Youssef solto | Fábio Campana

Youssef solto

No dia em que a Operação Lava Jato completa três anos, um dos principais delatores do esquema, o doleiro Alberto Youssef, vai ganhar a liberdade. A defesa ainda não informou detalhes do fim da pena de Youssef, mas confirmou que ele vai tirar a tornozeleira eletrônica hoje (17). As informações são da Agência Brasil.

O doleiro foi condenado na Lava Jato a mais de 100 anos de prisão em vários processos, mas, como assinou acordo de delação, ficou apenas três anos preso. Ele foi detido na primeira fase da operação, em março de 2014. Cumpriu pena em regime fechado até novembro do ano passado e saiu da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, em novembro do ano passado, quando passou para o regime domiciliar, com tornozeleira eletrônica.

Youssef foi considerado peça-chave na revelação do esquema de corrupção na Petrobras. Este não foi o primeiro envolvimento do doleiro em casos de corrupção. Alberto Youssef ficou conhecido a partir do caso Banestado, que investigou o envio ilegal de dinheiro para o exterior por meio do Banco do Estado do Paraná. Ele foi preso à época, assinou o primeiro acordo de colaboração da história brasileira e tinha se comprometido a não praticar novos crimes.


6 comentários

  1. JÁ ERA...
    sexta-feira, 17 de março de 2017 – 15:26 hs

    Sem dúvida alguma as delações fazem parte da lei e ajudaram em
    muito o andamento das investigações, porem entre ajudar e a extin-
    ção da pena existe um caminho imenso. Os delatores poderiam sim
    receber um benefício da redução das penas, porem passar à uma
    liberdade sem tornozeleira já é demais. Fica a sugestão de condenar
    os caras a cem anos e dar uns 20 % de desconto se for delator.

  2. CARRASCO
    sexta-feira, 17 de março de 2017 – 15:28 hs

    Assim fica a impressão nítida de que todo o crime compensa e
    quanto maior melhor. Que cidadão honesto guardaria esta dinheira-
    ma mesmo trabalhando cem anos !? Os caras cumprem uns míse-
    ros quatro anos e depois saem pela porta da frente…

  3. Doutor Prolegômeno
    sexta-feira, 17 de março de 2017 – 16:20 hs

    O crime compensa? Depende de quem é o criminoso.

  4. João Silva
    sexta-feira, 17 de março de 2017 – 16:58 hs

    Este é a maior prova de que o crime compensa e delatar mesmo sem provas compensa ainda mais…lembremos que Youssef já era figurinha do caso Banestado…aí ai ai…e tem gente que acredita neste MP e nos juízes como solução para o País…

  5. sexta-feira, 17 de março de 2017 – 18:27 hs

    O criminoso é o delator preferido do Moro, rouba, delata, rouba, delata e sai dando risada da sociedade com os bolsos cheios e as benças do juizeco.

  6. xiru de palmas
    segunda-feira, 20 de março de 2017 – 10:19 hs

    E o pior, não é réu pŕimário

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*