Sem reforma, Brasil paralisa em 7 anos, diz Temer | Fábio Campana

Sem reforma, Brasil paralisa em 7 anos, diz Temer

O presidente Michel Temer voltou a defender nesta quarta-feira (29) a aprovação da reforma da Previdência como essencial para a sustentabilidade financeira do país no longo prazo. Segundo o peemedista, sem as mudanças nas aposentadorias e pensões, o Brasil vai paralisar em sete anos. “Se não se fizer essa reforma agora, daqui a três anos teremos que fazer, senão daqui a sete paralisamos o país”.

Segundo Temer se a reforma não for feita, em 2024 haverá caixa apenas para pagar o funcionalismo e não será possível investir em áreas sociais.


8 comentários

  1. Leomir
    quarta-feira, 29 de março de 2017 – 13:19 hs

    Chantagista e mentiroso.
    Excluindo os militares e os rurais o sistema é superavitário.
    Quer fazer caridade com os que não contribuem com a Previdência, faça com o dinheiro dos impostos, que todos pagam, e não nas costas só dos que contribuem com a Previdência.

  2. LENZA TOLEDO
    quarta-feira, 29 de março de 2017 – 13:27 hs

    pARALIzado já está. E só não sabe disso aquele que não tem comércio. Ele, no caso, não tem como sentir esse peso.

  3. Sou sem noção
    quarta-feira, 29 de março de 2017 – 14:28 hs

    Profeta do caos.
    Sr.presidente, 1/2boca, cobre dos grandes grupos empresariais os impostos que eles estão devendo e rolam na maior cara de pau.

    R$ 5.898.989.777.772,00 –

    é isso mesmo : CINCO TRILHÕES, NOVECENTOS E OITENTA E NOVE BILHÕES, SETECENTOS E SETENTA E SETE MILHÕES E SETECENTOS E SETENTA E DOIS REAIS)

    da pra cuidar da aposentadoria por uns 500 anos, é só querer.

  4. Zé Venancio
    quarta-feira, 29 de março de 2017 – 17:09 hs

    Espero que nestes sete anos que restam, surja um governo de fato e de direito, que cobre regiamente dos reais devedores, todas as suas dívidas previdenciárias.
    E corrente a ideia defendida pela maioria dos estudiosos e especialistas de que se os grandes devedores pagarem o que devem, a Previdência torna-se SUPERAVITÁRIA!
    Ahhh, dentre os maiores devedores, estão as tais empresas da carne podre, surpreendidas recentemente pela Operação Carne Fraca…

  5. Do Interior...
    quarta-feira, 29 de março de 2017 – 19:06 hs

    De fato, a reforma da previdência oficial deve mudar mesmo.
    Está uma moleza aposentar lá.
    Aqui no Paraná ja´ faz muito tempo que mudou para 60 anos. Até acho uma regra interessante que, conforme você tem mais tempo de serviço, pode antecipar a aposentadoria.
    Acho que se a previdência oficial fosse copiada daqui estaria ótimo.

  6. Do Interior...
    quarta-feira, 29 de março de 2017 – 19:07 hs

    Complemento aí de cima…. quando disse quanto à previdência aqui do Paaná, digo em relação à previdência do Paranaprevidência.

  7. Jayme de Azevedo Lima
    quinta-feira, 30 de março de 2017 – 10:42 hs

    Ótimo, então o povo, o congresso,o poder executivo e sindicatos e associações tem até 3 anos para discutir a necessária reforma política.
    A começar por discutir a universalidade e o respeito ao texto constitucional no que tange a seguridade, ao orçamento, a questão da DRU, a respeito da implantação do estado mínimo no Brasil, presidencialismo ou parlamentarismo voto distrital puro, lista aberta, portanto, nominal, reforma tributária, só para começar.
    Especificamente, a questão da remuneração para aposentadoria/pensões do funcionalismo público, a criação de um sistema complementar, revisão da idade para aposentadoria, limitação da contribuição para 35 anos nenhum dia a mais, aplicação de uma nova tabela de longevidade, sobretudo a questão da viuvez e do tempo de reinserção do cônjuge sobrevivente ao trabalho a depender da idade. Buscar fontes alternativas de receita sem pesar no bolso do trabalhador, liberação do jogo com 70%da arrecadação para a previdência, revisão e blindagem dos recursos destinados ao sistema previdenciário, arrecadações temporárias para amortização de eventuais déficit previdenciário consolidado com a cobrança de R$ 1,00 ou R$ 2,00 no telefone, isto porque são quase 300 milhões de aparelhos celulares e fixos no país , pode ser também na água até a quitação do débito , promoverem o saneamento e análise de viabilidade da cobrança dos valores devidos por empresas inadimplentes. Tudo isto é mais um pouco porque na previdência o que exige de melhor é o tempo e esta matéria não pode ser tratada de afogadilho pelo governante de plantão. Jamais entregar para bancos o sistema de seguridade.

  8. Helena
    quinta-feira, 30 de março de 2017 – 21:42 hs

    Deveria primeiro cobrar as megas empresas que devem bilhões à Previdência,cobrar e processá-las por apropriação indébita, reformar a Previdência para aqueles ganham altos salários e gozam de grandes privilégios, para depois verificar se realmente são os pobres que têm que pagar essa conta. Duvido que seja…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*