Jovem vai parar em UTI de hospital particular após ficar na fila de UPA | Fábio Campana

Jovem vai parar em UTI de hospital particular após ficar na fila de UPA

da Banda B

Os pais de um adolescente de 14 anos estão denunciando o que consideram um descaso no atendimento de funcionários da Unidade de Pronto-Atendimento do Campo Comprido, em Curitiba. O filho Shaylon Yuri Moreira dos Santos foi levado a UPA às pressas após dois ataques de convulsão, na noite desta quarta-feira (25). Segundo a família, as atendentes se recusaram a chamar um médico, alegando que o garoto precisava aguardar a vez dele. O menino foi levado então pelos pais – desesperados a um hospital particular no Batel. Shaylon está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) desde a madrugada. A Prefeitura de Curitiba nega o descaso e afirma que a família optou em deixar a UPA. (nota abaixo).

A família mora no bairro São Braz e todos estavam em casa quando os sintomas do garoto começaram. Saudável e sem histórico de problemas de saúde, o adolescente tinha acabado de jantar quando se sentou na cama, já passando mal. O pai do garoto, Osvaldir dos Santos, 45 anos, procurou a Banda B para relatar os momentos de aflição. “Na hora que ele chegou na porta do banheiro já foi pro quarto meio assim, ele caiu no chão e começou a tremer, tremer, ficar roxo, ter aqueles ataques. Saímos correndo, pegamos o carro e fomos direto para o 24 horas. Colocamos ele na cadeira de rodas, quase desfalecido, e daí vimos que a gente não tinha levado documento, na correria. Ela foi fazendo a ficha na mão, mas disse que ali tinham regras e ele precisava esperar o nome dele no painel. O piá daquele jeito e eu vou esperar como o nome dele no painel?”, conta indignado o pai, que é motorista de uma rede de supermercados.

Enquanto aguardava o chamamento para a triagem, o adolescente vomitou por duas vezes e teve nova convulsão, segundo a família. “A funcionária só sabia dizer que lá tinham regras e a gente tinha que cumprir. Não chamou um médico para vir atender o menino. Tenho certeza que se algum médico visse aquilo ia ter atendido. A gente ficou muito nervoso, colocamos ele no carro de novo e fomos pro hospital do convênio, que é mais longe”, descreveu.

Outros pacientes também se revoltaram com o descaso no atendimento das atendentes e orientaram os pais a procurarem outro hospital, com urgência. “A gente parou lá porque ela mais perto, pensamos que não fosse dar tempo de ir em outro longe. No fim, perdemos tempo porque levamos ele lá no Ônix, que a gente tem plano de saúde. A mulher nem se deu ao trabalho de sair da cadeira para chamar um médico”, explicou o pai à Banda B.

O garoto chegou ao hospital por volta das 23 horas e foi encaminhado com urgência ao Hospital Vita. Ele segue internando na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde realiza diversos exames para conclusão do diagnóstico.

Resposta

A Banda B entrou em contato com a Prefeitura de Curitiba no início da manhã e recebeu um comunicado, em nota, afirmando que o atendimento ao garoto não ficou registrado oficialmente, pois ele estava sem documentos.

“A Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba informa que não há registro médico de atendimento no dia 25/01/2017, em nome de Shaylon Yuri Moreira dos Santos. O paciente chegou à UPA do Campo Comprido, às 22h30, sem documento. A família não aceitou fazer a ficha de atendimento inicial, retirando-se do local”.


4 comentários

  1. Osvaldo Lima
    quinta-feira, 26 de janeiro de 2017 – 18:20 hs

    A resposta da prefeitura foi fria. Estilo Lula: “Nada sei”… Nem sequer para encaminhar um profissional até o hospital e checar o estado de saúde do menino, nada… Se o secretário fosse o Ducci, a resposta seria outra.

  2. Che
    quinta-feira, 26 de janeiro de 2017 – 18:29 hs

    Se a família pôde se valer de um hospital particular porquê já não o fez? Porquê querer se valer da assistência gratuita da UPA? Como se eles não soubessem que nas UPAs o atendimento é demorado mesmo, sei disto poque já atendido nesta unidade mais de uma vez, e não era para consulta normal não, era coisa urgente. Assim mesmo tive que esperar. Esperar-se que o atendimento nas UPAs seja feito na hora é muita ingenuidade ou pretensão, se o caso é de urgência que se vá ao Evangélico ou ao Cajuru.

  3. Fátima Souza
    sexta-feira, 27 de janeiro de 2017 – 9:31 hs

    Que vergonha, despreparo.

    Adoro meu País, porém, não confio mais no sistema político.

  4. Roberto
    sexta-feira, 27 de janeiro de 2017 – 11:08 hs

    O Rafael Greca foi eleito para despetizar Curitiba… mas insite em manter uma turma do pt na prefeitura…

    Logo logo chega a conta; e vai ser cara.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*