O fim da Gazeta do Povo | Fábio Campana

O fim da Gazeta do Povo

Acabou. O jornal Gazeta do Povo deixa de existir depois de cem anos. O grupo já conseguira enterrar outros jornais de papel que incorporou nos últimos anos: Estado do Paraná, Tribuna do Paraná, e em Londrina o Jornal de Londrina que definhou até desaparecer. Hoje, para maquiar o fim, a família Cunha Pereira Filizola, fez uma apresentação tecno com o lero do “sistema de entrega da informação”. Para não fechar o caixão, a Gazeta do Povo confirma que passa a circular em papel apenas uma vez por semana, aos sábados.


26 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 11:39 hs

    O Paraná é uma pândega da roça. O maior jornal da “capitar” será aquele distribuído de graça nas esquinas diariamente: o Metro. De minha parte, continuarei a ler o verdadeiro do jornal do estado: o Estadão, que é o jornal da sede da província cispaulista, poiso Paraná será eternamente a quinta comarca cultural de São Paulo. Arrivederci, au revoir…

  2. ELEITOR DE BOA MEMORIA
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 11:42 hs

    A GAZETA TEM UMA HISTORIA NEBULOSA DE COMO FOIA “ADUIRIDA” .
    MAMOU MUUUUUIIIIIIITTTTTTTOOOOOOE NUNCA FOI IMPARCIAL, ALGUEM DISCORDA DISTO??

  3. quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 12:28 hs

    LAMENTÁVEL E TRISTE AO LER UMA NOTICIA DESTA..Á GAZETA FOI POR ANOS FOI O INFORMATIVO DE MILHARES DE PESSOAS…EMPRESÁRIOS..COMPRA E VENDA DE PRODUTOS…ÉRA O INDICATICO DAS FAMILIAS PARANAENSES..EU SOU DELES QUE SEM A GAZETA DE DOMINGO PARA MIM NAO ÉRA DOMINGO….INFELIZMENTE..Á NOVA ÉRA DA COMUNICAÇÃO..ESTA DERROTANDO OS QUE ESTUDARAM E SE FORMARAM..EM BUSCA DE UM SONHO..O JORNALISMO…….GASTARAM FORTUNAS ..É AGORA ESTÃO JOGADOS A INÉRCIA;;;;;;;;;

  4. quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 12:44 hs

    Menos um jornal golpista para desestabilizar o Brasil e isso é muito bom.

  5. Roberto Carlos Cassou
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 13:08 hs

    Com toda essa chuva, imagine como vamos fazer a cama dos cachorros sem esse jornal ?

  6. joao
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 13:42 hs

    Tristeza de uma lado e felicidade de outros, jornal premiado com diários secretos, veículo respeitado, quase inacreditável e todos perdemos a sociedade perde e nos deixa vulneráveis, visto que este jornal tinha impacto e formadora de opiniões….e agora josé.

  7. Rosé Marie Nejm Freitas
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 14:10 hs

    Há muitos anos assinamos a Gazeta do Povo porém já não gostei do novo formato é muito menos da edição de fim de semana.Infelizmente virou um jornaleco .Agora com o novo formato que passa a circular um vez por semana só me resta cancelar a assinatura.Que decepção!!!!

  8. Mario Celso Petraglia
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 15:08 hs

    A pobreza intelectual da nossa aldeia fica a cada dia mais comprovada!
    Sem uma imprensa escrita com tradição e respeito, sem eira nem beira, nosso futuro fica muito comprometido neste seguimento!
    Para fazer o jornalismo que vinha fazendo nas últimas décadas, fechar é o melhor remédio!

  9. QUESTIONADOR
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 11:14 hs

    -Sinceramente, não fará muita falta!!!
    -Os jornais que não se adaptarão à nova era digital e com matérias imparciais estarão fadados ao fracasso…haja visto a quantidade de informações que dispomos na internet de diversos países e várias fontes!!!
    -Jornais tendenciosos e com viés esquerdista tenderão à desaparecer num piscar de olhos…o povo não aguentam mais mimimim, teologia da libertação, ong’s alarmistas, minorias ditando regras à maioria.

  10. Fido Noronha
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 12:52 hs

    Uma noticia pra comemorar o Dia do Jornalista… Imprensa fraca pq fez, no exercício da sua atividade, a prostituição da informação. Ou seja, quem pagou, ganhou benefícios. Pois que venha uma imprensa séria a partir de agora.

  11. Língua de Krocodillo
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 14:04 hs

    Q beleza…Um jornal que se dizia a frente do seu tempo, e era…A edição do dia seguinte já circulava as 16 horas do dia anterior…

    Que comprem todas as terras do São Luiz do Purunã e que por lá se acabem. Não farão falta!

  12. anika
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 14:33 hs

    O jornal, depois que foi adquirido pelos Cunha Pereira, no fim da década de 1960, sobreviveu basicamente por duas razões: a tecnologia/internet demorou a chegar; e, nos tempos do Dr. Francisco, tinha o apoio de verbas publicitárias dos governo estadual e municipal (Curitiba). Nos primeiros anos da Gazeta, após adquirida pela citada família, os jornalistas sobreviviam com emprego paralelo na administração pública.

