Maggi contesta a Polícia Federal | Fábio Campana

Maggi contesta a Polícia Federal

A jornalistas com os quais se reuniu, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, criticou duramente o que chamou de “narrativa” construída pela Polícia Federal. Não há papelão na carne moída, nem elementos cancerígenos usados para maquiar carne estragada. Esse embate será travado hoje. Se a Polícia Federal cometeu equívocos dessa monta, prejudicando de forma profunda a economia do país, vai arranhar a imagem que construiu com muito esforço e bom desempenho na Lava Jato.


2 comentários

  1. JÁ ERA...
    segunda-feira, 20 de março de 2017 – 11:26 hs

    O Maggi em sua posição de Ministro não deve bater de frente com
    a Polícia Federal em hipótese alguma. Se houve irregularidade des-
    te tamanho deve antes de mais nada intensificar a fiscalização por-
    que tanto a União Europeia, Asia e a Coreia do Sul cancelaram ou
    criaram barreiras para as importações de carnes e derivados brasi-
    leiras. E estão erradas !?

  2. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 20 de março de 2017 – 14:13 hs

    As vezes eu acho que os brasileiros são marcianos, não são deste planeta. Bismarck já dizia que o povo jamais deveria saber como são feitas as salsichas e as leis. Todo mundo sabe que embutidos podem conter de tudo, inclusive ossos moídos em sua massa. Mas, o povo prefere ignorar e comer vina como se fosse um acepipe culinário. Carnes maturadas, p.ex.,nada mais são que carnes em início de apodrecimento. Aliás, a carne começa a apodrecer quando matam o boi. Mas, as pessoas acham que a carne vem de uma fábrica de carnes, não do boi morto, como a fantástica fábrica de chocolates. Francamente, há muita safadeza em vender carne de gato por lebre e deve haver punição rigorosa para os safados. Mas, o resto é conversa fiada pra boi dormir e apodrecer.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*