Curitiba é tema de escola de samba de São Paulo que reclama da falta de apoio | Fábio Campana

Curitiba é tema de escola de samba de São Paulo que reclama da falta de apoio

IMG_6764
Não agite continua sendo o lema para os curitibanos passarem o carnaval.
A Nenê de Vila Matilde, tradicional escola de São Paulo, não imaginava que entraria no sambódromo nessa noite mais solitária do que nunca, pelo menos ao que se refere à nossa província.
O empresariado da cidade não aderiu à festa e deu bolo no financiamento. Ao que consta só a Serra Verde Express embarcou no trem da folia. Os dirigentes da Nenê queixam-se da atuação da gestão anterior da Fundação Cultural de Curitiba na negociação de patrocínio: não ajudou na captação nem no financiamento.

O tema “Coré Etuba — A Ópera de todos os povos… Terra de todas as gentes… Curitiba de todos os sonhos!” custou 5 milhões e, dizem, foi bancado inteiramente pela escola. Poucos curitibanos se animaram a pagar 400,00 pela fantasia, mas ligar a TV e cantar junto não custa nada:

Lá vem Nenê
Segura que eu quero ver
Meu samba vai levantar poeira
É o lado leste sacudindo a avenida
A Vila exaltando Curitiba
Voar por este imenso paraíso
Que a natureza abençoou
O canto faceiro da gralha azul
Encontra a águia e vem mostrar
Entre Azaléias, araucárias e ipês
A semente que plantei vai florescer
Índio dançou, bateu tambor
Pra afastar a coroa portuguesa
O bandeirante cobiça as trilhas do ouro
Cacique malandro protege o tesouro
Negro chegou, nesse lugar
Trazendo axé lá do povo de aruanda
O negro é rei, é nó na madeira
Ajoelhou, rezou pra santa padroeira
Salve a miscigenação
Em cada sonho toma forma esse chão
Culturas cruzaram o mar
A esperança refletida no olhar
Desperta, Poty!
Vem ver a tua arte eternizada
A poesia coloriu nossas calçadas
Sorriso no rosto
Meu povo é mais feliz
Futuro, qualidade, educação
Exemplo de modelo à nação
Águia guerreira, meu ato de amor
Curitiba é sinfonia genial
Que vai brilhar no palco no meu carnaval

O samba-enredo da Nenê de Vila Matilde foi composto por Zé Paulo, Sandrinho, Luís Jorge, Vitão, Silas, Léo do Cavaco, Juninho e Kaska.


  • Um comentário

    1. Olmir Antonio de Oliveira
      domingo, 26 de fevereiro de 2017 – 8:22 hs

      Parabéns pela homenagem e lembrança. Mas o fato é muito já foi feito na cidade e no estado. mas de bom tempo estamos precisando atualizar e melhorar, e até mesmo em alguns itens é oportuno inovar em termos de uso de tecnologias tradicionais já mais evoluidas, e que são viaveis e sem grandes custos.

    Deixe seu comentário:

    Campos obrigatórios estão marcados com *

    *

    *