Para Barros, Folha induz leitor a erro | Fábio Campana

Para Barros, Folha
induz leitor a erro

ricardo-barros-1

Em nota à imprensa, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que a Folha de S. Paulo induz ao erro na reportagem desta sexta-feira, 10: “Com bens declarados de R$ 1,8 mi, Barros virou sócio de área de R$ 56 mi”.“Sem verificar os documentos”, como afirma o diário paulista, sequer o especialista consultado pelo jornalista afirma haver irregularidade, tratando apenas como uma situação que classificou como “incomum”. Reforça-se, em texto em “Outro Lado”, que, “como se sabe, o valor capital social de qualquer empresa não limita seus negócios”.

A matéria, ainda, afirma que as informações foram “obtidas pela Folha em cartórios”. Toda a documentação e transações respectivas à aquisição de um lote de terras na região de Marialva, Paraná, estão declaradas e impostos pagos. É evidente que, nos cartórios, estão claras todas as etapas do negócio.

Sobre o trecho da reportagem, “À Folha o ministro disse que vendeu à Paysage suas duas empresas, o que levou, segundo ele, à “quitação” do empréstimo de R$ 13 milhões. Ou seja, as microempresas recém criadas foram dadas em troca do empréstimo”. Para não confundir o leitor, significa que o empréstimo e o juros foram pagos com a transferência das empresas detentoras da propriedade de 50% do terreno.

A bancada de deputados federais do Paraná apresenta emendas para garantir recursos para uma obra viária na região desde 2011. Assim, não seria diferente que, conforme a reportagem, “em 2015, na condição de deputado, ele (Ricardo Barros) apoiou, por meio de um requerimento, a liberação de R$ 450 milhões de emenda da União para a construção de uma rodovia de 32 km que passa a 3km do terreno”. Vale ressaltar que o anúncio convênio entre a prefeitura municipal de Maringá e o DNIT firmado em 2011, ocorreu três anos antes da compra do terreno. Ou seja, no período do compra dos terrenos próximos, qualquer ganho possível com a eventual valorização já teria ocorrido. Portanto, o apoio se deu pela importância da obra viária para a região. Vale destacar que a obra do contorno Sul sequer foi realizada até o momento. Ainda, por anos seguidos, a bancada destinou recursos para a região.

O ministro da Saúde reitera sua determinação de economizar R$ 3 bilhões de reais no primeiro ano de sua gestão a frente do ministério, enfrentando quaisquer interesses contrários à boa gestão pública. Em nove meses já economizou e reaplicou com melhor eficiência na rede pública cerca de R$ 2,2 bilhões.

(foto: MS)


6 comentários

  1. SOLANGE LOPÉS
    sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 – 14:30 hs

    Estes políticos são verdadeiros alquimistas.

  2. Ronaldo Santos
    sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 – 14:53 hs

    cumpre ao ministro e sua esposa exercer não so o direito ao contraditório mas também o de resposta junto ao mesmo veiculo que o denunciou, contudo exibindo provas e documentos.
    Por outro turno, se isso não for convincente, sua excelência e digníssima esposa estão numa enrascada de consequências letais.

  3. Eleitor
    sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 – 15:37 hs

    Não tem explicação meu Caro!!

  4. SANDOR MENDES
    sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 – 16:37 hs

    Mas qual o patrimônio destas duas empresas que foram transferidas para pagamento?
    Qual a origem dos valores da constituição deste patrimônio?
    Vamos pesquisar na Junta Comercial o Contrato Social destas empresas ou a Receita Federal deveria se manifestar para confrontar as informações prestadas.
    Qual é a mágica ministro? O senhor criou duas microempresas e deu as empresas com capital social de 10.000,00 para pagamento de um empréstimo de 13 milhões?
    Apresente ao povo do Paraná os bens que estavam nesta empresa. Vamos investigar.

  5. sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 – 19:51 hs

    Ele e a maior fortuna de MAringa, só depois de. Entrar na politica

  6. Joao B R Machado
    sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 – 21:28 hs

    Ditado antigo diz: Quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lugar vem.

    Os politicos acham que eles são os únicos espertos do mundo, o povo são beócios.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*