Diante da resistência, governo deve adiar votação da reforma | Fábio Campana

Diante da resistência, governo deve adiar votação da reforma

Diante da resistência de parlamentares aliados, o governo passou a admitir que pode adiar a votação da reforma da Previdência no plenário da Câmara, inicialmente prevista para a segunda semana de maio.

Líderes e articuladores da base de Michel Temer no Congresso reconhecem que precisarão de mais tempo para convencer a população e os deputados a apoiar o novo texto do projeto, apresentado na última quarta-feira (19) na comissão especial da reforma.

Segundo os aliados de Temer, as mudanças na proposta atenderam à maioria dos pedidos de flexibilização feitos pela base aliada, mas a discussão sobre o tema foi “contaminada” pelo projeto original, elaborado pelo Palácio do Planalto, que continha regras mais duras que o texto atual.

O governo avalia que precisa de tempo para vencer as resistências, o que não deve ser possível até a data marcada para início da votação no plenário da Câmara, em 8 de maio.

Articuladores de Temer defendem o adiamento do cronograma em ao menos uma semana, mas alguns aliados do presidente admitem que pode ser necessário empurrar a data ainda mais. No limite, o texto passaria pela Câmara em junho e só teria sua votação no Senado no segundo semestre.

“O debate está contaminado pela proposta original, e é preciso deixar claro que aquele texto ficou para trás. Confio que isso possa ocorrer até o dia 8, mas é preciso ter certeza de que o tema está descontaminado”, afirmou à Folha o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O adiamento seria uma maneira de ampliar os efeitos da ofensiva publicitária deflagrada pelo governo nos últimos dias, em defesa da reforma. O Planalto espera que campanhas de TV e rádio ajudem a vencer resistências dos deputados em suas bases eleitorais.

“Não é possível fixar uma data [para a votação], porque esse é um processo de discussão amplo, num país com 200 milhões de habitantes em um território continental. A comunicação às vezes demora para chegar. Tem que esperar um pouco”, disse à reportagem o ministro Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo).

POLÍTICA

Imbassahy e Maia participaram na noite de quinta-feira (20) da cerimônia do prêmio Lide Empresarial, concedido pelo grupo que era, até 2016, comandado pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e hoje é liderado pelo ex-ministro Luiz Fernando Furlan.

Em um momento em que Executivo e Legislativo estão em xeque pela revelação da lista de investigados no Supremo, Maia fez um breve discurso a uma plateia de empresários em defesa da classe política como vetor para a saída da crise econômica.

“Juntos, sociedade e política, criaremos uma agenda de recuperação. O Congresso tem um papel decisivo na retomada do crescimento”, declarou o presidente da Câmara.


Um comentário

  1. Luiz Eduardo
    sábado, 22 de abril de 2017 – 0:26 hs

    Juntos sociedade e política………..ha, ha, ha é para rir muuiiiiito! Como pode falar isto se a sociedade como um todo está sendo submetida a propostas unilaterais que só beneficiam o governo? Aliás, governos incompetentes que são incapazez de gerir honestamente os recursos da previdência. Propostas prejudiciais ao povo e que desejam impô-las de maneira ditatorial, como se o povo fosse uma matilha de cães. Como pode propor a REDUÇAO DA PENSÃO POR MORTE DO FUNCIONÁRIO PARA A VIÚVA RECEBER APENAS 50% da remuneração do falecido? Isto é roubo. Esta proposta deve ser eliminada por ser injusta e abrupta. Se querem reduzir as pensões que o façam de forma gradativa para que o falecido, enquanto vivo e a esposa possam se preparar para esta maldade. FORA TEMER!!!!!!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*