O jogo do faz de conta | Fábio Campana

O jogo do faz de conta


Ademar Traiano*

O PT disfarça o vexame que foi sua passagem pelo poder e já ensaia voltar ao mesmo discurso de quando era oposição, 14 anos atrás. Só não alardeia, por enquanto, sua superioridade moral sobre o planeta porque pegaria mal. A memória popular não é tão curta assim. Além disso, inúmeros processos por corrupção estão em curso, e a prisão de Lula é uma possibilidade concreta.

Um exemplo do cinismo característico da legenda é o combate a reformas de Temer, sua nova bandeira. Essa campanha é, no fundo, uma enganação.
Porque os petistas sabem, apesar de sua notória dificuldade de entender os fatos básicos da economia, que mudanças significativas terão de ser feitas.

Afinal, de que adianta promover a derrubada de Temer e operar por uma retomada do poder por Lula, ou algum preposto, em uma situação caótica, institucional e econômica, capaz de inviabilizar o país?

A verdade é que o próprio PT, não deseja a deposição de Temer. As discretas melhorias na economia, a recuperação lenta do conceito do risco-país, obtidas a duras penas, seriam todas perdidas. O país mergulharia no imponderável.

O que viria num período posterior a derrubada de Temer? Provavelmente um caos absoluto, e o país mergulhando num turbilhão rumo ao abismo. Ninguém quer isso, nem mesmo o PT. Não porque tenha sido atingido por um surto de sensatez, mas porque no caos total é impossível saber quem levará vantagem.

Melhor então fingir que se faz oposição firme as reformas, que manobra pela queda de Temer, torcendo secretamente para que elas passem e que Temer cumpra o mandato e entregue o país em relativa ordem 2018. Para que o PT possa sonhar com uma volta, surfando a demagogia e o populismo de sempre.

O PT se tornou uma melancólica caricatura de si mesmo, entregue a um abominável jogo de faz de conta.

*Ademar Traiano é deputado estadual, presidente da Assembleia Legislativa do Paraná e presidente do PSDB do Paraná


2 comentários

  1. antonio
    quarta-feira, 5 de abril de 2017 – 16:49 hs

    Mas quem mais está contra as reformas é o Sr. Renan Calheiros, um dos mais importantes líderes do PMDB que disse claramente que o Governo Temer vai acabar assim como acabou o da Dilma. Fogo amigo, aliás fogo dentro do próprio partido. Com amigos e colegas desse naipe ninguém precisa de inimigos.

  2. quarta-feira, 5 de abril de 2017 – 18:08 hs

    E O Sr. Ademar Traiano já devolveu a grana que ele e seus filhos ganharam no estado indevidamente para agora querer puxar o rabo dos outros e sentar em cima do dele.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*