  13. Rafael de Lala
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 14:49 hs

    Peço licença para discordar da maioria dos srs. comentaristas anteriores.
    Para mim foi difícil aceitar a nova realidade, tendo trabalhado na Gazeta do Povo e acompanhado a responsabilidade com que o saudoso Dr. Francisco Cunha Pereira Filho dirigia o jornal; padrão superior que repassou aos seus ilustres descendentes.
    Mas a mudança tecnológica se impôs e a nova geração teve que se render à evidência – buscando a melhor alternativa disponível.
    Desejo sucesso aos diretores e profissionais da nova Gazeta nessa nova caminhada.
    Rafael de Lala, jornalista, da Associação Paranaense de Imprensa.

  14. Zé da Bota
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 16:46 hs

    Meus cachorrinhos sentirão falta…..pois terão de fazer cocô no chão…..

  15. JOHAN
    sexta-feira, 7 de abril de 2017 – 18:27 hs

    Caro FÁBIO, a gazeta foi como o ser humano, nasceu e teve seu início de envelhecimento. Foi jovem e atrevido com o Dr. Francisco, envelheceu com os sucessores despreparados para conduzir um jornal com estilo. Foram gerentes fracos, subservientes, ideológicos, comprometidos em uma sociedade que desejava e deseja opinião, independência, democracia, livre iniciativa, empreendedorismo e liberdade. Foi-se, não volta mais. Atenciosamente.

  16. sábado, 8 de abril de 2017 – 5:52 hs

    Já vai tarde, jornal parcial, e de interesses próprios, como todo o restante do grupo TPC, tá difícil ver assistir TV no Paraná.

  17. Parreiras Rodrigues
    sábado, 8 de abril de 2017 – 16:48 hs

    Alguns comentários retratam com exatidão a pobreza cultural brasileira. Pobreza que se reflete na constituição dos três poderes da República, nos índices de Segurança nas pesquisas entre a maioria das nações que se igualam à colocação – entre as últimas, no que tange à Educação.
    Quando um povo se rejubila com o encerramento das atividades de um jornal, se concretiza a prova, irrefutável e pétrea, de que realmente esse povo constitui a essência duma Nação que não deve – nunca, ser levada a sério.
    Fecha-se um jornal e cai a cortina que encerra o quadro da degradação moral, cívica e intelectual de um País.

  18. Anônimo
    segunda-feira, 8 de maio de 2017 – 13:28 hs

    ze da bota voce e um burro nao sabe oque e cultura nem sabe oque
    ta falando e nao tpc e rpc burrooooo

  19. ferreira
    segunda-feira, 8 de maio de 2017 – 13:28 hs

    ze da bota voce e um burro nao sabe oque e cultura nem sabe oque
    ta falando e nao tpc e rpc burrooooo

  20. João Silva
    quinta-feira, 1 de junho de 2017 – 11:07 hs

    …e na última edição (31.05.2017), contaram as histórias dos “prédios” que abrigou o jornal. Não fizeram qualquer referência aos fundadores da Gazeta.

  21. sábado, 3 de junho de 2017 – 20:44 hs

    O novo formato da Gazeta, ai gente, está horroroso, pesado, c onsome materia prima de maneira excessiva – é anti ecologico, portanto e …
    longos artigos que ninguem lê nestes tempos de whats up …
    Curioso saber a reação de outros leitores.
    Benedito da Silva

  22. Fábio Mayer
    segunda-feira, 5 de junho de 2017 – 13:53 hs

    Da Gazeta não sobrará nem esse arremedo de edição dominical… porque está sendo impresso na Posigraf, o que significa que em breve, vai acabar também. Ninguém edita uma coisa terceirizada quando tem parque gráficoi próprio.

  23. Victor Rossigneux
    domingo, 18 de junho de 2017 – 10:39 hs

    É uma lástima e perda irreparavel de comunicação com o povo de Curitiba. Énquanto alguns jornais impressos no mundo aumentam sua circulação, outros em capitais no Brasil sobrevivem com menor circulação que a Gazeta que vendia 300 mil exemplares por semana, por incompetência gerencial encerram a edição impressa.

  24. Celso Branco
    sábado, 15 de julho de 2017 – 13:18 hs

    Sou curitibano mas moro há muitos anos fora. Estou muito decepcionado com o fim da Gazeta do Povo. Um absurdo uma cidade como Curitiba não ter nenhum jornal. Muito triste. Como pode a rede que era proprietária do jornal se dizer “rede de comunicacao”?

  25. Everson Costa
    quarta-feira, 25 de outubro de 2017 – 10:27 hs

    Lamentável! – O PR é o segundo estado mais competitivo e vigoroso da união, segundo pesquisa da consultoria The Economist e agora sequer um jornal impresso “descente” possuí. – Tudo bem que a crise afetou grandes corporações jornalisticas do país como aqui na região Sul mesmo aconteceu com o grupo Pampa de Porto Alegre, que descontinuou a produção impressa do meteórico jornal O Sul que hoje, tal como a Gazeta do Povo – cuja história só pode ser comparada aos grandes jornais do país como o Correio de Povo, do RS que, tal como a Gazeta, têm mais de 100 anos de história mas sobreviveu às crises – políticas, econômicas e administrativas internas – e é impresso até hoje. – Correio do Povo, inegavelmente o grande Jornal do Sul do Brasil e não o seu conterrãneo “meia boca” do grupo RBS..

  26. Ismael Monteiro
    sexta-feira, 27 de outubro de 2017 – 10:46 hs

    A Gazeta foi um bom jornal. Mas sempre foi detentora de todos os anúncios da capital, o que lhe permitiu dominar os classificados e cobrar o preço que queriam. Seu reinado acabou!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*