'Lula nunca gostou de mim', diz Marcelo Odebrecht a procuradores | Fábio Campana

‘Lula nunca gostou de mim’, diz Marcelo Odebrecht a procuradores

marcelo-odebrecht-abertura

Marcelo Odebrecht decidiu atravessar o samba no segundo dia das conversas com procuradores da Lava Jato que precederam sua delação. Indagado a respeito de suas relações com o ex-presidente Lula, respondeu: “O Lula nunca gostou de mim. Quem sempre tratou de tudo com ele foram o meu pai e o Alexandrino (Alencar, diretor de relações institucionais)”.

A resposta não estava no roteiro que advogados da empresa haviam traçado diretamente sob a batuta de Emílio Odebrecht, o pai de Marcelo. Por essa estratégia, Emílio seria poupado de maiores responsabilidades nos malfeitos da empresa, da mesma forma que executivos-chave como Pedro Novis, ex-presidente do conselho da Braskem.

Já Marcelo tomaria para si a parte mais pesada da culpa. Isso permitiria que mais executivos se mantivessem em seus cargos e continuassem tocando a empresa. Em outras palavras, Marcelo seria o cordeiro do sacrifício cujo sangue irrigaria o império presente em 26 países e responsável por um faturamento de 125 bilhões de reais em 2015 (a Odebrecht é a maior construtora do Brasil e a 13ª do mundo). Ocorre que o príncipe dos empreiteiros começou a achar que a conta estava salgada demais para ele.

Naquele dia em que disse não ser próximo de Lula e apontou o dedo para o próprio pai, Marcelo implodiu de uma vez as pontes que ainda o ligavam à empresa. Aos gritos, desafiou os advogados Theo Dias e Adriano Maia — o primeiro, contratado pela Odebrecht, e o segundo, diretor jurídico da empreiteira. Ambos participavam da conversa com os investigadores, juntamente com a irmã de Marcelo, Mônica, e o também advogado Luciano Feldens — contratado pessoalmente por Marcelo depois que ele passou a achar que estava sendo prejudicado na divisão da culpa.

A rebeldia do primogênito da família não apenas selou o seu distanciamento da Odebrecht como também deixou claro que a relação com Emílio, seu pai, que sempre havia sido turbulenta, chegava ao seu pior momento.


3 comentários

  1. Palpiteiro
    sábado, 31 de dezembro de 2016 – 15:35 hs

    Ninguém gostava dele. Isso é balela. Ele sempre foi boçal, metido e pisava duro. Chutava até a própria sombra.

  2. sábado, 31 de dezembro de 2016 – 18:12 hs

    Gostava do dinheiro dele…

  3. Luiz Veiga
    terça-feira, 3 de janeiro de 2017 – 10:07 hs

    Mais uma manobra para embolar o meio campo, a Lava Jato não conseguira ir até o final, os vagabundos serão beneficiados com o tempo, já são 77 delações e + esta confusão para analisar …

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*