Acusada de homicídios em UTI, médica é absolvida e ganha indenização de 4 milhões | Fábio Campana

Acusada de homicídios em UTI, médica é absolvida e ganha indenização de 4 milhões


Chegou ao fim o processo contra a médica Virgínia Soares de Souza, que em 2013 foi acusada de provocar a morte de pacientes internados na UTI do hospital Evangélico.

A denúncia, na época, partiu de inquérito policial feito pelo Núcleo de Proteção aos Crimes Contra a Saúde e se baseou em testemunhos de pessoas ouvidas pela investigação, prontuários médicos e interceptações telefônicas. No texto, médica e equipe foram acusados de provocar a morte de pacientes para liberar leitos na unidade de tratamento intensivo.

Os advogados se basearam na estratégia de “inocência e ausência de provas” e conseguiram provar ao juiz Daniel Surdi Avelar, da Segunda Vara de Curitiba, que ela “apenas praticou atos com justificativas em literaturas médicas e objetivos de salvar vidas de pacientes críticos”.

Inocentada no processo criminal e também no Conselho Regional de Medicina, Dra. Virgínia ganhou indenização na Justiça do trabalho de R$ 4 milhões, a conta vai para o hospital. Mas o caso ainda deverá seguir em frente, já que a médica, segundo os advogados, afirma que irá processar o Estado por danos morais. E também há a possibilidade do Ministério Público, que ainda não foi notificado oficialmente sobre a decisão do juiz, recorrer.


19 comentários

  1. sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 17:04 hs

    Prudência nas acusações.
    Depois reclamam da lei de abuso de autoridade.
    Desde o inicio suspeitei desta”ficção” mas a gazetona e a rpc, deitaram e rolaram. Matéria farta para um jornalismo medíocre.
    Se o jornalismo investigativo e imparcial tivesse atuado, não haveria esse linchamento moral com os servidores.

  2. Macambúzio
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 17:53 hs

    Tem um pessoalzinho no MP que é destrambelhado em último grau!! Vão destruindo a vida das pessoas sem a menor cerimônia, e depois, quando o engano (que beira à má-fé) é esclarecido, fazem cara de paisagem e partem para outra empreitada insana!!

  3. Arnoldo groll
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 18:20 hs

    Processo contra estes irresponsáveis que denunciaram

  4. Arnoldo groll
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 18:20 hs

    Lei do abuso tem q ser votada

  5. sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 18:25 hs

    Mas não tinha um vídeo mandando desligar o aparelho de doente? Não entendo mais nada

  6. Tadeu Urbaniski
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 18:30 hs

    Denúncias sem prova é abuso
    E abuso judiciário contra Estado e contra quem denunciou

  7. Sergio R.
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 20:40 hs

    Essa Virgínia é só uma peça do sistema. Alguém tinha que fazer o trabalho sujo. Mas tem outros. Não se enganem.

  8. FCarraro
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 21:35 hs

    “Ficção” é forçar demais meu caro Irmãos naves… a Promotoria vai recorrer e isso será de fato investigado a sério desta vez. Vamos aguardar…

  9. Marcelo Santos
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 21:57 hs

    Alguém não fez o trabalho direito… 1 x 0 – Abuso de autoridade…

  10. Lucidez
    sexta-feira, 21 de abril de 2017 – 22:50 hs

    FCarraro, a investigação acabou há muito tempo. Com o recurso do mp, a instância superior apenas revisa o julgamento com base nas provas já produzidas.
    E Macambuzio, você foi muito gentil ao dizer que o engano “beira a má-fé”. No momento em que os acusadores pegam a frase “agora estamos livres pra raciocinar” dita por um dos acusados numa ligação interceptada e transformam em “agora estamos livres pra assasinar”, a linha da fraude processual já foi ultrapasada há muito tempo.
    Lei de abuso de autoridade é muito necessária, que me desculpem os incautos e ingênuos aduladores do mp.

  11. TO DE OLHO
    sábado, 22 de abril de 2017 – 0:51 hs

    QUATRO MILHOES, HU…
    DÁ UM BELO “RACHIDE”$$$$$$

  12. Pedro Oscar
    sábado, 22 de abril de 2017 – 9:12 hs

    Não foi a defesa que venceu, foi Ministério Público que foi incompetente pra provar a culpa da médica. Os promotores estavam mais preocupados come os holofotes que esqueceram de trabalhar. 😈😈😈😈😈

  13. Pedro Oscar
    sábado, 22 de abril de 2017 – 9:13 hs

    Não foi a defesa que venceu, foi Ministério Público que foi incompetente pra provar a culpa da médica. Os promotores estavam mais preocupados come os holofotes que esqueceram de trabalhar. 😈😈😈😈😈

    MinistérioPúblico, esqueçam a tevê e vão ao trabalho, seus incompetentes.

  14. Chico Buarque de Budapeste
    sábado, 22 de abril de 2017 – 21:44 hs

    sei não essa historia, será que esse trem não tem culpa no cartório ? sei não…

  15. domingo, 23 de abril de 2017 – 8:59 hs

    Sou médico também. Trabalho em UTIs também.
    Não acredito em ma fé do MP.
    Mas as manchetes nos meios de comunicação condenam quem lá enxergar seu nome.
    E qualquer advogado consegue provar as intenções de quem divulga inverdades com onintuito de massacrar quem quer que seja.
    Consultaria advogados para processar os meios de comunicação e fazê-los criar uma atitude menos contundente para vender jornal e mais investigativa para achar a verdade nas histórias.

  16. antonio
    domingo, 23 de abril de 2017 – 17:26 hs

    Ganhou indenização de R$ 4 milhões? De onde essa notícia? Até onde se sabe a sua defesa pretende entrar com uma ação peticionando tal valor. Mas daí até ganhar e receber vai muita distância. Isso se ganhar.
    E ainda tem o recurso do MP. E tem mais, um puxão de orelha do Juiz ao MP por acusação sem provas consistentes.

  17. HOMERO PEREIRA
    domingo, 23 de abril de 2017 – 19:39 hs

    Esta é mais uma palhaçada destes irresponsáveis do MP. Agora o Estado deverá indenizar a médica, pois teve sua vida profissional e pessoal arrasada,e nós contribuintes vamos bancar através dos impostos o pagamento desta justa indenização.

  18. PROFESSOR GIRAFALES
    domingo, 23 de abril de 2017 – 23:21 hs

    “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”- Joseph Pulitzer, jornalista e escritor.

  19. Elio Lino
    segunda-feira, 24 de abril de 2017 – 11:55 hs

    Deveria pedir INDENIZAÇÃO da RPC-Rede Globo que fez uma cobertura tendenciosa presumindo a culpa da médica.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*