Os mitos da esquerda | Fábio Campana

Os mitos da esquerda

unnamed

Ademar Traiano

A esquerda vive de mitos. Ao fazer o balanço da longa ditadura de Fidel Castro, tentou-se justificar o regime sanguinário, que matou e encarcerou milhares de opositores, submeteu o país a carências inimagináveis, por mais de meio século, apontando supostas melhorias na saúde e educação.

O mito redentor também é invocado para justificar o petismo. A corrupção em escala planetária, nunca vista na história deste país, nem do mundo, seria compensada por miraculosas políticas de redistribuição de renda, que teriam reduzido a histórica desigualdade social do país.

A mitológica excelência nas áreas de saúde e educação em Cuba ignora que, desde o início do Século XX, os indicadores cubanos eram melhores que os de qualquer país latino-americano. A taxa de mortalidade infantil, em 1955 (ditadura de Fulgêncio Batista), era a segunda menor da América Latina.

Estudo Radar IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal), coordenado pelo Programa das Nações Unidas, registra queda nos índices de bem-estar das famílias brasileiras entre 2010-2014. E não são computados os anos 2015-2016, quando a estagnação econômica deve tornar esses indicadores ainda mais sombrios.

As políticas assistencialistas conduzidas pelo petismo, em especial o Bolsa Família, tiveram um efeito muito limitado sobre a redução de desigualdade. Por outro lado, a corrupção, as desastrosas e temerárias políticas econômicas do PT, especialmente no período Dilma, sepultaram esses eventuais ganhos.

Só sobrou o mito, que alguns insistem em cultivar.

Ademar Traiano é deputado estadual, presidente da Assembleia Legislativa do Paraná e presidente do PSDB do Paraná


3 comentários

  1. Nosferatu
    sábado, 17 de dezembro de 2016 – 16:49 hs

    O problema de todo esquerdopata é este mesmo, eles só veem o qeu lhes interessa, se milhares ou milhões de pessoas foram assassinadas nada disto importa. Aí fecham os olhos, se fazem de surdos e mudos quando a coisa não é do agrado deles. Ou partem para mentira e a agressão, física muitas vezes.

  2. Do interior
    domingo, 18 de dezembro de 2016 – 10:02 hs

    O deputado esqueceu de dizer dos benefícios fiscais de mais de 400 bilhões dados à empresas que “contribuiram” para o PT nas eleições. Ou alguém acha que os milhões repassados ao partido foi porque os “doadores” gostavam das ideias da facção criminosa?.

    Do outro lado restou as empresas que geram empregos e que realmente pagam impostos.

    O PT aumentou a carga tributária de 27% para 34% do PIB, mas deu benefícios aos companheiros em troca de doações, enquanto os demais mortais pagaram os impostos e geraram impostos, insuficientes para conter o rombo, de tantos benefícios dados.

    Fora PT

  3. Do interior
    domingo, 18 de dezembro de 2016 – 10:03 hs

    O PT e LuLLa são o MST, o Stédile e o Boulos.

    Os movimentos sociais e o PCC estão para o Brasil, assim como as FARC estão para a Bolívia.

    Não vai demorar em que o PCC queira entrar na política. Ouçam o que eu digo. Hoje já controlam com mão de ferro as favelas, ditando quem vive e quem morre.

    FARC = PCC = PT = Boulos = Stédile

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*