"Cerveja nos estádios" emperra na Assembleia | Fábio Campana

“Cerveja nos estádios” emperra na Assembleia

do Bem Paraná

A venda das cervejas nos estádios ainda está longe de realmente ser liberada. Apesar do tema já ter passado, e aprovado, pelas comissões da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), ainda não há uma data definida para entrar na pauta de votação do plenário da Casa. “Como é um tema bastante polêmico, nós ainda queremos ouvir mais pessoas para, quem sabe através de emendas, melhorar ainda mais o projeto”, disse o deputado Guto Silva (PSD), 1º vice-presidente que presidiu a sessão de ontem. Ele declarou ainda que o projeto não deve entrar na pauta antes de, pelo menos, quinze dias.

O projeto é específico e libera a venda de cerveja e chope nas arenas desportivas do Paraná. A Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou no comeõ da semana o parecer favorável do deputado Requião Filho (PMDB), relator do projeto de lei nº 50/2017. A matéria já havia passado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Comissão de Indústria, Comércio, Emprego e Renda e Comissão de Esportes.

De acordo com o relator, que também preside a Comissão de Defesa do Consumidor, no que diz respeito ao interesse do público de frequentadores dos estádios de futebol, a proibição é lesiva. Requião Filho afirmou que apenas nos jogos de futebol é vedada a venda e o consumo de cerveja e chope, fato que de acordo com ele não ocorre em nenhum outro grande evento, desportivo ou não.

Participaram da reunião os deputados Tercilio Turini (PPS), que votou contra o parecer; Alexandre Guimarães (PSD) que se absteve; e Paulo Litro (PSDB), que presidiu a reunião durante a leitura do parecer e deu o “Voto de Minerva”, pela aprovação.

O projeto de lei 50/2017 tem como base o “Estatuto do Torcedor” (Lei Federal nº 10.671/2003). A justificativa do projeto de lei paranaense é de que a venda e consumo não está proibida pela lei federal, que apenas faz menção ao “porte de objetos, bebidas ou substâncias proibidas ou suscetíveis de gerar ou possibilitar atos de violência”. O projeto assinado na Alep por onze deputados argumenta, por exemplo, que a experiência da Copa do Mundo FIFA 2014 promoveu eventos com cerveja liberada e nem por isso teria registrado qualquer aumento nos índices de violência nos estádios.

Projeto

O projeto de lei nº 50/2017 é assinado pelos deputados Luiz Claudio Romanelli (PSB), Alexandre Curi (PSB), Stephanes Júnior (PSB), Ademir Bier (PMDB), Pedro Lupion (DEM), Marcio Pauliki (PDT), Tiago Amaral (PSB), Fernando Scanavaca (PDT), Marcio Nunes (PSD), Nelson Justus (DEM) e Anibelli Neto (PMDB).


2 comentários

  1. BETO
    quinta-feira, 6 de abril de 2017 – 8:11 hs

    Essa media não pode passar. Quem passar em frente a qualquer estádio em dia de jogos vai entender o porque. Vê-se ali (nnão generalizando) malácos, fanáticos que sem a ausência do álcool, promovem confusão, brigas e mortes dentro e fora dos Estádios de futebol. Não entro e nem submeto a minha família a entrar em uma arrena e bem como diz, “arena na antiguidade era pra se degladear e hj não é diferente”. Não sou contra esta pratica de jogar bola mas penso que enquanto os brasileiros priorizarem o futebol e o carnaval e deixares de se preocupar com as roubalheiras da política, este pais jamais sairá do atoleiro. Proibam as bebidas dentro e nas imediações destas arenas Srs. Deputados.

  2. Helena
    sábado, 8 de abril de 2017 – 21:18 hs

    Não deveria entrar em pauta esse projeto. Bebida nos estádios, so aumentará a violência, que já anda “pouca”.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*