação pode ser simples: por desespero.


9 comentários

  1. Anônimo
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 15:48 hs

    Não li e já afirmo. .duas prostitutas

  2. Roberto Cardoso
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 16:00 hs

    Dois vagabundos. Deveriam estar presos há tempo!

  3. sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 18:30 hs

    Esse é o serviço que esse pilantra presta ao país, mas o povo merece, ta lá porque alguém votou nele, daqui a pouco ta bem nas pesquisas aí como seu amigo e chefe de quadrilha lula.

  4. Jorge Hardt Filho
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 20:33 hs

    Qual dos dois é mais canalha?

  5. FCarraro
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 21:37 hs

    E o Roberto se prestando ser garoto de recado do larápio Renan é forte… nessa altura da vida só pode ser demência pura!

  6. luiz
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 22:19 hs

    Gleise e Requião Vergonha do Paraná ,ainda bem que em 2018 ambos iram para o limbo da politica paranaense …

  7. Juca
    sábado, 22 de abril de 2017 – 10:40 hs

    Requião não nega seu sangue nordestino. Cangaceiro igual a Renan!

  8. Suzan de brito
    sábado, 22 de abril de 2017 – 13:32 hs

    Dois vagabundos, ladroes e mal caráter.

  9. CURIANGO
    sábado, 22 de abril de 2017 – 21:33 hs

    Reqioao patife

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*